Pular para o conteúdo principal

Destaques

Documentário da Netflix aborda caso Elisa Lam e histórico mórbido do Cecil Hotel

Dependendo da sua idade e do quanto você é ligado às notícias e ao mundo online, é bem provável que você tenha ouvido falar sobre o caso da Elisa Lam , uma canadense descendente de chineses que  viajou para os Estados Unidos e morreu em um hotel de Los Angeles . O caso polêmico na época foi explorado na série documental Cena do Crime – Mistério e Morte no Hotel Cecil (Crime Scene: The Vanishing at the Cecil Hotel) , dirigido pelo norte-americano Joe Berlinger e distribuído pela Netflix , em 2021. Em quatro episódios, de forma linear, é contada a história de como Elisa Lam foi parar no Cecil Hotel e um pouco de sua personalidade no mundo digital e afinidade com o Tumblr. Importante mencionar que o documentário não traz entrevistas com os familiares de Elisa Lam. Se nem os próprios familiares conhecem a fundo uma pessoa, me pergunto por que há tantas pessoas aleatórias na internet e fãs de teorias da conspiração que se sentem no direito de dizer que algo poderia ou não ter acontecido. 

Epidemia de Idiotice

Um brinde aos que não são *Covidiotas. Pessoas que negam a realidade por puro egoísmo e cometem crimes contra a saúde pública deveriam ser punidas.


Com tanta informação disponível, não dá para dizer que as pessoas não estão sendo avisadas. Como sempre acontece no Brasil, há os que preferem acreditar em informações falsas no Whatsapp do que em jornalistas e profissionais da área de saúde sérios do mundo inteiro.

Antigamente as pessoas tinham medo de lendas urbanas, como pessoas que saiam infectando as outras com seringas. Hoje em dia, elas se tornaram as próprias lendas. A idiotice é contagiosa.


*Aos que estavam com saudade dos significados das palavras. O termo Covidiota já está rodando pelo mundo. 
***
Muita gente acha que ele é insano, mas tem um termo mais acurado para aqueles que não sentem empatia e não se importam de prejudicar os outros. Por incrível que pareça, um dos cargos favoritos é o de político. Enquanto outro, é o de liderança religiosa.

Coincidência? Não. Qualquer pessoa com um conhecimento básico de psicologia e criminologia sabe muito bem o que nos aguarda.

Já se sabe que muitos desses não são clinicamente insanos, só cruéis e perversos. Fica dica.

Portanto, chamar uma pessoa assim de louca é só uma forma de tentar minimizar a responsabilidade dos seus atos. Calculistas e sádicos, alguns são incapazes de frear seus instintos violentos e sentem prazer na destruição, seja física ou psicológica.


Não diga que não foram avisados. Pessoas assim não podem ser 'curadas', pois não estão doentes, tampouco são loucas. Elas também não sentem vergonha ou remorso pelos seus atos.

Leia também:

Reflexão sobre Isolamento, Dinheiro e Vida 

Reflexão sobre tempos de pandemia no Brasil 

Tempo É Dinheiro



Sobre o autor:


Ben Oliveira é escritor, blogueiro, jornalista por formação e Asperger. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana