Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Flores para Algernon – Daniel Keyes

Nossas percepções do mundo são moldadas por nossas habilidades cognitivas, o que, muitas vezes, também formam a visão que os outros têm de nós, especialmente em sociedades em que as pessoas têm dificuldade de ter empatia e respeito por pessoas diferentes. No livro Flores para Algernon (Flowers for Algernon), o escritor Daniel Keyes narra a história de Charlie, um rapaz com deficiência intelectual grave (no livro descrito como retardo mental) que é convidado a participar de uma cirurgia capaz de aumentar seu quociente de inteligência. No Brasil, a obra foi publicada pela Editora Aleph, em 2018, com tradução de Luisa Geisler.


Compre o livro Flores para Algernon (Daniel Keyes): https://amzn.to/2K4J7AR

Flores para Algernon é uma leitura desconfortável, já que à medida que o personagem principal toma consciência da maneira que ele é tratado pelos outros, é difícil não sentir sua dor e refletir sobre como o preconceito e a discriminação estão enraizados na sociedade.

Quem você se torna quand…

Pesquisadora fala sobre Ciberjornalismo & Web Semântica

Ciberjornalismo e Web Semântica foram o tema da palestra da pesquisadora e jornalista Daniela Bertocchi, no dia 20 de agosto, no 2º Seminário de Ciberjornalismo de MS. Bertocchi que esteve pela primeira vez em Campo Grande (MS), é doutoranda em Ciências da Comunicação, pesquisadora das tecnologias semânticas e ministra aulas para cursos de graduação e pós-graduação.

Bertocchi explicou que para que se possa entender a Web Semântica, é necessário que se tenha conhecimento sobre a ‘Web 1.0’ e ‘Web 2.0’, porém ela ressalta que essas nomenclaturas foram criadas para identificação, “Não existe web semântica. Existe web”.

O termo Web Semântica foi criado em um artigo escrito em 2001 por Tim Berners-Lee, James Hender, Ora Lassila, nomeado 'The Semantic Web'. De acordo com a pesquisadora, neste artigo os autores dão vários exemplos de como a rede pode ser usada ao nosso favor.

"A Web Semântica vai funcionar como uma realidade aumentada, potencializando a informação", alega Bertocchi. O início da web teve como preocupações a questão do acervo e da partilha, hoje, para a pesquisadora, o problema está na forma de organização das informações.

Um exemplo citado pela palestrante sobre Web Semântica é o botão 'I Like it' (Curtir) do Facebook, em que você está disponibilizando informações sobre o que você gosta para a rede.

Em referência ao ciberjornalismo, Bertocchi diz que a Web Semântica começa a mudar a forma que o jornalista faz notícias e cita como exemplo o caso do The Wall Street Journal, onde o jornalista não precisa recorrer a memória dele para relacionar os seus artigos com termos encontrados dentro do texto. Esta informação complementar é trazida para o leitor através de um sistema de base de dados feitos pela lógica da semântica.

Comentários

Mais lidas da semana