Pular para o conteúdo principal

Destaques

Dias de Isolamento, Estímulos e Tédio: Vidas Importam (Coronavírus) | Ben Oliveira

Mesmo para alguém no espectro autista (lembrando que não existem dois autistas iguais e há uma ampla variedade neurológica e de personalidade), os dias de isolamento não são necessariamente confortáveis.


Gostar de ficar em casa e precisar de tempo sozinho para recarregar as energias, não significa que autistas também não gostem de ver pessoas – muitos adoram andar ao ar livre. As pessoas confundem autismo, introversão, timidez e misantropia (aversão às pessoas).

O que eu queria falar é sobre a importância de se ocupar com o que te estimula. Na correria do dia a dia, todos abrimos mão daquilo que gostamos de fazer e do que nem sabíamos que gostamos. Além de ler e jogar, nesses dias aproveitei para organizar as coisas e brincar com as tintas e colas.

Deveria estar escrevendo mais, mas confesso que estou gostando de estimular outras áreas que estavam adormecidas. Sim, tenho muitos momentos de tédio, mas não acho que colocar a vida de outras pessoas em risco possa compensá-los.

Por outro …

Síndrome do Pânico é tema de projeto criado por acadêmico de jornalismo

Vinícius Nunes é autor de projeto sobre
a Síndrome do Pânico. Foto: Divulgação.

Na manhã desta segunda-feira, 12 de novembro de 2012, o acadêmico de Jornalismo da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), Vinícius Nunes apresentou o seu Trabalho de Conclusão de Curso, um videodocumentário sobre a Síndrome do Pânico. A apresentação aconteceu em Campo Grande (MS) no auditório da biblioteca da instituição de ensino superior.

Vinícus Nunes emocionou a banca de professores e acadêmicos de Comunicação Social que estavam assistindo o documentário. No estilo de Jornalismo Gonzo, no qual o personagem é o próprio jornalista, o videodocumentário mostrou como o acadêmico descobriu que tinha Síndrome do Pânico, como lidou com a doença e como conseguiu superar o problema quando descobriu que tinha um câncer e se curou, porém após teve uma recaída na depressão e ansiedade.

No documentário, Vinicíus Nunes comentou como é difícil conviver com a doença e fazer coisas como sair de casa, ir a lugares movimentados e falar em público. Além de tomar remédios, o acadêmico contou que está fazendo Terapia Cognitiva Comportamental (TCC). Segundo uma psicóloga especialista em TCC entrevistada para o trabalho, o índice de melhora é alto, uma das razões pelas quais o acadêmico acredita na importância de difundir mais informações sobre a doença.

Para Vinícius Nunes, se as pessoas forem informadas e diagnosticadas, elas poderão ter melhor qualidade de vida. Além do documentário, o acadêmico de Jornalismo lançou no dia 6 de novembro de 2012 o blog Viva sem Pânico com a proposta de colocar o Transtorno do Pânico na mídia, portadores da doença poderem compartilhar experiências, mostrar tratamentos eficazes, entre outras.

"Espero poder ajudar o maior número de pessoas com o video-documentário "Transtorno do Pânico - Em busca de uma solução" que foi o tema do meu trabalho de conclusão de curso que deu origem a este blog e a outros projetos para tornar o Pânico mais conhecido pela sociedade. Podendo assim, quem sabe acabar de uma vez por todas com as crenças e preconceitos da sociedade e até mesmo dos pacientes, pois isto é um obstáculo que deve ser ultrapassado para que todo o objetivo deste projeto se concretize", comenta Vinícus Nunes.

Para saber mais, acesse o blog Viva Sem Pânico: http://www.vivasempanico.blogspot.com.br/

Comentários