Pular para o conteúdo principal

Destaques

Subdiagnóstico de autismo, números e incoerências

O brasileiro é muito individualista. Ao mesmo tempo que vejo pessoas reclamando que os números do Censo vão dar abaixo por causa dos subdiagnósticos de autismo, já vi muita gente acusando pessoas com laudo fingirem que eram autistas.


Como explicar a volatilidade? Nem tento entender o que se passa na mente do brasileiro.

Os discursos são sempre contraditórios. Por causa de polarização, todo mundo sai perdendo.

Já vi até gente dizendo que o laudo é só um papel. Se é só um papel, a pessoa, então, não precisa de um diagnóstico? Logo, por que ser contabilizada? Sejam mais coerentes nos discursos.

Incoerências dos brasileiros sobre subdiagnósticos:

– Já vi gente acusando autista de fingir, mesmo a pessoa tendo laudo;

– Já vi gente se posicionando contra diagnóstico precoce, achando que seria ruim, desconhecendo a questão da plasticidade cerebral;

– Já vi gente dizendo que autismo nem deveria ter CID;

– Já vi gente dizendo que o outro não é autista, só porque sabe argumentar e é diferente do …

Corpo Condenado: Peça estreia no Teatro Commune com história de garotos de programa e misterioso pacto

O corpo do amor, do sexo, da inocência, do dinheiro, da dor, da paixão, da vaidade e da vingança. Essas facetas se misturam na peça Corpo Condenado, escrita e dirigida por Alex Francisco. A estreia acontece dia 6 de novembro, sexta-feira às 20h30, no Teatro Commune, em São Paulo (SP).

Leia: Entrevista com o diretor e dramaturgo Alex Francisco!



O drama, que questiona o público sobre quais os limites entre o corpo e a mente em relação à sexualidade, conta a história de Gael (Willian Young) e Natasha (Aline Cunha), garotos de programa que vivem pela noite paulistana em busca de dinheiro e prazer. Eles têm um pacto: sempre fazer programa juntos. “Tem algo misterioso por traz desse acordo. Há um segredo que os une”, diz o autor.

Peça inspirada no livro homônimo de Alex Francisco coloca a relação com o corpo no centro da narrativa e questiona o público: "Como você condena o seu corpo?”

Gael e Natasha serão surpreendidos por Daniele (Letícia Assis), uma socialite que descobre que o marido esteve na cama dos prostitutos e que, por medo do vexame, resolve pagar pelo silêncio deles. Enquanto isso, a relação de cumplicidade do casal será abalada por Bruninho (Rauan Galvão), um adolescente que se apaixona por Gael e o inspira a sair da prostituição – para desespero de Natasha, que fará de tudo para manter o michê por perto.

Em uma narrativa que mistura passado e presente, o público conhecerá a vida de Gael (Alex Francisco) 20 anos depois, quando ele se tornou um famoso poeta que mora em Portugal e que decide lançar seu novo livro no Brasil. De volta à terra natal, o escritor visita a casa que morou com Natasha e, lá, é surpreendido pelo pedido de casamento do namorado, Diogo (Rafael Costa). “Estar naquela casa e lidar com esse pedido são coisas que vão mexer com a cabeça de Gael e o farão ter que reviver um passado que ele tanto quis esquecer”, comenta o autor.

É que, diante dos planos do namorado, Gael revela que foi um garoto de programa e que foi capaz de matar uma pessoa. Despedaçado, o poeta ainda terá que juntar forças para suportar a vingança de Bruninho, que, após uma desilusão amorosa, tornou-se um novo homem e se realiza na noite com a exuberante drag queen Lady Babete (Thiago Chagas).

Ficha técnica
Texto e direção: Alex Francisco
Poemas: Diego Davoglio
Elenco: Aline Cunha, Willian Young, Alex Francisco, Thiago Chagas, Rafael Costa, Letícia Assis e Rauan Galvão
Preparação de elenco / coreografias: Anderson Costa
Sonoplastia: Renan Alves
Iluminação: Diego Davoglio
Cenário e figurino: Maya Quirino
Maquiagem: Letícia DiBuono e Natalia Sprega
Identidade visual: Marcus Lyra
Fotos: Rodrigo Parreiras
Assessoria de imprensa: TeclaMais Comunicação – imprensa.teclamais@gmail.com

Serviço
Corpo Condenado – temporada de 6 a 27 de novembro, sextas-feiras, às 20h30
Teatro Commune – Rua da Consolação, 1.218 (entre o Mackenzie e o Tribunal do Trabalho) – Tel.: (11) 3476-0792 – www.commune.com.br – Estacionamento ao lado
Capacidade: 84 lugares e 1 lugar para cadeirante
Sistema de vendas: www.ingresso.com
Bilheteria: aberta 1 hora antes do início do espetáculo
Ingresso: R$ 35 (inteira) e R$ 17,50 (meia)
Duração: 120 minutos
Classificação: 16 anos

Para ficar por dentro das novidades do espetáculo e do livro homônimo escrito pelo dramaturgo Alex Francisco, curta a página de Corpo Condenado no Facebook: https://www.facebook.com/corpocondenado

Comentários

Mais lidas da semana