Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jornalismo e Ativismo Social: Uma Tríade Maquiavélica, Subjetiva e Tosca – Ben Oliveira

Uma coisa que precisa ser dita sobre Ciências Humanas e Criminologia . Vocês distorcem quase tudo com subjetividade. Nem todo assassinato de LGBTQ é LGBTQFOBIA , racismo etc etc. Estudem mais e passem menos vergonha na internet por ativismo burro.  Já falei e repito: quem define a motivação do crime é o assassino. Quem descobre? Quem está investigando. Não é a 'opinião' da sociedade nem todos mimimis que muita gente leva nas costas, como se fosse a vida deles, e sempre sofrem, sofrem e sofrem. Iluminação significa enxergar as coisas com clareza. Equilibrar ciência e magia, yin-yang, wicca e yoga. Mas muitos de vocês não estão e nunca estarão prontos para essa conversa. É triste? Mas real.  Se for para fazer ativismo burro é melhor não fazer, pois presta desserviço à sociedade e pânico desnecessário. Para quem é jornalista, responsabilidade SEMPRE. Vida profissional e vida pessoal, identidade pessoal e coletiva, justiça pessoal e coletiva, coisas completamente diferentes. Eu po

Salem e Bruxaria: Entre os bruxos tradicionais e os iniciantes imaturos – Ben Oliveira

Fé nas bruxas surtadas que não nasceram com Sangue de Barata e não deixam ninguém pisar nelas.

Hoje algumas pessoas vão ter uma surpresa deliciosa. Digamos, um episódio especial. Tenho ficado na luz, mas sempre sou tentado pela escuridão. Quando me incomodam muito, os demônios me tentam e hoje, quem vai tentar eles, sou eu.

Bruxas não podem ser controladas pelo próprio Lúcifer

Agora, sobre as biscatinhas bruxas inexperientes filhas de Hekate. Vocês que o único poder são ervas e plantas, eu avisei mil vezes para não provocar um filho de Lilith.

Espero que rezem bem e usem suas plantinhas de floricultura para proteção. Porque eu nunca pego leve com ninguém, independente da religião. 

Relaxa. Vamos nos divertir duas vezes. Uma no terreno espiritual e mágico, outro no da justiça com um processinho bem gostoso. Comecem a quebrar os porquinhos de você ou pedir esmola na rua, pois esta bruxa nunca brinca quando se trata de vingança.

O número 13 hoje parece perfeito. 13 demônios, 13 deusas, 13 deuses, todos relacionados à vingança. 

Para os medrosos, só me vingo de quem me fode. E, acredite, aos que me foderam, é bom ter medo mesmo. Porque, bitch, vocês vão ver a diferença de um bruxo que cresceu estudando bruxaria de bruxinhos de internet: sem intuição, sem presságio, sem viagem astral, sem telepatia, sem tarot, sem tudo. São o básico do básico e coisas básicas, burras e patéticas me dão sono. 

Aos que compartilharam minha foto de cueca e me chamaram de esquizofrênico, fiquem tranquilos. Esta bruxa não brinca em serviço e já solicitou declarações médicas, já está caçando advogado, organizando boletins de ocorrência e vai mostrar porque ama tanto Jessica Jones, Fênix Negra, Malévola e Emily Thorne de Revenge.

Já tive duas vinganças perfeitas contra ex malucos, mas dizem que o número 3 é mágico, né?

Bruxinhas burrinhas que não acreditam em reencarnação, poderes ou na existência de Lilith, minha deusa, merecem uma vida longe da bruxaria. Virem ateus ou cristãos, pois vocês envergonham bruxos sérios. 

Spoiler: Ao longo da vida, já fiquei possuído mais de três vezes. Embora odeie demônios, hoje vou usar com gosto.

Este é meu TED Talks versão Mágica.

***

Trecho do meu livro O Círculo (Os Bruxos de São Cipriano): 

“Às vezes, não podemos derrotar nossos demônios, mas se pararmos de enxergá-los como inimigos e aceitarmos que até mesmo na luz há trevas, eles deixam de nos incomodar” – Ben Oliveira

***

Hoje esta bruxinha estará ocupada com magia intensa e pesada de vingança. Invocar deuses e deusas te drena completamente, se você incluir espíritos e demônios, então.

Aos carentes, o aviso de sempre. Não curto gente carente. Arranjem um boneco ou terapeuta para conversar com vocês, pois essa bitch está sempre ocupada. 

“Eu não sou seu inimigo, mas me torne um e você sentirá minha fúria” – Mary Sibley, Salem

Leia também:

Resenha: Legião – William Peter Blatty 

Radicalismo político e fanatismo religioso são destaques da 7ª temporada de American Horror Story 

Resenha: A Hora do Pesadelo – Thommy Hutson 

Resenha: Mindhunter – John Douglas e Mark Olshaker  

Resenha: Corpos Ocultos – Caroline Kepnes 

The Society: Série da Netflix apresenta mistério, conflitos sociais e a fragilidade da estrutura de poder 

Resenha: De Frente Com o Serial Killer – John Douglas e Mark Olshaker   

Mindhunter Profile: Livro explora história de agente do FBI que criou o termo Serial Killer 

O Fenômeno Gaslighting: Manipulação e Distorção da Realidade como Estratégia Política 

Livro sobre assassinos, serial killers e psicopatas que caçaram vítimas na internet

Criminologia: Quando Perturbados Não Conhecem Seu Histórico – Ben Oliveira 

Criminologia – Scream Queen: Dicas Rápidas Para Encontros com Possíveis Narcisistas, Psicopatas e Maquiavélicos 

Resenha: Inteligência Social – Daniel Goleman 

The Tinder Swindler: Documentário da Netflix sobre golpista que manipulou mulheres de vários países 

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo e bruxo há 25 anos. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.


Comentários