Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Mesa Redonda: Espaço de pesquisa/arte

No dia 15 de abril, após o espetáculo “Intenso” aconteceu uma mesa redonda com o tema: “Espaço de pesquisa – Espaço de arte: um fluxo de idéias”, com a presença de Patrícia Leal, Yan Chaparro, Marcelo Victor da Rosa e Fernandes Ferreira de Souza, mediado por Denise Parra.

Patrícia Leal, Yan Chaparro, Denise Parra, Fernandes Ferreira, Marcelo Rosa

Patrícia Leal

Denise (coordenadora de pós-graduação em dança da UCDB )convidou a artista Patrícia Leal (docente da UFBA) para começar a mesa redonda. Patrícia explicou sobre os outros dois espetáculos de sua autoria que foram desenvolvidos no seu doutorado no Instituto de Artes da Unicamp, baseados na mesma linha de pesquisa do espetáculo “Intenso”. Cada espetáculo utiliza um tipo de bebida diferente, sendo um relacionado ao café e o outro relacionado ao chocolate.

Perguntada se "Intenso" tinha alguma ligação com a escritora Clarice Lispector, pois em suas obras os personagens tem epifanias. Patrícia respondeu que não, mas que é uma grande fã da escritora e que acha incrível como as pessoas criam teorias a respeito dos seus espetáculos, sentindo-se lisonjeada com o comentário.

Fernandes Ferreira

Fernandes Ferreira de Souza é coordenador do curso de artes cênicas e dança da UEMS. Formado em letras, especializado em teatro shakesperiano na Inglaterra e mestrado em literatura dramática na UEL.

O curso de artes cênicas e dança da UEMS é recente em Campo Grande, sendo esta a primeira turma, com 50 alunos matriculados. Ele conta que destes alunos, mais da metade são envolvidos com a dança.

O mestre explicou a relação da dança com o sacro e profano, o dualismo entre espírito e sensação (corpo), o que fez com que a dança fosse banida, “diabolizada”. A condenação da dança na idade média, por exemplo, as mulheres que dançavam eram consideradas feiticeiras. Fernandes comentou que nos dias de hoje, a dança está sendo reincorporada nas igrejas/templos, talvez um dos motivos seja atrair um público jovem e questiona o baixo número de pesquisas para explicar este fenômeno.

Marcelo Rosa

Representando o curso de educação física da UFMS estava Marcelo Victor da Rosa, trabalha com dança de salão. O professor de dança começou explicando a relação da educação física entre fazer pesquisa (ciência) e fazer arte (dança).

“A educação física faz pesquisa através do olhar do movimento humano”, após analisar o número de pesquisas realizadas pelos acadêmicos da universidade, constatou que quando algum professor está relacionado à dança, os alunos começam a realizar mais pesquisas nesta área.

A dança vista cientificamente trabalharia com pesquisas, tentando descobrir a ação e reação, já como arte, ela é trabalhada através das sensações e percepções (consciente/inconsciente).

Yan Chaparro

Psicólogo e mestre em desenvolvimento local pela UCDB, intérprete e criador de dança contemporânea, também aventura-se na literatura e artes visuais. Yan falou de sua dissertação que foi sobre estudos culturais e trabalhado através de micronarrativas.

Comentários

  1. Mais uma vez parabéns!
    Certamente a cultura e a arte de MS agradecem sua iniciativa...
    Ben Oliveira - TUDO QUE VOCÊ PRECISA -

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana