Pular para o conteúdo principal

Destaques

Espectro Autista: Reflexão sobre conscientização do autismo

Vez ou outra eu recebo mensagens de pessoas pedindo ajuda sobre como trazer mais conscientização em lugares nos quais pouco se sabe sobre autismo. Nem toda cidade tem especialista em autismo, isso é um fato que todo mundo que já precisou de um, sabe como é. Minha dica é: compre/arrecade livros ATUALIZADOS sobre o assunto e/ou livros de ficção (com personagens autistas) e/ou livros escritos por autistas. Recomendo firmemente a literatura, já que a leitura trabalha a empatia e fica mais fácil dos neurotípicos entenderem como é estar 'na nossa pele', mesmo que por alguns minutos.


Não vai dar livro desatualizado, que é um desserviço. Já tem muita desinformação no Brasil. Eu poderia fazer uma lista sobre todos absurdos que leio, mas não vou.

Enfim, não dá para fugir da leitura. Infelizmente, muitos conteúdos brasileiros estão defasados, outros logo vão estar por causa das alterações do CID11 do Espectro Autista [só entra em vigor em 2022]. Tem muita coisa boa produzida pela comunid…

Telejornalismo Brasileiro

Confira abaixo algumas informações sobre o telejornalismo brasileiro. O seguinte texto foi escrito com referência no artigo de Jaciara Novaes Mello, "Telejornalismo no Brasil".

De acordo com a autora, nos anos da década de 1950 a história do jornalismo brasileiro se confunde com a chegada da televisão no Brasil, que começou suas transmissões em 18 de setembro de 1950.

O jornalista Assis Chateuabriand, criador da TV Tupi, transmitiu o primeiro telejornal do Brasil "Imagens do dia" um dia depois da inauguração da PRF-3/TV Tupi, Canal 3 de São Paulo. O telejornal comandado por Maurício Loureiro Gama mostrava imagens brutas dos acontecimentos do dia e durava o tempo necessário para a transmissão de todos os fatos e imagens.

"Daquela data até hoje, o telejornalismo foi conquistando o público brasileiro e se adequando às novas tecnologias e às necessidades do público-alvo".

No seu início, o telejornal tinha uma linguagem próxima à do rádio. Atualmente, o telejornalismo brasileiro segue o modelo americano, "jornalismo 'clean', asséptico, onde os mitos da imparcialidade e da objetividades são defendidos como verdades inabaláveis".

Mello fala sobre a importância da chegada da internet em 1990, "permitiu que os programas telejornalísticos disponibilizassem, aos poucos o conteúdo diário dos telejornais em suas páginas na rede. Essa ação contribuiu para o aumento do fluxo de informações entre o público".

Repórter Esso

Foi considerado o marco do telejornal na história da televisão brasileira. O telejornal em seu início apresentava as notícias no formato do programa de rádio e por 18 anos foi referência para os telejornais implantados em outras emissoras.


Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana