Pular para o conteúdo principal

Destaques

Garota Exemplar: 5 Trechos do Livro escrito por Gillian Flynn

Garota Exemplar .JPG

Alguns dos meus trechos favoritos do livro Garota Exemplar, da Gillian Flynn:
“Não quero ser mais um exemplo de menina, porque não adianta agradar o mundo todo e eu mesma ficar infeliz”
“Ser a Garota Legal significa que sou uma mulher gostosa, brilhante, divertida, que adora futebol, pôquer, piadas indecentes e arrotos, que joga vídeo game, bebe cerveja barata, adora ménage à trois e sexo anal… Garotas Legais são acima de tudo gostosas. Gostosas e compreensivas. Garotas Legais nunca ficam com raiva. Apenas sorriem de uma forma desapontada e amorosa e deixam seus homens fazerem o que quiserem. Vá em frente, me sacaneie, não ligo, sou a Garota Legal”
“Então isso tinha que parar. Ser comprometida com Nick, me sentir segura com Nick, ser feliz com Nick, me fez perceber que tinha uma verdadeira Amy aqui, e ela era muito melhor, muito mais interessante, complicada e desafiadora que a Amy legal. Nick queria a Amy legal de qualquer jeito. Você consegue imaginar? Finalmente mo…

Desfoda-se Parte 2: Não seja tolerante com Jair Bolsonaro e seus eleitores | Ben Oliveira

Desfoda-se Parte 2. Algumas reflexões para este domingo de quarentena. Como muitos yogis e bruxos, minhas vivências e espiritualidade fazem parte da minha jornada. Religião e espiritualidade sem ciência é fanatismo, mas a ciência sem espiritualidade também pode ser problemática.


Leia também: Reflexão: Desfoda-se | Ben Oliveira

Como bolsominions no café da manhã: o problema é a indigestão que vem depois.


Desde criança, tive que aprender a lidar com minhas emoções. Minha mãe sempre foi minha grande incentivadora da busca pelo autoconhecimento. A vida é engraçada, penso, quando segui o caminho da Bruxaria, minha mãe tinha medo e preconceito, hoje ela perdeu muitas amarras, ainda bem. Já sobre o yoga, eu cansei de ouvi-la pedindo a mim e aos meus irmãos para fazer yoga e terapia. Até que acabei me tornando tudo aquilo que ela sempre me incentivou a ser.

Para quem não me conhece, prazer, meu nome é Ben Oliveira, tenho 30 anos, estou no espectro autista (Asperger), sou escritor, artista de nascença (?), jornalista por formação e produtor de conteúdo. Neste domingo, é mais um dia sem dormir direito.

Acordei 5h e não consegui dormir, não porque esteja com alguma problema ou euforia, mas pela ansiedade do Impeachment e todo estresse da semana, como pai e cachorro doentes.

Acordei hoje chorando, jorrando lágrimas. O verdadeiro poder do yoga é esse: deixar as coisas fluírem; não ficar fazendo postura como leigos acham.

O que eu queria dizer é que sou alguém sem raízes externas, mas muitas internas, como muitas plantas, capaz de se nutrir nos dias de frio e sol, de chuva ou seca. Como diria a Kerli em Blossom: “Aprendi a florescer, encontrando luz solar no cinza”.

Nestes períodos de Pandemia de Coronavírus e Quarentena, há muita gente confusa: alguns por ingenuidade e lavagem cerebral e outros confundindo intencionalmente os outros por maldade. Como alguém que ama a Mulher-Maravilha desde pequeno, sou guiado pelo amor, pela justiça e pela verdade.

Ao longo desses anos e cada dia que passa, meu caminho espiritual, mas também psicológico se fortalecem. Aqui vão algumas reflexões que aprendi sozinho e/ou incentivados pela minha mãe. Minha mãe pode não ser perfeita ao mundo, e temos muitos conflitos de pensamentos, como qualquer relacionamento, mas no geral, quem olha para mim ou para ela, logo reconhece nossa ligação.

Confira 5 Reflexões minhas sobre saúde emocional para a quarentena:


1) Está tudo bem não estar tudo bem. 


Não tenha medo de chorar, de sentir, de gritar, de respirar, de ser, de viver. Muita gente aprendeu a reprimir as emoções desde a infância e acaba desenvolvendo transtornos de personalidade e transtornos mentais ao longo da vida.

Estamos em um período de exceção... Ninguém precisa fingir que é o super-homem. Está tudo bem quebrar e se reconsertar quantas vezes forem necessárias.

2) O olhar dos outros diz mais sobre eles do que sobre você mesmo. 


Você não precisa absorver os dramas dos outros. Desde que fui atrás do meu diagnóstico de autismo, lidei com várias situações desagradáveis. Desde os 18 anos, época em que havia morado em outra cidade, eu aprendi a ir atrás das coisas que amo, desejo e sinto...

Mas não se engane achando que todos são assim. Muitas pessoas têm um medo quase que patológico de desagradar aos outros e seus familiares. Já escutei baboseiras desde que autistas não tem relacionamentos (puro recalque de não-autistas que não conseguem manter relacionamentos saudáveis) até de sugestões de que seria difícil conviver comigo, como se eu dependesse do meu namorado financeiramente ou emocionalmente: não poderiam estar mais errados. Mas não vou me aprofundar nisso.

