Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: O dever de combater o charlatanismo como autista, escritor e jornalista

Admiro artistas que se posicionam. Admiro pessoas que não ficam em silêncio quando vêem coisas erradas acontecendo. Neste mês, aproveitando o embalo da conscientização, estou fazendo campanha contra o charlatanismo e tratamentos falsos de autismo (Mais de 8).


Mesmo sem muito apoio, sigo em frente. E ao mesmo tempo, colegas estão fazendo campanha para acabar com o MMS no Brasil – um produto corrosivo e proibido que muitos pais de autistas usam neles achando que vão curá-los e pode matar.

Eu poderia ficar omisso, afinal, sou Asperger com Altas Habilidades, tive diagnóstico só aos 29 anos e sei como me camuflar – do espectro autista inteiro, faço parte daqueles que estão mais próximos do que é ser um neurotípico (não-autista) aos olhos de quem não entende do assunto e dizem frases como 'não parece autista', mas me nego a ficar calado vendo tanta coisa errada acontecendo.

É o mínimo que posso fazer como escritor, jornalista e pessoa no espectro autista; usar minha voz para ajudar …

Editora-executiva do Portal Imprensa fala sobre tendências do jornalismo digital

Nesta terça-feira (19) aconteceu na Universidade Anhanguera-Uniderp o Encontro de Comunicação de Mato Grosso do Sul (ECOM MS). A jornalista e editora-executiva do Portal Imprensa Thaís Naldoni ministrou a palestra com o tema: "Tendências do jornalismo digital e aplicação de redes sociais".

Segundo a jornalista, as características que o profissional de jornalismo online e novas mídias deve ter são: rapidez em apuração e textos; capacidade de organização textual; texto direto, informativo, sem "firulas"; saber ler e escrever em português; ter boas noções gramaticais; capacidade de atuar sob pressão.

A editora-executiva do Portal Imprensa também falou sobre a "farra do copiar e colar", o que ela considera como um pecado do jornalismo online. Ela ressalta alguns pontos: Copiar uma informação de um site pode implicar quebra de direito autoral; Esta prática dissemina pela rede e causa problemas graves de repetição de erros e de conteúdo; Repetir uma informação pode padronizar e tornar uma matéria jornalística totalmente sem sabor".

Thaís Naldoni falou sobre as barrigas (informações mal apuradas), portais de notícias que copiam e colam as notícias sem apurar e explica que o assunto deve ser tratado com seriedade. Ela lamenta que muitos sites apaguem o conteúdo, ao invés de colocarem uma errata e relembra um caso acontecido com o colunista do Portal Imprensa, Wilson da Costa Bueno, que teve sua foto divulgada em notícia da morte de um escritor homônimo. Notícias mal apuradas podem causar uma série de prejuízos às pessoas, inclusive emocionais.

Muitos portais, para atrair audiência, publicam notícias sobre celebridades, mundo animal, pseudo ciência. Naldoni conta que como consequência, o leitor é "idiotizado". "Se nós oferecermos isso como conteúdo, o leitor não agrega informação. Precisamos viver comercialmente, mas não podemos esquecer da informação. O jornalista tem que ser responsável por ela".

"Vocês têm que tomar cuidado com o que escrevem, o texto deve ter concisão. Não só na internet, como em qualquer outro veículo, é importante que a gente seja reto na informação", argumenta a jornalista.

Comentários

Mais lidas da semana