Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Neurociências, ajustes e discussões que vão além do social

O céu de um autista pode ser o inferno do outro. Somos diferentes em todos critérios. Cada caso é um caso.



Comparar um autista como eu, que sou camaleão e tenho autonomia com um que precise de mais apoio e tenha mais limitações sensoriais não seria justo.

Eu ressalto que todo autista deve lembrar disso quando produzir conteúdo. Não adianta achar que existe um modelo único de inclusão, se ao priorizar algumas coisas, você deixa de lado outras. Por isso, abordar a questão do autismo é algo muito complexo. Da mesma forma, que não existe um personagem da ficção ou uma pessoa autista que vai representar o espectro autista inteiro.

Os ajustes que são feitos para alguns, podem ser desajustes para outros. Por isso dizemos que existem vários autismos, independente do grau.
Do mesmo modo que não existem dois autistas iguais, não existem dois aspies iguais (pessoas com Síndrome de Asperger); não existem dois aspies com superdotação iguais (pessoas com Dupla Excepcionalidade). Somos todos diferent…

Direito e Imprensa são abordados em seminário para jornalistas

Texto: Ben Oliveira.

Secretário de Comunicação Social do Conselho Nacional de Justiça, Marcone Gonçalves dos Santos foi um dos destaques do 5º Seminário de Direito para Jornalistas, realizado no dia 26 de setembro de 2012, às 20h45, no Plenário do Tribuanl do Júri, do Fórum de Campo Grande (MS). O jornalista ministrou a palestra "Direito, Imprensa e Comunicação Social: A responsabilidade da informação".
Marcone Gonçalves fala sobre a importância do compromisso com a informação.
Foto: Ben Oliveira.

Marcone Gonçalves comentou sobre a importância dos profissionais de jornalismo e direito e afirmou que são áreas para pessoas com coragem e que tomam decisões. "... não é lugar para gente pequena", declara.

Sobre o jornalismo, Marcone Gonçalves falou que este não é realizado somente nas redações de jornais, mas também em instituições, como o Tribunal de Justiça, e em breve deve abrir maior demanda dos profissionais nestas organizações.

O palestrante falou sobre a importância do direito e do seu protagonismo. "Precisamos encontrar formas alternativas de resolver nossos problemas", Marcone Gonçalves critica o pensamento de se criar leis para qualquer problema que aparece. O jornalista ainda ressaltou a necessidade dos jornalistas entenderam as transformações da sociedade brasileira, seus valores e costumes, dando como exemplo a nova classe média.

"Não há imparcialidade e objetividade nas notícias", Marcone apontou um dos mitos do jornalismo e ainda menciono a confusão das pessoas sobre notícias e fatos. "A notícia não é realidade, é construção da realidade", justificou.

Diferente do que a maioria das pessoas pensam sobre a imprensa e os escândalos serem as principais notícias publicadas, Marcone Gonçalves comentou que a maioria das informações são de rotina e podem ser planejadas (95%) e poucas são acidentes (3%) e escândalos (1%).

Entre as importâncias do jornalismo está a de construção de imagem diária das instituições e pessoas. Para o jornalista, a informação é importante quando afeta um grande número de pessoas, é inequívoca, tem relação com a cultura média dos leitores, é imprevisível e relevante.

A contextualização das informações também é citada como algo importante para o jornalismo. Marcone cita que as pessoas não querem somente informações, mas emoções que podem ser obtida por meio da maneira que o jornalista conta boas histórias. Em relação aos problemas de comunicação entre imprensa e judiciário, o jornalista ensina: "Comunicação não é o que você diz, é o que a pessoa entende".

Comentários

Mais lidas da semana