Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Palestra com o jornalista e publicitário Marcelo Siqueira


Marcelo Siqueira na palestra com alunos de Comunicação Social
da UCDB
Foto: Ben Oliveira

Nesta terça-feira (3), às 9h30, aconteceu na Universidade Católica Dom Bosco, de Campo Grande (MS), uma palestra com o jornalista e publicitário Marcelo Siqueira. Convidado pelo coordenador de curso de jornalismo da UCDB Oswaldo Ribeiro, Siqueira falou com os alunos de comunicação social sobre o tema: "Jornalismo, entretenimento e publicidade: Por que não de mãos dadas?".

Formado em Publicidade e Propaganda pela UCDB, o jornalista contou sobre sua participação no primeiro jornal feito pelos alunos da UCDB, conhecido como "Língua Preta", sobre a inauguração da TV UCDB e sobre a 1ª homepage do curso criada. Marcelo Siqueira trabalha na RBS TV de Santa Catarina, em Florianópolis (SC), no Jornal do Almoço, um dos programas com maior share televisivo do Brasil. Com a internet, o programa vem perdendo audiência, e com idéias criativas, como as que você confere a seguir, pode-se reconquistar os telespectadores.

Marcelo Siqueira diz que temos o poder de criar e fazer as pessoas ter necessidades, uma das habilidades dos comunicadores. Para reforçar a importância de uma ação integrada entre jornalismo, entretenimento e publicidade, Siqueira citou alguns projetos que deram certo.

Quando deu a idéia do concurso "Esse terminal é uma passarela", em que o objetivo era escolher a 'Musa do Terminal' de Florianópolis (SC), o jornalista conta que na época não foi levado a sério e que muitos diziam que os telespectadores não aprovariam a proposta. Após o projeto ser confirmado, o sucesso foi tanto que durante duas semanas 700 garotas se inscreveram para participar e a ganhadora do concurso recebeu várias propostas, inclusive a de posar para a Playboy. "Foi uma idéia maluca que deu certo", conta. Além de falar sobre o concurso e suas participantes, por meio do jornalismo, o jornalista mostrou os problemas que a população enfrentavam nos terminais de ônibus.

"Temos que parar com essa mania de ser pequeno", argumenta. Siqueira conta que foi para Florianópolis (SC) por causa de sua ex-banda, porém as coisas não aconteceram do jeito que esperava. Após o fim da banda, ele entregou currículos na área de jornalismo e quando recebeu uma proposta que não o agradava este recusou. "Às vezes um não que você dá, pode abrir pontas", lembra. Depois de algum tempo, o jornalista conseguiu uma vaga na RBS TV de SC, onde trabalha até hoje. Marcelo Siquiera explica que é necessário acreditar no próprio potencial, e que é bom trabalhar em uma empresa onde reconhecem o seu talento e a população reconhece o seu trabalho. "Não adianta você ter idéias boas, se você não tem um chefe bom, de cabeça aberta e que vá entender usas idéias", justifica.

Comentários

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana