Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autistas com Altas Habilidades: Mais adaptáveis ao mundo neurotípico

Por que eu não gosto de ser acompanhado no meu perfil pessoal por muitos familiares de autistas? Não gosto que queiram saber minhas vivências, como fazem com outros autistas?


Texto da imagem: Os autistas com altas habilidades (dupla excepcionalidade) podem compensar as limitações usando habilidades cognitivas, navegando em situações sociais e se adaptando aos desafios da vida cotidiana (Autism Calgary).

Todos autistas são diferentes. Eu repito isso quase que diariamente. Muita gente fica comparando experiências e vivências, achando que por estarem no mesmo grau, vão encontrar as respostas que precisam. Spoiler: Nem sempre.

Dois autistas podem ser completamente diferentes. Dois aspies podem ser completamente diferentes.

Existem muitas dificuldades que alguns aspies têm na vida adulta, que eu tinha na infância ou adolescência. Isso significa que eu preciso esconder que me adaptei? Não. Significa que somos todos diferentes e sou mais adaptável em alguns aspectos. 
Isso me torna um fake auti…

Autismo é só um dos meus hiperfocos

Pessoas que caíram de paraquedas no meu perfil e página, eu sempre postei trechos de livros, séries, filmes e músicas. Tenho meu blog há 10 anos e a página há muitos anos.


Prazer, sou escritor de terror e fantasia. Hiperfocado em livros, apaixonado por cultura e amante da liberdade. Minha vida não começou há dois anos com autodiagnóstico, tampouco com o diagnóstico formal em março de 2019.

Quem está com a consciência pesada, não posso fazer nada.

Meu foco nunca foi e nunca será falar só de autismo. Também sempre fui transparente desde o início: nunca me posicionei dentro de qualquer associação ou lado.

Apoio a Neurodiversidade, mas a postura de muitos ainda precisa amadurecer para chegar próximo do movimento internacional.

O movimento brasileiro da Neurodiversidade ainda está só engatinhando.

Para todos lados: Vocês deveriam furar bolhas, não criar mais bolhas. Do resto, continuem dando mil tiros no pé e vindo pedir ajuda depois.

A informação fica presa de um lado. Tento ser o mais justo e fazer uma ponte, mesmo com o meu jeitinho encapetado de ser.

Não tirem qualquer conclusão sobre o que eu posto, especialmente se vocês tem algum grau de paranoia. Vão se decepcionar, ainda mais os que têm dificuldade de interpretar textos.

PS: Eu não devo satisfações a nenhum de vocês. E ainda assim, já dei centenas de avisos nos últimos meses. Tenho duas páginas: uma de autor e uma só sobre autismo, não há necessidade alguma de me adicionarem no perfil pessoal. Respeitem meu espaço e eu não vou ficar distribuindo patadas diariamente.
***

Ben, por que tu não divulgou tal coisa? Por que não ajuda com tal campanha? Por que você é TÃO TÃO TÃO Malvado e sem coração? Todo mundo te trata tão bem e você é grosso com todo mundo.

Toda história tem 3 lados, mas a do autismo tem quatro. Eu e alguns autistas somos o quarto lado.

Nossa, gente. Eu vou chorar a tarde inteira porque indicam várias pessoas, menos eu (contém ironia).

Assim como vou chorar porque creditaram várias pessoas sobre a campanha contra o MMS e 'se esqueceram de mim', sabendo que fiquei mais de um mês fazendo campanha contra VÁRIOS PSEUDOTRATAMENTOS (entre eles, o MMS) e tenho alertado desde que entrei no mundo do autismo e no meu período como moderador.

Inclusive, alguns me pediam ajuda durante várias semanas para lidar com trolls, mas só lembram de mim quando precisam.

Quem leu meu texto sobre o MMS, percebeu que creditei todos que eu sabia: Meri Sandra, autistas da Abraça, Amanda e os outros.

