Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Publicitário suíço Stephan Hofmann conta sua trajetória para alunos da UCDB

O publicitário, fotógrafo e designer suíço Stephan Hofmann visitou ontem a Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), em Campo Grande (MS), para realizar uma palestra contando um pouco sobre a trajetória de sua vida e sua carreira profissional, inspirando os acadêmicos de Comunicação Social (Jornalismo e Publicidade e Propaganda).

Suíço criou uma agência de comunicação no Brasil, em Campo Grande (MS), para contribuir com a transformação social de crianças, adolescentes e jovens brasileiros. Foto: Ben Oliveira.

Apaixonado pelo Brasil, Stephan Hofmann contribui para promover a tolerância e a dignidade. O publicitário é o fundador da Gira Solidário, criada em janeiro de 2002, primeira agência de comunicação sem fins lucrativos de Mato Grosso do Sul, com o propósito de tornar uma agência de notícias especializadas em direitos da criança e do adolescente.

Durante a palestra, o publicitário falou sobre sua paixão pela fotografia e o que o levou a estar no Brasil. Nascido em Zug, na Suíça, em 1956, Stephan contou desde o seu primeiro trabalho do colégio em que ganhou um prêmio, a primeira revista que despertou o seu interesse pela fotografia, a primeira máquina fotográfica até os dias atuais.

“O artista plástico que pinta o quadro e tem tempo para pensar, decide no começo o tamanho da tela, depois ele pode largar mão e voltar ao trabalho. Na fotografia não. O formato já é dado e nós temos que tomar uma decisão de poucos segundos normalmente, menos no estúdio. Isto faz da fotografia uma coisa totalmente diferente. Nós não temos tempo para criar. Temos que treinar o nosso olhar”, o publicitário Stephan Hofmann ensina o que aprendeu. Segundo o palestrante, é preciso treinar o olhar, observar a luz e aprender a usá-la para desenhar a fotografia. “A luz é criadora. Nós temos que captar, mas a luz faz nossa imagem”, justifica.

Em 1968, Stephan levou o portfólio para um fotógrafo e conseguiu se tornar seu assistente, onde realizou sua formação no Estúdio Walz. Em 1972 fez Especialização em Design. Durante os anos de 1973 a 1974, ele se tornou fotógrafo autônomo de turismo, época em que viajou para diferentes países, como Alemanha, Dinamarca, Rússia, Finlândia, Noruega, Áustria, Polônia, Suécia, França, Espanha, África, entre outros destinos turísticos.

O palestrante também já trabalhou como fotógrafo da Swissair durante 1975 a 1979, em 1979 participou de um curso de fotografia aérea, em 1980 virou Diretor de Arte no Gwerder Studios, fundou a agência de publicidade e estúdio de fotografia Hofmann, cujos clientes estavam Nívea, Rolex e Fogal, que funcionou entre 1982 a 2001, trabalhou com Comunicações em Marketing.
“O que a fotografia mostra é que até a tristeza, às vezes, tem uma beleza”, comentou fazendo menção às imagens feitas na África, onde a miséria e os atrativos andam lado a lado.

A ideia de criar a Gira Solidário, segundo Stephan, surgiu após uma visita a Salvador, onde ele observou um menino de 14 anos matar um motorista de táxi para roubar o relógio dele. Depois de conhecer um projeto social, ele decidiu montar a Combox, uma agência criada com uma comunicação mais responsável, onde fez campanhas para áreas sociais. “Esse primeiro ano foi uma aprendizagem muito grande para mim, principalmente da onde vem a pobreza. Eu descobri que a pobreza não vem da carteira, mas da cabeça. Falta educação”, recorda Stephan Hofmann que criticou o círculo de miséria algo difícil, mas não impossível, de se quebrar.

Desde a criação do Gira Solidário, aconteceu a sensibilização dos jornalistas, para começar a usar os termos certos, recomendações de pautas relacionadas à infância, adolescência e saúde. Além de sensibilizar a mídia, o publicitário incentivou os empresários a criarem projetos sociais, dando uma oportunidade para as crianças carentes. “Uma ilha de conforto cercada de miséria não é um bom ambiente para negócio”.

No Gira Solidário são criadas campanhas para mudar, conscientizar, sensibilizar pessoas com problemas, como o maltrato, adoção ilegal, comércio de crianças. A instituição atende jovens de 15 a 20 anos, oferecendo acompanhamento e profissionalização para que eles possam melhorar suas realidades.

Para ficar por dentro do trabalho da Gira Solidário – Promoção e Defesa da Infância e Adolescência, acesse: http://www.girasolidario.org.br/.

*Texto: Ben Oliveira

Comentários

Mais lidas da semana