Pular para o conteúdo principal

Destaques

Daily Dose of Sunshine: Transtornos mentais são tema de drama coreano da Netflix

Daily Dose of Sunshine (Uma Dose Diária de Sol) é um drama coreano lançado pela Netflix , em novembro de 2023, que aborda a história de uma enfermeira da área clínica que decide se mudar para a ala psiquiátrica de um hospital universitário, mostrando como ela vai se adaptando e aprendendo cada vez mais ao longo dos dias de convivência com outros profissionais de saúde, pacientes e familiares. Em uma época em que os dramas coreanos têm conquistado cada vez mais plataformas de streaming e telespectadores em diferentes partes do mundo, embora seja uma obra de ficção, há potencial de que a série ajude mais pessoas a entenderem a realidade não só dos profissionais que trabalham na área, mas dos pacientes e a importância de um espaço para acolhimento diante de sintomas que possam colocar suas vidas em risco. Dirigido por Lee Jae-kyoo (do sucesso coreano de zumbis All Of Us Are Dead), Daily Dose of Sunshine foi baseada numa webtoon escrita por Lee Ra-ha, autora que já trabalhou como enfe

Pensão Margaridas: Livro biográfico sobre ex-dependente diagnosticado erroneamente como doente mental

O carioca João Vasconcellos lançou pela Editora Ponto Vital o livro Pensão Margaridas, de 170 páginas, no final de 2015. Na obra, com rápido reconhecimento pelos meios literários, e que recebeu prefácio do poeta e acadêmico Ivan Junqueira, o autor revela seu drama e luta enquanto esteve internado numa clínica para dependentes químicos, a Pensão Margaridas, no Rio de Janeiro.


No livro, João revela que tinha uma vida comum, simples, que tinha família, amigos e a paixão por eletrônica, o que o levou a montar um negócio próprio no ramo, até envolver-se no mundo dos entorpecentes.  A partir da aproximação de viciados em drogas, João Vasconcellos viu sua vida desmoronar rapidamente, por conta do uso das substâncias químicas, como cocaína e álcool.  Após diversas tentativas de livrar-se desse submundo, acabou internado pela família para um rigoroso tratamento de desintoxicação.

Porém, o que deveria ter sido um alivio, tornou-se seu maior pesadelo. Durante o período em que esteve na Clínica, vivenciou momentos de pânico, desolação, angústia e muito sofrimento: um sofrimento interminável por conta dos quase mil dias que permaneceu internado (com o detalhe de jamais ter sido um doente). Some-se a isso a total desmoralização em virtude da forte sedação causada pelos inúmeros medicamentos que era forçado a ingerir diariamente, os quais lhe impediam até de falar. A convivência com outros pacientes não o fazia piorar ou melhorar. Incompreendido, viu todas as portas se fecharem diante dele.

Sentia-se cada vez mais como um morto-vivo, despersonalizado, e era tratado como alguém completamente irrecuperável, compelido a fazer trabalhos manuais, como casinhas montadas com colagem de palitinhos, ou picando papel, como um condenado... Os dirigentes da Pensão Margaridas pareciam desejar que deixasse de ser um ser pensante, ao obrigá-lo a seguir regras rígidas, a sentir efeitos de medicações interrompidas, que lhe provocavam impregnações, e das ameaças de sessões de eletro choque.  A partir da morte misteriosa de um dos pacientes da Clínica, passou a sentir muito medo de ter o mesmo destino.

Cinco anos depois da internação, já em casa, mas tomando os mesmos medicamentos pesados que tomava na Clínica, após tantos dramas vividos, ignorado e mal tratado pelos médicos e por alguns auxiliares da Pensão Margaridas, João, ao abandonar as medicações pós tratamento, acordou outro homem. Curado, renovado e pronto para juntar os cacos e reconstruir sua vida, reuniu muitas informações nesse trabalho, com o fim de denunciar, explicar e de mostrar-se como um exemplo vivo e sadio, tornando visível o que acontece nas entranhas de alguns centros de apoio a dependentes químicos e em instituições psiquiátricas. O que deveria ter sido uma demonstração de solidariedade transformou-se, na verdade, num circo de horrores, ao ver que a ganância dos médicos que se impunha sobre as vidas dos pacientes.

Há 20 anos sem usar medicamentos e livre do vício, trabalhando como empresário, João Vasconcellos terá seu livro concorrendo ao Prêmio Jabuti 2016 na categoria biografia, sendo uma excelente oportunidade para leitores que apreciam histórias de vida e também para profissionais de saúde que desejam aprofundar seus conhecimentos.

O livro também pode ser adquirido no site da editora Cultura em Letras Edições.

*Com informações de Occello Oliver / Assessoria de Imprensa

Comentários

  1. Ben estou realmente querendo esse livro, esse assunto meche muito comigo. Já leu Um estranho no ninho? da para fazer um paralelo bem legal com esse não ficção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bibbi!
      Ainda não li Um Estranho no Ninho, mas só de ler a sinopse já fiquei instigado! Parece ser ótimo. Fiquei curioso para assistir ao filme também.
      Obrigado pela visita ;)

      Excluir
    2. O filme também é muito bom, mais uma ótima atuação do Jack Nicholson.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana