Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Síndrome do Pânico é tema de projeto criado por acadêmico de jornalismo

Vinícius Nunes é autor de projeto sobre
a Síndrome do Pânico. Foto: Divulgação.

Na manhã desta segunda-feira, 12 de novembro de 2012, o acadêmico de Jornalismo da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), Vinícius Nunes apresentou o seu Trabalho de Conclusão de Curso, um videodocumentário sobre a Síndrome do Pânico. A apresentação aconteceu em Campo Grande (MS) no auditório da biblioteca da instituição de ensino superior.

Vinícus Nunes emocionou a banca de professores e acadêmicos de Comunicação Social que estavam assistindo o documentário. No estilo de Jornalismo Gonzo, no qual o personagem é o próprio jornalista, o videodocumentário mostrou como o acadêmico descobriu que tinha Síndrome do Pânico, como lidou com a doença e como conseguiu superar o problema quando descobriu que tinha um câncer e se curou, porém após teve uma recaída na depressão e ansiedade.

No documentário, Vinicíus Nunes comentou como é difícil conviver com a doença e fazer coisas como sair de casa, ir a lugares movimentados e falar em público. Além de tomar remédios, o acadêmico contou que está fazendo Terapia Cognitiva Comportamental (TCC). Segundo uma psicóloga especialista em TCC entrevistada para o trabalho, o índice de melhora é alto, uma das razões pelas quais o acadêmico acredita na importância de difundir mais informações sobre a doença.

Para Vinícius Nunes, se as pessoas forem informadas e diagnosticadas, elas poderão ter melhor qualidade de vida. Além do documentário, o acadêmico de Jornalismo lançou no dia 6 de novembro de 2012 o blog Viva sem Pânico com a proposta de colocar o Transtorno do Pânico na mídia, portadores da doença poderem compartilhar experiências, mostrar tratamentos eficazes, entre outras.

"Espero poder ajudar o maior número de pessoas com o video-documentário "Transtorno do Pânico - Em busca de uma solução" que foi o tema do meu trabalho de conclusão de curso que deu origem a este blog e a outros projetos para tornar o Pânico mais conhecido pela sociedade. Podendo assim, quem sabe acabar de uma vez por todas com as crenças e preconceitos da sociedade e até mesmo dos pacientes, pois isto é um obstáculo que deve ser ultrapassado para que todo o objetivo deste projeto se concretize", comenta Vinícus Nunes.

Para saber mais, acesse o blog Viva Sem Pânico: http://www.vivasempanico.blogspot.com.br/

Comentários

Mais lidas da semana