Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Telejornalismo

O trabalho interdisciplinar da primeira fase de jornalismo da faculdade neste semestre, será uma entrevista com um telejornalista. Pensando nisso, abaixo segue um pouco do embasamento teórico utilizado e alguns links sobre entrevista e telejornalismo que podem contribuir para outros estudantes do curso ou interessados.

O telejornalismo é o segmento jornalístico atuante na televisão. Diferente do rádiojornalismo que caracteriza-se por um forte apelo auditivo e do jornalismo impresso que possui apelo intelectual, este segmento apresenta um misto de todos, tendendo a ser mais popular entre o público em virtude de sua complexidade sensorial que une som, imagem e intelecto em apenas um texto.

Para Barbeiro e Lima (2002), o fato de o tempo ser escasso na sociedade atual, além do analfabetismo e iletrismo, confere ao telejornalista a função de informar as pessoas através de uma linguagem acessível, enxuta e atrativa. O telejornalista deve transmitir uma mensagem que atinja a maior parte da audiência.
“A notícia na televisão deve ser mostrada da forma mais objetiva e compreensível possível. Mas a melhor das edições pode não alcançar seu intento se for apresentada de forma monótona, vazia ou sem criatividade”. (SQUIRRA, 2004, p. 98).

“O telejornalismo já não é o mesmo na sociedade informacional, e o jornalista tem que se preparar para uma nova época em construção e não em extinção”. (BARBEIRO; LIMA, 2002, p. 39).
“Por ser impossível voltar atrás e rever a informação, como permite o jornalismo impresso, a notícia em televisão deve ser entendida imediatamente, objetivo que só se concretiza graças à utilização de uma linguagem coloquial”. (REZENDE, 2000, p. 93).

“A objetividade do telejornalismo indica que o processo de aprofundamento das questões poderá ser mais bem abordado pelo jornalismo impresso, ou ainda, o que é mais difícil, com o interesse do leitor em pesquisar o assunto”. (SQUIRRA, 2004, p. 64).

Para Barbeiro e Lima (2002, p. 95), “O texto do telejornal tem uma estrutura de movimento, instantaneidade, testemunhalidade, indivisibilidade de imagem e som, sintetização e objetividade”
De acordo com Rezende (2000), o telejornalismo sofre demasiadamente em decorrência da compressão lingüística, já que pressionados pelo tempo (principalmente no horário nobre), são forçados a cada vez mais compactar as notícias.

De acordo com Squirra (2004, p. 84), “A produção da reportagem para o telejornalismo requer muita atenção, pesquisa, checagem, além de muito profissionalismo da parte de todos os envolvidos no processo”.

Referências:

BARBEIRO, Heródoto; LIMA, Paulo Rodolfo de. Manual de telejornalismo: os segredos da notícia na TV. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

REZENDE, Guilherme Jorge de. Telejornalismo no Brasil: um perfil editorial. São Paulo: Summus, 2000.

SQUIRRA, Sebastião Carlos de Morais. Aprender telejornalismo: produção e técnica. São Paulo: Brasiliense, 2004.


Recomendações de livros sobre entrevista e telejornalismo:

TRAMONTINA, Carlos. Entrevista: a arte e as histórias dos maiores entrevistadores da televisão brasileira. São Paulo: Globo, 1996. 215 p.

MEDINA, Cremilda de Araújo. Entrevista: o diálogo possível. São Paulo: Ática, 2000. 96 p.
GARRETT, Annette. Entrevista, seus princípios e métodos. Tradução Maria de Mesquita Sampaio. Rio de Janeiro: Agir, 1991. 239 p.

YORKE, Ivor. Jornalismo diante das câmeras. São Paulo: Summus, c1998. 201 p. il.

Os três livros acima também são ótimos...



Links interessantes:
 
Entrevista: 100 Dicas para melhorar sua prática (Curso Abril de Jornalismo)
Técnicas de entrevista
Vídeo-reportagem e documentário: qual é a diferença?


Comentários

Mais lidas da semana