Pular para o conteúdo principal

Destaques

Diversidade Invisível: Assista a palestra com autista diagnosticada aos 35 anos

Nos últimos anos, houve um aumento da disseminação de informações sobre autismo na internet. Embora a visão de profissionais da saúde seja importante, muitos autistas têm contado o seu lado da história. Na palestra Invisible Diversity, a redatora freelancer e vlogger Carrie Beckwith-Fellows compartilha sua história de como foi diagnosticada aos 35 anos e de como isso a possibilitou enxergar a vida através de uma nova perspectiva.


Carrie conta sobre os inúmeros diagnósticos errados que recebeu ao longo da vida. Para quem não sabe. além de ser difícil encontrar profissionais que entendam de autismo em muitos países, como alguns autistas aprendem a mascarar seus traços autísticos ao longo da vida, ainda é complicado para algumas pessoas reconheceram que estão no espectro autista e/ou encontrar quem possa fechar o diagnóstico formal.

“Existe um grupo de pessoas de voz única, cuja grande diversidade está tão bem escondida que é invisível, mesmo para elas mesmas [...] As pessoas autistas vee…

Vencendo o Medo - Julio Mesquita


A cada ano, a invencibilidade da idade vem me atemorizando, ao passo que percebo, de tempo em tempo, que não sou mais o mesmo, que tudo em mim tem-se modificado, principalmente nos quesitos força, flexibilidade e durabilidade. Contudo, há de se valorizar outros créditos, bem como a inteligência mais ávida, a intuição com o mundo ao redor e o relacionamento com as pessoas mais próximas.

Morrer nunca foi um temor, um precipício do qual procuro me esconder, mas estar velho me aterroriza intensa e profundamente. Como homem, penso logo na ineficiência sexual, depois nos dentes que amolecem, na pele inconsistente e na inevitável decrepitude do meu adorável e inseparável corpo. Ah!...

O declinar da vida sobre mim me apavora, ainda mais se penso em todas aquelas limitações que obviamente virão. Não dá para aceitar que, sendo o que sou, tornar-me-ei no que está por vir. Ser velho, estar velho, terminar velho é o pior que poderia me acontecer. Quero acreditar que isso não é um fato, que serei eternamente jovem, viril, másculo, fértil, progenitor, forte e que a tão mencionada velhice é coisa que só acontece com os outros.

Digo-lhes, isto com todo o respeito de quem chegou aos quarenta: a velhice, como bem sabem, é o prenúncio da descaracterização moral e anúncio do fim. Descobri recentemente, por meio de um amigo de setenta anos, que os pêlos pubianos, além de ficarem branquinhos, também podem começar a cair, tal qual os dele. Não é um horror? E como se não bastasse, urinar na cueca é só um dos primeiros sinais de que envelhecer é assustadoramente real! É evidente que pretendo viver um pouco mais, e isto significa ficar velho. Porém, na minha concepção de envelhecer muito é estar morto com os olhos abertos, penso eu.

Hoje, sou um homem de meia-idade, bem cuidado, que não fuma, que bebe vinhos de boníssima qualidade, apenas nos finais de semana, que pratica exercício regularmente, que come de tudo um pouco, que pratica sexo entusiasmadamente, e que, além de tudo isso, ainda lê e escreve. Venho enfrentando esse medo conversando comigo mesmo, único terapeuta em quem acredito e confio totalmente. Estou progredindo bastante, acreditem. Tento manter este convívio sempre pacífico entre o gato e o rato. Enfim, vou continuar vivendo para ver no que vai dar esse tempo de vida que me resta. Quero muito que envelhecer seja uma fase boa, que além de tudo o que eu já mencionei, envelhecer não passe de uma fase de preparação para o eternamente jovem. Assim espero...

*Julio Mesquita é publicitário e escritor. E-mail: mesquita.julio@uol.com.br Site: www.juliomesquitaescritor.com / www.projetoeducacaoedignidade.com

Comentários

  1. Adorei!! Tenho 51 anos e trago comigo a mesma reflexão quase que diária. Até diria que fui eu quem escreveu esse texto, tamanha a minha identificação com ele... É a mesma angústia, a inquietação com o inevitável, os questionamentos.. Estamos vivendo mais.... ficando mais velhos, por mais tempo... Será que isso é realmente bom?! Letícia

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana