Pular para o conteúdo principal

Destaques

12 Graphic Novels que você precisa ler

Começou como uma forma de experimentação na leitura. Apesar de gostar de tirinhas, nunca tinha me aventurado pelo universo das graphic novels, como aconteceu há alguns anos – pelo menos, não de forma que me interessasse.

Percebo que cada vez mais pessoas estão se interessando pelos diferentes formatos de narrativas. Acho válida toda forma de contação de histórias e acredito que elas podem criar experiências complementares. Há espaço para todos gostos.


Com doze indicações de leitura, dá para ler um livro por mês ou ler todos em um só mês, dependendo do ritmo de leitura e da fome por histórias de cada um. Entre temáticas mais sociais e outras mais fantasiosas, as graphic novels podem ser uma porta de entrada para outros livros, como podem ocupar um espaço central no coração de quem é aficionado por histórias ilustradas.

Histórias que podem ir muito além de um passa-tempo, como se acreditava antigamente, mas também proporcionar reflexões sobre a vida, juntando o melhor dos dois mundos: d…

Telejornalismo Brasileiro

Confira abaixo algumas informações sobre o telejornalismo brasileiro. O seguinte texto foi escrito com referência no artigo de Jaciara Novaes Mello, "Telejornalismo no Brasil".

De acordo com a autora, nos anos da década de 1950 a história do jornalismo brasileiro se confunde com a chegada da televisão no Brasil, que começou suas transmissões em 18 de setembro de 1950.

O jornalista Assis Chateuabriand, criador da TV Tupi, transmitiu o primeiro telejornal do Brasil "Imagens do dia" um dia depois da inauguração da PRF-3/TV Tupi, Canal 3 de São Paulo. O telejornal comandado por Maurício Loureiro Gama mostrava imagens brutas dos acontecimentos do dia e durava o tempo necessário para a transmissão de todos os fatos e imagens.

"Daquela data até hoje, o telejornalismo foi conquistando o público brasileiro e se adequando às novas tecnologias e às necessidades do público-alvo".

No seu início, o telejornal tinha uma linguagem próxima à do rádio. Atualmente, o telejornalismo brasileiro segue o modelo americano, "jornalismo 'clean', asséptico, onde os mitos da imparcialidade e da objetividades são defendidos como verdades inabaláveis".

Mello fala sobre a importância da chegada da internet em 1990, "permitiu que os programas telejornalísticos disponibilizassem, aos poucos o conteúdo diário dos telejornais em suas páginas na rede. Essa ação contribuiu para o aumento do fluxo de informações entre o público".

Repórter Esso

Foi considerado o marco do telejornal na história da televisão brasileira. O telejornal em seu início apresentava as notícias no formato do programa de rádio e por 18 anos foi referência para os telejornais implantados em outras emissoras.


Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana