Pular para o conteúdo principal

Destaques

Lovestruck In The City: Série sul-coreana explora as emoções e fases dos relacionamentos amorosos

Diferente de muitos doramas coreanos que são mais longos, Lovestruck In The City tem um ritmo mais ágil e leva o telespectador para os encontros e desencontros de três casais que fazem parte do mesmo círculo social, em uma linguagem mais interativa, na qual os personagens contam suas próprias versões em frente às câmeras. A série de 2020 está disponível na Netflix . Para quem não tem muito contato com o universo dos dramas coreanos, a série dirigida por Park Shin-woo é uma boa opção, já que os episódios são curtos em relação ao formato tradicional e trazem o desenvolvimento dos relacionamentos desde os primeiros episódios – fugindo um pouco do padrão no qual o telespectador tem que assistir até o final para ver os personagens se declarando e sofrendo silenciosamente. Outro diferencial em relação a muitas produções coreanas é que os atores se beijam mais e o roteiro aborda assuntos que ainda são tratados como tabus por muitas séries da Coreia do Sul, como o sexo. Porém, embora se apro

Isolamento: Distorções Cognitivas, Falta de Diagnósticos e Questões Coletivas

Meu sonho: sair avaliando todo mundo do Brasil que está sem diagnóstico:

Aspergers sem diagnóstico, TDAH, pessoas com transtornos de aprendizagem, problemas cognitivos, transtornos de ansiedade, TOC, depressão, borderline e por aí vai.


Milhares de pessoas que não entendem seus próprios comportamentos e como seus cérebros funcionam.

A falta de diagnóstico significa a falta de compreensão de muitas coisas, inclusive problemas sociais, políticos e pessoais. Quem não conhece a si mesmo, não conhece e nunca vai conhecer o outro.

Ajudaria a reduzir e bastante as distorções cognitivas e caos social, como de pessoas que não conseguem entender coisas simples como ficar em casa em tempos de pandemia. Muitas pessoas passaram a vida inteira sem seus diagnósticos.

Agora, o coletivo vai pagar o preço do individual.

Esses diagnósticos tinham que acontecer desde a infância, nas escolas, mas no Brasil as pessoas acham que educação e saúde mental não deve andar de mãos dadas. É vergonhoso.

Por mais pessoas responsáveis e conscientes de si mesmas e dos outros.
***
O momento não pede negação, mas sensatez. Tá tudo bem errar (mesmo quando te avisam). Pessoas que votaram no Biroliro deveriam perceber o perigo que ele se tornou para si mesmo e para a sociedade, não continuar fingindo que não vê as merdas que ele faz. Falamos de saúde coletiva.

Minha leitura da vez é Harry Potter e o Mistério do Impeachment.



Sobre o autor – Ben Oliveira foi diagnosticado autista (Síndrome de Asperger) aos 29 anos, é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Para ficar por dentro das minhas novidades:

Comentários

Mais lidas da semana