Pular para o conteúdo principal

Destaques

Documentário da Netflix aborda caso Elisa Lam e histórico mórbido do Cecil Hotel

Dependendo da sua idade e do quanto você é ligado às notícias e ao mundo online, é bem provável que você tenha ouvido falar sobre o caso da Elisa Lam , uma canadense descendente de chineses que  viajou para os Estados Unidos e morreu em um hotel de Los Angeles . O caso polêmico na época foi explorado na série documental Cena do Crime – Mistério e Morte no Hotel Cecil (Crime Scene: The Vanishing at the Cecil Hotel) , dirigido pelo norte-americano Joe Berlinger e distribuído pela Netflix , em 2021. Em quatro episódios, de forma linear, é contada a história de como Elisa Lam foi parar no Cecil Hotel e um pouco de sua personalidade no mundo digital e afinidade com o Tumblr. Importante mencionar que o documentário não traz entrevistas com os familiares de Elisa Lam. Se nem os próprios familiares conhecem a fundo uma pessoa, me pergunto por que há tantas pessoas aleatórias na internet e fãs de teorias da conspiração que se sentem no direito de dizer que algo poderia ou não ter acontecido. 

Quarentena: Iscas venenosas e a arte como salvação

Não custa repetir: não mordam as iscas de Bolsonaro e seus eleitores. Apesar de burro, tudo o que ele faz é planejado. Seus eleitores também são boçais, mas gostam do caos coletivo. Algumas pessoas nasceram ruins: essa é a verdade.


Na foto, a cara de quem não dorme bem há dias por causa desse DesGoverno e não vê a hora desse pesadelo acabar.

Em momentos assim, seja de DesGoverno ou de Quarentena, espero que as pessoas reflitam sobre a importância da arte em suas vidas. Já parou para pensar como seria insuportável passar por tudo isso sem música, ilustrações, livros, filmes, séries e por aí vai...?

Que sirva de exemplo para que as pessoas valorizem mais artistas. Apesar de dinheiro ser bom e gostarmos, muitos de nós somos movidos por nossos sonhos e a esperança.

Seja sútil ou com intensidade, a arte é capaz de fazer o coração bater mais forte, soprar ar para dentro dos pulmões e varrer as cinzas das vidas passadas e nos encher de esperança de que, não importa quão difícil uma situação pareça, precisamos manter a esperança de que dias melhores virão e de que o que nos torna humanos pode ser nossa salvação.

Fica o lembrete: não hesite em elogiar seus artistas favoritos. Muitos deles sacrificam muitas coisas em suas jornadas para seguir seus corações e fazerem aquilo que movem seus espíritos.

Não há prova maior de amor do que essa e a energia criativa acaba circulando entre criador, criatura, artista, arte, público, sociedade, oxigenando e nutrindo nossas almas. Pequenos gestos podem levar a grandes transformações.

Muitas vezes, a falta de incentivo e forças de seguir em frente, faz muitos desistirem dessa jornada.

Há sempre aqueles artistas que o farão acreditar no poder dos sonhos. Como Medusa, ao encará-los, cuidado para não se transformar em pedra: seja o poder de transformar lata em ouro ou proporcionar grandes encontros em pequenos momentos, há aqueles que mergulham tanto na jornada artística que o público já não consegue distinguir: arte, artista e musa se fundem.

Você já elogiou um artista hoje? 🎨🌺😍



Leia também: Indicações de Livros para Ler e Refletir nos dias de isolamento

Sobre o autor – Ben Oliveira foi diagnosticado autista (Síndrome de Asperger) aos 29 anos, é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.



Para ficar por dentro das minhas novidades:

YouTube: http://www.youtube.com/c/BlogdoBenOliveira

Instagram: https://www.instagram.com/benoliveira/ 

TikTok: https://www.tiktok.com/@benoliveira1

Comentários

Mais lidas da semana