Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Novidade: A Hora da Tormenta – Luis Maldonalle

Durante esta semana recebi um exemplar do livro A Hora da Tormenta, enviado pelo autor Luis Maldonalle, para que eu possa ler e resenhar para os leitores aqui do blog! Estava tão corrido, com prova e apresentação... Só agora tive tempo de falar um pouco mais sobre essa novidade.


O livro A Hora da Tormenta foi publicado em março de 2015, pela Editora Autografia, no Rio de Janeiro. Confira abaixo a sinopse do livro, disponível no texto da contracapa:

“A rotina da pequena Brave Rock é virada de ponta-cabeça quando um enorme tornado F5 SODOMA desponta e transforma o céu, obliterando por completo aquele sábado ensolarado em que a cidade completaria 128 anos.

Em meio ao caos, conflitos e intrigas permeiam o cerne deste trágico livro, que alternando entre ódio e violência, usa o egoísmo e os interesses pessoas do grupo, conhecido como fab four, como palco para uma rica trama, tendo a tragédia e o horror como protagonistas.

Luis Maldonalle nos conta, com riqueza de detalhes, todo o drama vivido por personagens profundamente humanos, em diálogos ásperos envoltos por um cenário aterrador”.

Sobre o autor – Luis Maldonalle, guitarrista há quase trinta anos, é considerado um dos grandes expoentes da cena do Centro-Oeste. Atualmente, é membro da banda Bella Utopia e colunista dos blogs Página de Ferro e Maldonalleblog.

Luis sempre foi um aficionado das clássicas histórias de terror e literatura fantástica. No livro A Hora da Tormenta aborda uma intrínseca trama de sobrevivência e conflitos humanos, com uma detalhada narrativa instigante. Seu livro de estreia, Sete Noites em Claro, figurou entre os 100 mais vendidos da Amazon, no gênero Terror.

O autor busca transportar para o papel não só a admiração pelo gênero, mas também a liberdade presente na ficção e o sobrenatural da escrita criativa.

Para quem gosta de livros, filmes e séries de terror e fantasia, não tem como não ficar instigado com o título e sinopse. Ainda não comecei a ler e não tenho ideia de quando vou começar, já que preciso concluir uma leitura e resenha antes, além das leituras da graduação, mas não pude deixar de associar com O Nevoeiro, livro do Stephen King adaptado para o cinema. Sou suspeito... Amo o gênero, então, já estou morrendo de vontade de ler. E aí, o que acharam?

Comentários

  1. Bacana sua alusão ao conto o Nevoeiro. Nesse tipo de narratriva, acho os conflitos entre os personagens muito mais instigante do que a ameaça que vem de fora. E livros catástrofe no Brasil é algo bem inusitado. Espero que, exatamente por isos, atraia bastante público.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ronaldo! Estou morrendo de vontade de mergulhar na leitura, mas os trabalhos, provas e leituras da graduação não estão deixando. Passei o fim de semana inteiro mergulhado nos contos do Borges, para escrever uma análise. Depois de ser corrigido, devo até publicar por aqui... Deu tanto trabalho fazer, que dá dó deixá-lo esquecido numa pasta do computador.
      Quanto à Hora da Tormenta, senti algo do Stephen King, seja no título... Na sinopse... Posso estar errado, mas creio que há um diálogo gostoso entre as narrativas. Adoro textos que exploram a condição humana, seus vícios e falhas, deixando de lado aquele moralismo.
      Abraços!

      Excluir
    2. Publique sim que eu quero ler. Abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana