Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Algum Dia — David Levithan

Pode o corpo alterar nossa percepção sobre a vida e o amor? E o que acontece quando todo dia mudamos de corpo e ainda assim tentamos manter um relacionamento? Em Algum Dia, do David Levithan, o leitor é levado a conhecer o desfecho da trilogia que encantou pessoas do mundo todo. No Brasil, a obra foi publicada pela Editora Galera Record, em 2020.

Compre o livro Algum Dia (David Levithan): https://amzn.to/3ifWxuE
Algum Dia foi um dos livros mais esperados por muitos leitores, entre eles: eu. Fui com muita expectativa na leitura. Não é que não tenha gostado do romance, mas senti falta de mais envolvimento entre os dois personagens principais. David Levithan nos deixa instigado por mais momentos entre Rhiannon e A, mas a narrativa acaba dando mais destaque para a condição do personagem sem corpo fixo.
"Agora eu sei: o amor não é tão simples. O amor nunca é sobre você dizer a si mesmo que deve fazer alguma coisa e então fazer. Nunca é sobre alguém te dizer que você deve fazer e por isso…

Sobre fotografias e sensações

*Texto: Ben Oliveira

Olhos na fotografia e mente no passado. Como é possível uma simples imagem impressa em um papel trazer diferentes lembranças e provocar arrepios, angústia, saudade e despertar o fogo necessário para renovar constantemente os seus relacionamentos.

A mesma imagem congelada de um momento é aquela que aquece o seu coração, te fazendo rir, chorar, sorrir, e até mesmo viajar pelo tempo. É aquela fotografia que um dia vai te lembrar que você era feliz e não sabia; o quanto você era novo e bonito, mesmo não se enxergando desta maneira e também te fazer sentir vontade de retornar para outra época, diferente do que muitos desejam sem fazer tudo diferente, mas relembrando constantemente o quanto os dias passam rápido.

Todavia, é preciso tomar cuidado com esta fascinante fogueira onde somos jogados vivos antes de qualquer direito de resposta. Tão frenético como o relógio que não para de bater, nossos pensamentos tentam ganhar vida própria e lembrar o que é melhor para nós.

O sorriso talvez já não é mais inocente, infantil, ingênuo, porém não é menos sincero. Os olhos talvez não brilham mais da mesma maneira, e por vezes, enxergam outras direções, mas continuam sendo os mesmos responsáveis por lágrimas de alegria. Talvez a expressão carrega no rosto já não seja das melhores, muitas vezes aparentando o seu cansaço, porém é possível sentir em cada marca todo o esforço feito para tornar aquele amor um quadro inesquecível. Era como ver um pedaço de papel e uma tinta darem a vida aos sentimentos adormecidos e tornar aquela obra o seu trabalho mais valioso.

Engana-se quem pensava que uma foto é uma mera reprodução. A imagem traz à tona aquilo que não deveríamos nunca nos esquecer − os bons momentos. São aqueles pequenos fragmentos da sua memória que davam sentido para as linhas que viriam a seguir, nos momentos de tormenta e também nos de paz.

Quando deseja, o tempo pode ser cruel, como pode ser encantador. São as fotografias, aquelas tiradas propositalmente em poses ou aleatoriamente sem tantas preocupações estéticas, as chaves para todas as caixas que você tem colecionado ao longo de sua existência. Alegrias, tristezas, amores, amizades, desafetos, conquistas, decepções... pode até demorar, mas um dia cada peça deste quebra-cabeça louco chamado vida faz falta e quando você consegue encaixar todos esses devaneios, assim como faço neste texto, você é capaz de definir se sua história realmente era aquela que você buscava.

Hoje, eu sou capaz de dizer que sim. Se eu pudesse, mesmo com todas alegrias e tristezas, eu percorreria o mesmo caminho quantas vezes fosse preciso, teria os mesmos amigos e estaria feliz de ter conhecido alguém tão especial como você.

Comentários

Mais lidas da semana