Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

O Amor e os Contos de Fadas


Nem todos os contos de fadas têm finais felizes. Depende do final de quem você está analisando. Se pudéssemos escolher entre ser a princesa que se casou com o príncipe no final ou ser a bruxa malvada, poucos escolheriam a segunda opção. Todavia, como tudo na vida, nem sempre temos direito à escolha.

Toda princesa já se transformou em bruxa malvada um dia, mas nem toda bruxa conseguiu virar ou voltar a ser princesa. Talvez o processo seja irreversível, ou se existisse algum psicanalista dentro dos contos de fadas, este levaria uma eternidade para encontrar uma maneira de transformar o coração de pedra de uma bruxa amarga em um coração vivo novamente. Tal qual o menino Pinóquio desejou ser um garoto de verdade um dia, existem aqueles que anseiam durante a sua vida toda por um final feliz.

Cinderella não se lembra exatamente quando foi que aconteceu, mas sabia que nunca mais seria a mesma. Enquanto algumas pessoas mudavam para melhor e se fortaleciam diante dos problemas e situações da vida, ela se via cada vez mais enfraquecida e cética. Talvez seu príncipe tivesse se perdido no caminho, talvez nunca tivesse existido. Tudo o que restavam eram muitas indagações e poucas respostas.

"Por que eu preciso de um príncipe para ser feliz?", Cinderella fazia a pergunta toda vez que se sentia sozinha. O amor ou a falta dele muda as pessoas. Todas as vezes em que ela observava como a bruxa maltratava todos os que cruzavam o seu caminho não conseguia entender o por quê de tanta amargura. Cinderella pensou desta maneira até o dia em que ela própria começou a passar pela mesma transformação da bruxa.

Depois de conhecer muitos sapos pelo caminho e o pior de tudo, se interessado por alguns deles, Cinderella chegou a pensar que algum deles poderia ser o seu príncipe, mas no final, todos a decepcionaram. A tristeza de cada decepção cresceu tanto que sufocou o que restava de esperança dentro dela. Então, a bruxa que ela julgava ser uma má pessoa, de repente não era tão ruim quanto ela achava. Cinderela conseguia entender como foi que ela chegou aquele ponto, mas sabia que não tinha nada que ela pudesse fazer para ajudar a velha bruxa, quando ela não conseguia ajudar nem a si mesma.

A bruxa contou uma história para ela sobre como tinha perdido o homem que tanto amava. Por um minuto Cinderella sentiu pena da mulher, até perceber que mais triste do que a história da bruxa era a sua, em que nunca chegou a encontrar o seu príncipe encantado.

Antes de perder toda sua fé e esperança, Cinderella se rendera a outras pessoas e chegou a desejar um príncipe que não fosse tão encantado assim, mas a tratasse bem.

O homem da bruxa morrera há anos. A mulher nunca mais encontrou alguém que pudesse fazê-la feliz novamente. Ela tentara inutilmente e após inúmeras tentativas, optou por nunca mais se abrir e deixar ninguém conhecer como ela verdadeiramente era.

Cinderella estava tão perdida quanto à bruxa. A velha estava quase morrendo, quando chamou a garota para conversar. E pela última vez na vida, a bruxa se abriu e entregou para a garota toda a esperança que guardara dentro de si. Cinderella conseguiu evitar por pouco sua transformação total em bruxa malvada, mas não o suficiente para acreditar novamente na vinda do seu príncipe encantado. Ela não sabia o que era pior, viver uma vida acreditando em contos de fadas e algo que nunca poderia acontecer ou viver uma vida sem acreditar em mais nada.

Comentários

Mais lidas da semana