Pular para o conteúdo principal

Destaques

Dia de Conscientização do Autismo: Data batida por causa do Coronavírus

Hoje foi dia de conscientização do autismo. Com tantas preocupações sobre o Coronavírus, a data acabou passando batida. Mas para quem apoia a causa, além de usar o mês inteiro para abordar o assunto, a vida se torna uma constante aula de aceitação.



Sempre disse que nunca vestiria os símbolos que não concordo, por motivos internacionais, mas como disse minha psicóloga uma vez, não posso ficar comparando a realidade de outro país com a nossa (embora seja quase impossível pra mim).

Embora muitos autistas não gostem do quebra-cabeça e do laço (me incluo entre eles), prefiro o símbolo do infinito da Neurodiversidade, cheguei a conclusão que é só um estresse a mais e não adianta explicar para as pessoas.

Tal qual a palavra autista foi ressignificada, talvez seja melhor ressignificar do que ficar dando murro na ponta da faca (acertei a expressão?).

Enfim, só para não passar batido, foto com a camiseta que minha mãe pegou para mim em um evento de autismo em Campo Grande (MS).

Quando ganhei, p…

Resenha: Os Criadores de Coincidências – Yoav Blum

E se nada fosse mero acaso e operários invisíveis atuassem para gerar mudanças nas vidas das pessoas? Assim é a premissa do livro Os Criadores de Coincidências, do autor Yoav Blum, publicado no Brasil, em 2017, pela Editora Planeta, com tradução de Fal Azevedo.


Compre o livro Os Criadores de Coincidências (Yoav Blum): https://amzn.to/2KNfxBT

O romance narra o trabalho de três criadores de coincidências: Emily, Eric e Guy. Intercalando um pouco das vivências profissionais de cada um deles e das missões que tiveram que cumprir, relacionando com alguns dos seus dilemas pessoais.

“É estranho, pensou ela, como somos capazes de transformar uma coisa específica em algo que passa a guiar toda a nossa vida, e como nos convencemos de que, se não tivermos essa coisa, nada mais vai fazer sentido. E é ainda mais estranho como nos acostumamos rápido ao exato oposto” – Yoav Blum, Os Criadores de Coincidências

Longe de ser uma narrativa linear, o leitor é jogado para várias histórias que se amarram pela temática das coincidências. Na ânsia de resolver a vida de outras pessoas, os personagens acabam deixando de lado suas próprias vontades sem nem sempre se darem conta.

Com regras a serem cumpridas por aqueles que se dedicam à atividade, alguns deles gostam de se gabar dos seus feitos, enquanto outros ficam contentes com eventos mais simples e prazerosos, como fazer alguém descobrir um talento que nem sabia que tinha, juntar pessoas compatíveis

“Algum dia, no futuro, alguém vai te contar todo tipo de história sobre o que é o amor. Não acredite no que disserem. O amor não é um estouro, não é feito de explosões e efeitos especiais. Não há fogos de artifício no céu nem um avião puxando uma faixa enorme. Ele se derrama devagar por baixo de sua pele, em silêncio, sem que você perceba, como um óleo. Você só sente um tipo de calor, e um dia acorda e descobre que, debaixo da sua pele, você está envolvido por outra pessoa” – Yoav Blum, Os Criadores de Coincidências

Além das intervenções, alguns dos personagens também atuaram como amigos imaginários, auxiliando as pessoas nos momentos difíceis e de solidão, quando elas precisam de alguém para conversar.

Narrado em terceira pessoa, o livro prende o leitor em alguns momentos, mas parece não segurá-lo em outros, apresentando possibilidades paralelas, com uma linha do tempo que pode se tornar um pouco confusa e questões que nem sempre se conectam.

“Num instante você simplesmente gosta de uma pessoa, mas no instante seguinte ela passa a ser o centro de seu universo” – Yoav Blum, Os Criadores de Coincidências

Gostei das reflexões levantadas por Yoav Blum sobre as escolhas que as pessoas fazem ao longo da vida, questões como as pessoas que conhecemos, os relacionamentos e o ocasos, mas não consegui me conectar tanto com os personagens quanto gostaria ou com sua escrita fragmentada – como se faltasse algo mais orgânico e menos artificial. Na estrutura da ficção, o conjunto de eventos pode até se encaixar, mas durante a leitura, seja pela complexidade da proposta e das missões dos personagens nem sempre compreendidas; o início e o final se conectam, mas o meio nem sempre se sustenta.

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro, jornalista por formação e Asperger. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Para ficar por dentro das minhas novidades:


Facebook: https://www.facebook.com/benoliveiraautor/

Twitter: https://twitter.com/Ben_Oliveira

Instagram: https://www.instagram.com/benoliveira/

YouTube: http://www.youtube.com/c/BlogdoBenOliveira

Comentários