Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

O Fracasso da Alma – Julio Mesquita

Nós pessoas, seres privilegiados por raciocínio e inteligência, somos mesmo assoberbados dessa autoconfiança que nos resvala o íntimo. Quem disse que sabemos definir o certo do errado? Quem? O que nós sabemos é que devemos sim tentar corrigirmo-nos das nossas próprias demasias e imperfeições, isso sim! E se propomos aos nossos semelhantes algo novo, claro que devemos por avaliação concluir se é bom para todos. Mas, algumas mentalidades teimam em ir contra a corrente formando por sua conta um circulo resistente, formalizando essa idiossincrasia democrática hostil a tudo que quer sobre sair e anseia por se firmar junto ao desenvolvimento social. Isso sempre existiu e continuará existindo, tais malditos estão entre nós. A vontade que tenho é de gritar para mundo: Espiritualize-se! Pois tais malditos desperdiçam fisiologia, teoria e relatividade sobre homossexualidade, sem que dela ouça suas mazelas vividas na marginalidade de suas dores. E sob a pressão dessa faculdade de adaptação, nega-se história, costumes, fundamentação e progressão lógica. O veadinho morreu! Hoje vive-se e convive-se com o doutor, empresário, diretor, governador, juiz, promotor, empregador, professor, pai e mãe gays!!! Isso aí!!!  Está insatisfeito? Enfia sua viola no saco e mude-se para um outro planeta!

A importância de um Progresso mede-se pela magnitude de todo o seu sacrifício junto ao público alvo. A humanidade caminha a passos curtos porem diligentes, porque embora exista resistência também existe persistência. Ninguém comenta as tiranias de um convento porque estão ocultadas aos olhos do mundo por detrás de seus muros, mas a homossexualidade como ato explícito serve de vitrine aos medíocres de alma. Eu os aborreceria se lhes contasse ou explicasse as mil dificuldades em empreender nossas metas, projetos, sonhos e desejos; mas me focarei apenas num argumento florido como me cabe fazer. Afinal de contas, sou apenas um jornalista comprometido com a atualidade dos fatos, não compete a mim, defendê-los a ferro e fogo, se bem sei que pessoas bem mais qualificadas os fazem por mim. Ainda assim vou costurando atos de fatos concretos que não se podem negar e muito menos fechar os olhos para eles.

Por isso, eu costumo ironizar dizendo que alguma coisa deu errado! Algo saiu da rota e segue um fluxo que não o determinado. Chamo isso de O Fracasso da Alma. A confrontação com o imprevisível normalmente nos reforça o sentido ou nos debilita. Contudo, há de se criar métodos de conteúdos excepcionais; uma nova maneira de interpretar, capacitar e emoldurar essa nova geração de seres humanos diferenciados por suas escolhas sexuais. E se a alma fracassou em não reconhecer tais diferenças, só lamento! Estaremos aqui a fim de dar instrumentos soberbamente afiados de interpretação da causa que hoje fazemos questão de pensá-la dignamente.

*Julio Mesquita é publicitário e escritor. E-mail: mesquita.julio@uol.com.br

Comentários

Mais lidas da semana