Só vou dizer o que sempre disse a todos meus relacionamentos, nunca precisei de homem para nada, nunca vou precisar. Relacionamento, para mim, é companheirismo. Quem se prende aos outros pelo medo de ficar sozinho tem que desenvolver um relacionamento sério com Terapeutas. Você só pode ser amado e ser feliz, se antes se amar e buscar a felicidade de dentro para fora, não o oposto.

3) Muitos artistas e profissionais aprenderam a lidar com a rejeição. 


Engana-se quem acha que ser escritor, artista, jornalista, produtor de conteúdo (insira alguma profissão desvalorizada) é fácil. O seu maior estímulo deve vir de você mesmo. Os outros nunca vão pegar sua mão e escrever o livro para você, fazer a arte que precisa e por aí vai.

Muitos vão julgar, poucos vão entender, mas como diria Paulo Coelho, é a sua jornada, não a deles e você não precisa se justificar. Cada um que arque com suas escolhas e consequências.

4) Fraco desenvolvimento espiritual e psicológico 


Muitas pessoas estão, literalmente, surtando nesta quarentena e projetando nos outros os seus problemas de autoconfiança, ignorância e falta de amor próprio. Muitas dessas pessoas não conseguem ser felizes em suas próprias companhias e hipervalorizam dinheiro e trabalho, como se fosse melhor do que uma vida equilibrada e feliz.

A vida deve vir antes do dinheiro, não o contrário. Crises financeiras vem e vão, mas o caixão só vai e não volta. Fica dica.

5) Não tenha medo de questionar suas crenças


Investigar porque você é do jeito que é, quais são suas influências, o que você gostaria de mudar e o que não pode ser mudado. Identificação, empatia e valores positivos. O que é bom sempre pode ser melhorado, mas o que não é bom, deve, sim, ser transformado. Aprenda a transformar coisas quebradas e feias em coisas completas e bonitas.

Muitas pessoas relutam em aceitar as verdades, em buscar apoio profissional e por aí vai. Esse é um problema delas. Sim, existem transtornos que afetam a percepção do mundo, mas isso não significa que você precisa tolerar o intolerável.

Desde que entrei no mundo autista, percebi o quanto é um comunidade extremamente tóxica, assim como outras. E não falo tóxica de forma banalizada, falo de forma real: muitas pessoas que fazem merda e são ignorantes e usam seus transtornos para justificar.

Uma sociedade sem responsabilidade e autorresponsabilidade não é sólida e desaba a qualquer segundo. O Brasil nesses meses é um ótimo exemplo.


Elegeram um Porco esperando que ele desse Pérolas. 

O orgulho, o egoísmo e as cegueiras política e religiosa são tantas, que as pessoas não admitem que erraram de jeito nenhum, mesmo sabendo que Jair Bolsonaro é um homem com características de psicopatas, sem empatia, sem remorso e completamente manipulador.

Ninguém vai te perdoar, se você não se perdoar antes. Ninguém é obrigado a tolerar pessoas que defendem um político que incentiva a violência, caos, preconceitos, homofobia, racismo e por aí vai. Fez a cama, agora deita nela... Mas não se esqueça que só você pode ajeitar a própria cama e ninguém vai arrumá-la por você.

Ter empatia com os outros, antes passa pela empatia por si mesmo. É sintomática essa questão: muitos dos eleitores do Bolsonaro são como espelhos quebrados dele, em menores ou maiores tamanhos.

Peça perdão e se cuide, mas não fique esperando o perdão de graça nem a mudança instantânea sem ação.

Essas são minhas reflexões para este mês de quarentena. Desfoda-se. Seja ferrado, depois se desferre novamente. A vida é um eterno costurar de retalhos. Às vezes, esse retalho pode virar máscara e salvar vidas ou pode ser esquecido e parar no lixo.

Vindo de alguém que teve problemas de ansiedade, pânico e depressão por causa de Jair Bolsonaro (BolsonaroVírus), não espere um pingo de compreensão ou aceitação por eleger esse homem.

A empatia pelos outros antes passa pelo amor próprio. E como alguém que representa tudo o que ele despreza, a recíproca é verdadeira: pode ser que eu despreze grande parte dos eleitores de BolsonaroVírus.

Você não precisa ser super-homem ou mulher-maravilha; se você não é psicólogo, psiquiatra, neurologista e/ou líder religioso, não há razão alguma para se prender e se manter ao lado de pessoas tóxicas e eleitores do Bolsonaro. Refletir ainda é de graça e ainda vivemos em uma democracia.

Como alguém no espectro autista, que não tolera mentiras, não espere que eu vá mentir só para te agradar. O momento de quarentena pede lucidez, não autodestruição e suicídio coletivo.

Aqueles que não votaram em Bolsonaro e não foram infectados pelo BolsonaroVírus não precisam tolerar intolerantes.

Acredito, sim, no poder da mudança, mas sem vontade própria, ninguém muda. A criança que você foi se orgulho de quem você se tornou?


Sobre o autor – Ben Oliveira foi diagnosticado autista (Síndrome de Asperger) aos 29 anos, é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.


“Antigamente, eu queria salvar o mundo, este belo lugar. Mas quanto mais perto chega, mais você vê a grande escuridão nele”  Mulher-Maravilha ⭐🌠



Assista aos vídeos publicados neste sábado no meu canal do YouTube:













Comentários

Mais lidas da semana