Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jornalismo e Ativismo Social: Uma Tríade Maquiavélica, Subjetiva e Tosca – Ben Oliveira

Uma coisa que precisa ser dita sobre Ciências Humanas e Criminologia . Vocês distorcem quase tudo com subjetividade. Nem todo assassinato de LGBTQ é LGBTQFOBIA , racismo etc etc. Estudem mais e passem menos vergonha na internet por ativismo burro.  Já falei e repito: quem define a motivação do crime é o assassino. Quem descobre? Quem está investigando. Não é a 'opinião' da sociedade nem todos mimimis que muita gente leva nas costas, como se fosse a vida deles, e sempre sofrem, sofrem e sofrem. Iluminação significa enxergar as coisas com clareza. Equilibrar ciência e magia, yin-yang, wicca e yoga. Mas muitos de vocês não estão e nunca estarão prontos para essa conversa. É triste? Mas real.  Se for para fazer ativismo burro é melhor não fazer, pois presta desserviço à sociedade e pânico desnecessário. Para quem é jornalista, responsabilidade SEMPRE. Vida profissional e vida pessoal, identidade pessoal e coletiva, justiça pessoal e coletiva, coisas completamente diferentes. Eu po

3 Trechos de O Livro: Os Bruxos de São Cipriano – Ben Oliveira

Trechos do meu segundo livro da série Os Bruxos de São Cipriano: O Livro, disponível na Amazon em eBook e paperback.

Encontre meus livros e contos disponíveis na Amazon: https://amzn.to/3Lx3G78

– Agora eu entendo porque você gostava daquele seu ex-namorado inútil. É uma pena que não tenha dado certo entre vocês...

– Chega. Você está querendo me machucar. Eu já entendi que você se sente traída, mas não há nada que eu possa fazer. O que está feito não pode ser mudado. Sim, eu sou uma bruxa, assim como Hortênsia era. Eu não escolhi isso para mim. Não escolhi a responsabilidade de ter que lidar com pessoas fissuradas pelo poder...

Amanda abriu um sorriso que Jess não conseguia interpretar. Ela tentou se conectar com a energia da mãe e ter alguma visão sobre o que ela estava aprontando, mas era como se estivesse bloqueada.

***

– Todos queremos paz. É uma pena que seja tão transitória. – Jess se voltou para o namorado. – Você acha que eu estou diferente? Seja sincero.

– Diferente? Seja mais específica. Todos nós mudamos diariamente.

– Manu... – Ela segurou o rosto dele. – Você já teve a sensação de que não importa o quanto você deseje que as coisas melhorem, no fundo você sabe que tudo é tão incerto? Às vezes, eu paro para pensar e sinto que minha vida seria completamente diferente se eu tivesse nascido em outro lugar.

– Todos teríamos, mas também não seríamos as mesmas pessoas. Não teríamos nos conhecido.

– Não saberíamos que a magia é real e poderíamos dormir tranquilos.

– Será? Não vejo muita vantagem em não ter magia. Nem sempre a ignorância é uma benção. Se temos essa conexão a nosso favor, por que não usá-la.

Manu não gostava daquele tom de Jess. Era como se parte dela estivesse se rendendo.

***

Gradualmente, o céu começou a ficar escuro, conforme a sombra se movia lentamente pela lua. Babi olhou para os amigos e tudo o que ela conseguia pensar era em como a lua servia como uma metáfora para diferentes momentos de suas vidas. Havia tempo para revelar e tempo para ocultar.

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo e bruxo há 25 anos. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários