Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Palestrantes abordam redações multimídia

Nesta sexta-feira (19) aconteceu em Campo Grande (MS) o 2º Seminário de Ciberjornalismo de Mato Grosso do Sul. O evento organizado pelo Grupo de Pesquisa em Ciberjornalismo da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul aconteceu no auditório V da Universidade Anhanguera-Uniderp e teve como tema: “A convergência das redações na era da internet”.

No primeiro dia do seminário aconteceram duas videoconferências sobre a convergência das redações. O doutor e professor de jornalismo da University of Texas at Austin, Rosental Calmon Alves, foi o primeiro a abordar as redações multimídia e o novo ecossistema da mídia.

Alves explicou que os estudantes de jornalismo têm o desafio de criar algo novo. Sobre as redações online, ele diz sobre a tendência da convergência, “Não conheço nenhum jornal que tenha mais leitores do jornal impresso do que do jornal online”.

O pesquisador e professor da UFSC Elias Machado argumentou sobre a complexidade do tema e ressaltou que não se deve ver a convergência por somente um dos processos. Para ele, as redações devem se adequar a estes processos, visto que o “fenômeno é planetário”.

“Um projeto elaborado para uma cidade deveria ser diferente para o de outra cidade”, fala o pesquisador sobre a importância da estruturação personalizada das redações e da adaptação dos profissionais que nelas trabalham.

Comentários

Mais lidas da semana