Dica: meu blog e página tem todas datas de postagens registradas. Mas fiquem tranquilos, que o que chega até mim, morre em mim. Se confiei nas pessoas erradas, foi por baixar a guarda para quem não me merecia.

Quem acompanha minha página, sabe que divulgo páginas de várias pessoas, independente de motivos pessoais. Meu foco é a causa, não pessoas. Não tenho justiça seletiva como muitos de vocês.

Fica aqui a reflexão, exercício de autocrítica e maturidade:

Não me importo de ser 'invisibilizado' por vocês, mas não venham cobrar ajuda para divulgar campanhas de vocês. Eu divulgo se tiver vontade. E divulgarei, pois não sou autocentrado. Sei deixar qualquer birra pessoal ao longo do caminho.

Podem tentar me ofuscar à vontade e/ou distorcer informações. A verdade e a justiça sempre prevalecem!

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Para ficar por dentro das minhas novidades:


Facebook: https://www.facebook.com/benoliveiraautor/

Twitter: https://twitter.com/Ben_Oliveira

Instagram: https://www.instagram.com/benoliveira/

YouTube: http://www.youtube.com/c/BlogdoBenOliveira

Comentários

  1. Obrigada por suas resenhas e sugestões de leitura.
    Descobri que sou aspie há 01 ano e é extremamente libertador. Eu já não ligava muito para o que é "socialmente aceitável" porém eu não me dava conta de mentiras sociais e de comunicação de duplo sentido e certas ironias, então passei boa parte dos meus 48 anos sendo usurpada e tenho relações abusivas, já dentro da família e naturalmente fora.
    Todos os dias tem sido uma luta para sobreviver em um mundo violento e classificador, que pede adjetivações para as pessoas. Mas, também, minha compreensão quanto aos limites dos demais também melhorou muito. Deixei de ser tão intolerante. Contudo convivef socialmente ainda tem sido um grande saco.. . Gosto muito de me aprofundar em assuntos diversos... Ah, é tão bom.... 💜

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anônimo. Obrigado pelo comentário. Em breve devo trazer mais indicações de leitura por aqui.

      É uma luta diária mesmo.

      Excluir
  2. Obrigada por compartilhar suas experiências. Confesso que até agora você foi uma pessoa que me identifiquei muito. Suas explicações, de forma tão clara me fez voltar ao meu passado e buscar coisas que até então, não tinha explicação para mim. Tenho um filho de 6 anos que recebeu o diagnóstico de autismo há 2 anos.
    Ben por favor, você poderia me indicar um psiquiatra em São Paulo que tenha esse olhar para o autista leve, com um diagnóstico quase "sútil" eu tenho muitas perguntas interiores e preciso de ajuda.
    Gratidão pelos seus textos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Edri. Na capital, já indicaram alguns. Não gosto de indicar ninguém, espero que entenda. A gente nunca sabe a experiência que a pessoa vai ter.

      De todo jeito, agradeço pelo comentário!

      Excluir
    2. Eu entendo sua opinião que não goste de indicar. Me indicaram 2 profissionais mas estou com receio, pois o custo da consulta é alto é tenho medo de me decepcionar (sei que corro o grande risco de isso acontecer.) Estou passando com uma psicóloga e ela não tem dúvidas nenhuma que estou no espectro, ela vai me ajudar a lidar com as situações do dia a dia que me causam muita ansiedade, enfim eu estou me conhecendo agora, na verdade eu me sinto bastante confusa, porque são muitas informações na minha mente. Na verdade minha mente não para.
      Obrigada Bem, continuo por aqui acompanhando seus textos.

      Excluir
    3. Pois é, Edri. Tem essa questão. Os valores não são muito baratos e muita gente acaba se decepcionando. A experiência que uma pessoa tem com um profissional, pode ser bem diferente do outro. Mesmo entre outros profissionais, às vezes, rola discordância na hora de dar diagnóstico. Nem todo mundo é especialista e/ou tem a mesma bagagem.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana