Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Adeus, Promessas – Kristin Halbrook

 O livro Adeus, Promessas (Every Last Promise)  é um recorte narrativo de como um grupo de amigas, suas vidas e relacionamentos podem se transformar completamente por causa do silenciamento sobre algo desolador e indefensável. A obra de Kristin Halbrook conta com tradução de Lavínia Fávero e foi publicada pela editora Plataforma 21 (V&R Editoras) , em 2016. Compre o livro Adeus, Promessas (Kristin Halbrook):  https://amzn.to/3os3Z7W Narrado em primeira pessoa por Kayla , o romance é contado em duas épocas: Primavera e Outono , que podem ser vistos tanto como períodos temporais, como metáforas de como a vida da protagonista mudou antes e após alguns incidentes marcantes, como a noite de um acidente que abalou a cidadezinha em que ela mora. Entre idas e vindas, o leitor é levado a descobrir gradualmente o envolvimento da protagonista no acidente, bem como as coisas que teriam acontecido antes e as consequências para o seu círculo social. Após um período morando em outra cidade co

Epidemia de Idiotice

Um brinde aos que não são *Covidiotas. Pessoas que negam a realidade por puro egoísmo e cometem crimes contra a saúde pública deveriam ser punidas.


Com tanta informação disponível, não dá para dizer que as pessoas não estão sendo avisadas. Como sempre acontece no Brasil, há os que preferem acreditar em informações falsas no Whatsapp do que em jornalistas e profissionais da área de saúde sérios do mundo inteiro.

Antigamente as pessoas tinham medo de lendas urbanas, como pessoas que saiam infectando as outras com seringas. Hoje em dia, elas se tornaram as próprias lendas. A idiotice é contagiosa.


*Aos que estavam com saudade dos significados das palavras. O termo Covidiota já está rodando pelo mundo. 
***
Muita gente acha que ele é insano, mas tem um termo mais acurado para aqueles que não sentem empatia e não se importam de prejudicar os outros. Por incrível que pareça, um dos cargos favoritos é o de político. Enquanto outro, é o de liderança religiosa.

Coincidência? Não. Qualquer pessoa com um conhecimento básico de psicologia e criminologia sabe muito bem o que nos aguarda.

Já se sabe que muitos desses não são clinicamente insanos, só cruéis e perversos. Fica dica.

Portanto, chamar uma pessoa assim de louca é só uma forma de tentar minimizar a responsabilidade dos seus atos. Calculistas e sádicos, alguns são incapazes de frear seus instintos violentos e sentem prazer na destruição, seja física ou psicológica.


Não diga que não foram avisados. Pessoas assim não podem ser 'curadas', pois não estão doentes, tampouco são loucas. Elas também não sentem vergonha ou remorso pelos seus atos.

Leia também:

Reflexão sobre Isolamento, Dinheiro e Vida 

Reflexão sobre tempos de pandemia no Brasil 

Tempo É Dinheiro



Sobre o autor:


Ben Oliveira é escritor, blogueiro, jornalista por formação e Asperger. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana