Pular para o conteúdo principal

Destaques

Documentário da Netflix aborda caso Elisa Lam e histórico mórbido do Cecil Hotel

Dependendo da sua idade e do quanto você é ligado às notícias e ao mundo online, é bem provável que você tenha ouvido falar sobre o caso da Elisa Lam , uma canadense descendente de chineses que  viajou para os Estados Unidos e morreu em um hotel de Los Angeles . O caso polêmico na época foi explorado na série documental Cena do Crime – Mistério e Morte no Hotel Cecil (Crime Scene: The Vanishing at the Cecil Hotel) , dirigido pelo norte-americano Joe Berlinger e distribuído pela Netflix , em 2021. Em quatro episódios, de forma linear, é contada a história de como Elisa Lam foi parar no Cecil Hotel e um pouco de sua personalidade no mundo digital e afinidade com o Tumblr. Importante mencionar que o documentário não traz entrevistas com os familiares de Elisa Lam. Se nem os próprios familiares conhecem a fundo uma pessoa, me pergunto por que há tantas pessoas aleatórias na internet e fãs de teorias da conspiração que se sentem no direito de dizer que algo poderia ou não ter acontecido. 

Poema da Taylor Swift: Por que ela desapareceu?

Brilhos nos olhos e um poema lindo da Taylor Swift. A tradução não é minha e muito se perde na tradução. ✨🌹🥀🎨🌈



“Por que ela desapareceu” (“Why She Disappeared”)

Quando ela caiu, ela desmoronou.
Quebrou os ossos no chão que decorou um dia
quando criança com giz colorido
Quando ela colidiu, suas roupas se desintegraram e voaram
com os ventos que levaram embora todos os que se diziam seus amigos

Quando ela olhou em volta, sua pele estava suja de tinta
formando as palavras ditas a mil vozes
Ecos que ela ouvia mesmo durante o sono:
“O que quer que diga, não é certo.”
“O que quer que faça, não é suficiente.”
“Sua gentileza é falsa.”
“Sua dor é manipulativa.”

Quando ela ficou ali no chão,
Sonhou com máquinas do tempo e vingança
e um amor que fosse realmente algo,
E não apenas a ideia de algo.

Quando ela finalmente se levantou, foi devagar
Evitando lugares aonde eles vão e fugindo de moedas brilhantes
Desconfiada de ligações e promessas,
Dos charmosos, dos elegantes e dos esquemas que prometem amor rápido.

Quando ela ficou de pé, foi com uma sabedoria desolada
Andando com dificuldade no oceano escuro e inquieto na altura de seu pescoço
Banhada em sua derrota
Rezou para agradecer cada fenda na armadura
de que ela nunca soube que precisava
Em pé ao seu lado com os ombros largos
estava um amor que é realmente algo,
não apenas a ideia de algo.

Quando se virou para ir para casa,
Ela ouviu os ecos de novas palavras
“Que seu coração sempre seja capaz de se partir de novo
Mas nunca duas vezes pela mesma mão”
E mais alto:
“sem seu passado,
você nunca poderia ter chegado—
tão maravilhosamente e brutalmente,
De propósito ou por alguma exótica e violenta coincidência
…aqui.”

E na morte de sua reputação,
Ela se sentiu realmente viva.





Comentários

Mais lidas da semana