Pular para o conteúdo principal

Destaques

Dia de Conscientização do Autismo: Data batida por causa do Coronavírus

Hoje foi dia de conscientização do autismo. Com tantas preocupações sobre o Coronavírus, a data acabou passando batida. Mas para quem apoia a causa, além de usar o mês inteiro para abordar o assunto, a vida se torna uma constante aula de aceitação.



Sempre disse que nunca vestiria os símbolos que não concordo, por motivos internacionais, mas como disse minha psicóloga uma vez, não posso ficar comparando a realidade de outro país com a nossa (embora seja quase impossível pra mim).

Embora muitos autistas não gostem do quebra-cabeça e do laço (me incluo entre eles), prefiro o símbolo do infinito da Neurodiversidade, cheguei a conclusão que é só um estresse a mais e não adianta explicar para as pessoas.

Tal qual a palavra autista foi ressignificada, talvez seja melhor ressignificar do que ficar dando murro na ponta da faca (acertei a expressão?).

Enfim, só para não passar batido, foto com a camiseta que minha mãe pegou para mim em um evento de autismo em Campo Grande (MS).

Quando ganhei, p…

Carta aos Leitores - Julio Mesquita


Meu querido leitor, vivo cada momento escapulindo e evitando um cotidiano comum, que possa igualar-me aos demais mortais, que vivem seus dias à procura do tesouro dos piratas e do prêmio de loteria acumulado por eles mesmos. Vivo cada instante me reciclando dessa contaminação estúpida de querer o mundo, quando que o próprio mundo já faz sua contagem progressiva da hora em que ele, o próprio mundo, irá se esgotar.

Tenho ganhado tempo com o próprio tempo e assim, perco menos tempo com o tempo que tenho livre pra mim. Estou sorvendo a vida lentamente, num prato quente e bom, identificando cada ingrediente, selecionando deles o melhor e reinventando novos pratos. Minhas energias são gastas com atitudes benevolentes a mim, ao próximo e ao planeta. Não desejo o que não possa ser útil. Aos outros, quem saberá dizer o que é útil? Penso que ainda escrevo minhas histórias, por isso penso em tudo o que estará presente nelas, das pessoas que delas farão parte, do cenário que servirá de pano de fundo, das alegorias e das emoções entre os correlacionados.

Vai longe à intenção da glória, da vitória e da ambição. Vejo-me num futuro de muita contemplação humana, às vezes profano na carne de alguém, mas sem fugir da serenidade à qual me presenteei. Importa-me povoar mentes e corações com meus escritos, tornar-me um exemplo vivo de discussão e especulação. Eu me posiciono de frente sem medo de olhar nos rostos, falando quase sempre de meus profundos entendimentos. Estou de frente agora com você leitor. Geralmente caricaturo meu vocabulário escrito. Aqui não, aqui inundo o discurso do modo que eu gostaria que ele sempre fosse: cru.

Caminho órfão e diligente rumo ao tato de cada um dos leitores que farão juízo de mim. Depois, depois vejo e analiso e concluo: somos ou não somos a evolução de uma promessa? Acrescento: estamos em um estágio embrionário.

A razão para esta carta são as respostas de cada artigo publicado nos jornais e revistas para os quais eu tenho me doado de alma. Os holofotes estão sobre quem se entrega, se expõem, se dilacera. Nem assim perco o ânimo e continuo propondo ordem analítica frente ao meu estimado leitor. Quanto a mim, fixo nesse enervante final de texto, sepulto o meu convívio com os homens, para ser Deus e soprar a narina deste artigo que viverá em ti. Obrigado!

Julio Mesquita é publicitário e escritor. Site: www.juliomesquitaescritor.com / E-mail: mesquita.julio@uol.com.br

Comentários