Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jornalismo e Ativismo Social: Uma Tríade Maquiavélica, Subjetiva e Tosca – Ben Oliveira

Uma coisa que precisa ser dita sobre Ciências Humanas e Criminologia . Vocês distorcem quase tudo com subjetividade. Nem todo assassinato de LGBTQ é LGBTQFOBIA , racismo etc etc. Estudem mais e passem menos vergonha na internet por ativismo burro.  Já falei e repito: quem define a motivação do crime é o assassino. Quem descobre? Quem está investigando. Não é a 'opinião' da sociedade nem todos mimimis que muita gente leva nas costas, como se fosse a vida deles, e sempre sofrem, sofrem e sofrem. Iluminação significa enxergar as coisas com clareza. Equilibrar ciência e magia, yin-yang, wicca e yoga. Mas muitos de vocês não estão e nunca estarão prontos para essa conversa. É triste? Mas real.  Se for para fazer ativismo burro é melhor não fazer, pois presta desserviço à sociedade e pânico desnecessário. Para quem é jornalista, responsabilidade SEMPRE. Vida profissional e vida pessoal, identidade pessoal e coletiva, justiça pessoal e coletiva, coisas completamente diferentes. Eu po

Wicca: Vida de Sacerdotes e Sacerdotisas de Litlith, amor, paixão, poder e renascimento – Ben Oliveira

Então, vocês querem saber como é a vida de um Sacerdote/Sacerdotisa de Lilith. Eu conto.



A gente nunca passa fome na paixão e amor. As pessoas nem nos conhecem e nos pedem em namoro e casamento.

E quando esta Sabrina Spellman tromba com algum homem aleatoriamente, eles tremem. Alguns gaguejam, ficam todo atrapalhados e fazem uma bagunça.

Sem falar que se tiver mais de um homem te querendo no mesmo lugar, as coisas ficam feias: o lado macho Alpha fala alto entre eles.

No amor, você não tem um segundo de paz. Nunca namorei alguém que me deixasse livre. Todos sentem ciúmes, mesmo sem fazer nada.

Meu ex Psicopata me beliscava sempre que um homem olhava pra mim e dizia que a culpa era minha. Risos. Que culpa eu tenho de ser um bruxo livre? Ele chegou a parar de trabalhar só para eu não ficar sozinho em casa e na época de MSN, ele instalava espião no meu computador, mas como já fui hacker, sempre desinstalava.

Ele sempre prometia que ia parar.

Spoiler: Ele nunca parava.

Eu não podia ir para a Padaria sozinho, sem ele fazer minha vida um pandemônio.

Eu dormia com o inimigo e as vezes sonhava que a única forma de fugir dele seria se eu matasse ele.

Quando finalmente me libertei e descobri que fui só uma das vítimas, tinham tantas outras, eu tive pesadelos durante três anos e fiquei todo esse tempo sem namorar.

Eu sonhava que tinha voltado com ele e falava: mas não é possível, a gente já terminou. Meus sonhos são lúcidos.

Resumindo a missa: uma vez que um Psicopata entra na sua vida, ele fica sempre na sua mente. Ficamos raivosos sempre que temos gatilho. O primeiro instinto é fazer a mala e fugir pro mais longe possível sempre que outro se aproxima. E, acredite, depois do primeiro, a roda não para de girar, vem um atrás do outro. Psicopata, narcisista, Maquiavélico, stalker etc.

Por isso ressalto a importância de denúncia formal e informal. Para que outras pessoas não passem pelo mesmo. Eles nunca param na primeira vítima. Até a prisão, é uma vítima atrás da outra.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo e bruxo há 25 anos. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Leia também: 

Tarot para Virgem no Mercúrio Retrógado: Pessoas cortadas dos signos de Ar e Fogo no período

Twin Flames: Das escolhas quando o juramento de amor e proteção se torna tóxico 

Resenha: O Tarô da Deusa Tríplice – Isha Lerner 

Twin Flames – Nikki Rowe 

Dica de livro: O Tarô de Marselha Revelado 

Twin Flames: Chamas gêmeas devoradas pelo ouroboros – Ben Oliveira 

6 Quotes de Penny Dreadful: Vanessa Ives 

6 Conselhos para Bruxos Iniciantes – Ben Oliveira 

Comentários