Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Resenha: Belas Adormecidas – Stephen King e Owen King

Imagina como seria se todas mulheres adormecessem? Essa é a premissa do livro Belas Adormecidas (Sleeping Beauties), escrito por Stephen King e seu filho, Owen King, publicado no Brasil pela editora Suma, em 2017, com tradução de Regiane Winarski

Compre o livro Belas Adormecidas (Stephen King e Owen King): https://amzn.to/3qkUnwn

De forma misteriosa, mulheres de toda parte estão adormecendo e seus rostos se cobrindo por uma espécie de casulo, que quando rompido, pode levá-las a atacar violentamente quem estiver por perto. Para alguns, o fenômeno é visto como um sono; para outros, é como a morte. 

“Para dormir e sonhar com mundos diferentes. As filhas meninas se juntaram a elas nesses sonhos. Os filhos meninos, não. O sonho não era para eles” – Stephen King e Owen King, Belas Adormecidas 

Ciência ou sobrenatural? Doença ou maldição? Uma série de questões é levantada conforme o fenômeno vai se espalhando de Dooling, nos Estados Unidos, para o resto do mundo, e uma mulher, Evie parece ter a resposta e ser imune ao que eles denominaram de Aurora.

Não é novidade que Stephen King gosta de explorar o lado sombrio do ser humano em suas narrativas. Nesses tempos de pandemia, Belas Adormecidas nos faz pensar sobre a sobrecarga que atinge mulheres e como o caos seria ainda maior sem elas: um lembrete de como os desequilíbrios e desigualdades sociais podem intensificar os problemas nos tempos de crises humanitárias.

“Aquele mundo era muito melhor do que o antigo, comandado por homens. Ninguém gritava com ela ali e ninguém gritava com Nana. Ninguém as tratava como cidadãs se segunda classe. Aquele era um mundo em que uma garotinha podia voltar andando para casa sozinha, mesmo depois de escurecer, e se sentir segura” – Stephen King e Owen King, Belas Adormecidas 

Embora seja um livro de fantasia, Belas Adormecidas está repleto de realismo e críticas à sociedade norte-americana e ao patriarcalismo. Stephen King e Owen King apertam a ferida da ampla circulação de armas nos Estados Unidos (tema recorrente nas narrativas e pronunciamentos públicos do Stephen King), além de mostrar como a cultura misógina pode destruir vidas inocentes.

Os autores não poupam das descrições dos personagens, para que o leitor possa entender um pouco sobre suas motivações e comportamentos. Entre o desespero irracional e a violência dominante, as críticas e reflexões levam a uma reviravolta capaz de mudar o rumo do planeta. Quem nunca imaginou como seria a vida atual se os valores ensinados fossem outros?

“Garotos crescem e viram homens. E são os homens que fazem todas as besteiras. São eles que derramam sangue e envenenam a Terra” – Stephen King e Owen King, Belas Adormecidas 

Dormir para sonhar com um mundo melhor, descansar os ossos, ignorar a realidade, nunca mais acordar ou, quem sabe, morrer… Entre os desejos banais e idealistas, Stephen King e Owen King escreveram um romance de fantasia envolvente sobre como a falta de inteligência emocional e de compaixão pode fazer com que uma tragédia leve a outras tragédias. 

Mais uma vez, King ressoa a mensagem de que o ser humano decadente pode ser tão assustador quanto qualquer fenômeno e/ou criatura sobrenaturais. Um romance sobre dormir e despertar.

Sobre os autores:

Stephen King – é autor de mais de cinquenta livros best-sellers no mundo. Em 2003, King recebeu a medalha de Eminente Contribuição às Letras Americanas da National Book Foundation e, em 2007, foi nomeado Grão-mestre dos Escritores de Mistério dos Estados Unidos. Ele mora em Bangor, no Maine, com a esposa, a escritora Tabitha King.

Owen King – É autor dos romances Double Feature e We’re All in This Together: A Novella and Stories. Também é coautor de Intro to Alien Invasion e coeditor de Who Can Save Us Now? Brand New Superheroes and Their Amazing (Short) Stories. Ele mora em Rhinebeck, Nova York, com a esposa, a escritora Kelly Braffet, e a filha.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana