Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Entre fofocas e intrigas

Aviso aos bonitos e bonitas que sempre jogam meu nome e dos colegas nos grupos de Facebook e WhatsApp: alguém de vocês sempre solta algo e de um jeito ou de outro, chega até mim.


Minha dica é: quer falar mal? Fala à vontade. Se quiser, eu falo junto. Não tenho vergonha de fazer autocrítica, aliás, recomendo a todos.

Agora, se me difamar e/ou queimar minha reputação, o bicho pega.

Nesta página, não trabalho com indiretas. Só com diretas mesmo.

Já disse que nem todo autista é bonzinho, né? 😈

Dica para os anjinhos e neurotípicos: Arranjem hobbies e outros hiperfocos, ocupem a cabeça com outras coisas que não sejam só esse mundinho de intrigas do autismo.

Um grande filósofo pós-moderno, Benstein Oliveira disse que a fofoca viaja à velocidade da luz e que ela vem de todos cantos e cores do autismo. Nem WhatsApp eu uso, mas as conversas de lá sempre chegam aqui. Por que será, gente?

Formado em Harvard na arte das fofocas chegarem até mim. Parece que sou ímã para embuste.


Para os trolls que…

Dia do Escritor: Ofício tão necessário e tão desvalorizado

Hoje é Dia do Escritor. Mais de cinco anos oficialmente nesta jornada. Um ofício mega desvalorizado no país. Lembro-me do Ensino Médio, quando lia alguns clássicos da literatura mundial e livros de ficção contemporânea e de me sentir perdido: livros que eram invisíveis no colégio; tudo o que não seguia a cartilha, que não cairia nas provas, era descartável.


Qual caminho seguir? Acredite, no Brasil, dificilmente alguém vai dizer 'seja escritor'. Diferente dos países em que os jovens aprendem escrita criativa em diferentes anos, a literatura era vista como uma disciplina para passar no vestibular, tão decorativa quanto outras (ironicamente, mesmo na graduação, há quem ainda trate a literatura desta forma engessada).

Anos depois me aventurei no Jornalismo e até comecei Letras e parei antes de me mudar de cidade (escritores e Letras: relação de amor e ódio, muitas vezes, mais de ódio), mas a necessidade de escrever e estar cercado de livros, só o ofício de escritor me trouxe.

Desisti de desistir da escrita. É uma luta diária, em um país em que as desvantagens são bem maiores do que as vantagens e seguir outro rumo seria o caminho mais fácil. Por que insistir? Desistir dos livros seria desistir de mim mesmo. Permaneço escrevendo.

Inúmeros escritores de várias épocas sofreram preconceito e continuamos sofrendo. Não aprendemos muito com a história, mas somos loucos e insistimos na arte de contar histórias. Verdade seja dita, o mundo seria um porre sem livros.

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e do livro de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1), disponível no Wattpad.

Comentários

  1. Adorei teu texto!
    Parabéns para nós! rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jana! Parabéns para nós todos ♥ Escrever é o que nos move. Apesar de todos desafios, é muito gostoso quando os leitores conseguem se conectar com nossas palavras. Gratidão!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana