Pular para o conteúdo principal

Destaques

Rede Sombria: Documentários sobre o lado tenebroso da tecnologia

Tecnologia, poder e controle. Se você gosta de Black Mirror e outras histórias de ficção científica, sem dúvidas vai se interessar pela série de documentários Rede Sombria (Dark Net), criada por Mati Kochavi para o canal Showtime, disponível no momento no catálogo da Netflix Brasil.


A série de duas temporadas e um total de 16 episódios aborda diferentes maneiras que a tecnologia foi/será incorporada no nosso dia a dia e quais são/serão seus impactos positivos e negativos e o lado sombrio do universo digital.

Privacidade, polarização, redes sociais, reconhecimento facial, inteligência artificial, relacionamentos virtuais, biohackeamento, crimes cibernéticos, moderadores de conteúdos da internet, abusos policiais, lavagem cerebral, segurança, realidade virtual, entre outros assuntos são discutidos em Rede Sombria.

Ao mesmo tempo em que a internet e a tecnologia podem ser ótimas ferramentas, nas mãos de pessoas mal-intencionadas muitas questões éticas e criminais ainda devem ser discutid…

Pesquisadora fala sobre Ciberjornalismo & Web Semântica

Ciberjornalismo e Web Semântica foram o tema da palestra da pesquisadora e jornalista Daniela Bertocchi, no dia 20 de agosto, no 2º Seminário de Ciberjornalismo de MS. Bertocchi que esteve pela primeira vez em Campo Grande (MS), é doutoranda em Ciências da Comunicação, pesquisadora das tecnologias semânticas e ministra aulas para cursos de graduação e pós-graduação.

Bertocchi explicou que para que se possa entender a Web Semântica, é necessário que se tenha conhecimento sobre a ‘Web 1.0’ e ‘Web 2.0’, porém ela ressalta que essas nomenclaturas foram criadas para identificação, “Não existe web semântica. Existe web”.

O termo Web Semântica foi criado em um artigo escrito em 2001 por Tim Berners-Lee, James Hender, Ora Lassila, nomeado 'The Semantic Web'. De acordo com a pesquisadora, neste artigo os autores dão vários exemplos de como a rede pode ser usada ao nosso favor.

"A Web Semântica vai funcionar como uma realidade aumentada, potencializando a informação", alega Bertocchi. O início da web teve como preocupações a questão do acervo e da partilha, hoje, para a pesquisadora, o problema está na forma de organização das informações.

Um exemplo citado pela palestrante sobre Web Semântica é o botão 'I Like it' (Curtir) do Facebook, em que você está disponibilizando informações sobre o que você gosta para a rede.

Em referência ao ciberjornalismo, Bertocchi diz que a Web Semântica começa a mudar a forma que o jornalista faz notícias e cita como exemplo o caso do The Wall Street Journal, onde o jornalista não precisa recorrer a memória dele para relacionar os seus artigos com termos encontrados dentro do texto. Esta informação complementar é trazida para o leitor através de um sistema de base de dados feitos pela lógica da semântica.

Comentários

Mais lidas da semana