terça-feira, 9 de novembro de 2010

Papos na Rede abordou perfil político online e construção de rede social

Nesta terça-feira (9) aconteceu mais uma edição do Papos Na Rede, o bate-papo digital abordou dois temas: "Construindo uma rede social especializada" e "A criação e manutenção de perfis políticos online: uma experiência prática" debatidos pelos dois profissionais respectivamente: @TomNovaes e @NinocaSan.

Debatedores

Antonio W. Novaes é formado em Comunicação Social, especializado em Publicidade, atua há 23 anos em agências de propaganda e marketing. Com formação complementar em design gráfico e formado em um curso técnico pelo SENAI de artes gráficas, ele é sócio e fundador da @Primmera Digital, idealizador do @MyBlook e Diretor de Brand Experience pelo @JazzmastersClub.

Nina Santos é recém-formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Bahia, trabalhou no último ano com assessoria de imprensa e rede social em política. Atualmente, trabalha como freelancer em Salvador e participa do Grupo de Pesquisa em Comunicação, Internet e Democracia. Apresentou recentemente um artigo sobre monitoramento político, "Monitoramento Online e Vigilância nas Eleições 2010", junto com Tarcízio Silva (@tarushijio).

Perfis políticos online

Nina comenta que em relação à política online não se deve tratar todos os públicos de forma igual, existe uma série de segmentações. "Existe aquele público que você pode disparar as mensagens e saber que, com certeza, você tem o apoio dele; O público que apoia, mas não está disposto a despender energia em ajudar na campanha. Este é um público que se você mandar mais de um e-mail por semana ele fica incomodado; O público que é potencialmente eleitor, que deve ser convencido de fazer tal voto".

A jornalista explica que para uma campanha política nas redes sociais não ser comparada com spam é necessário conhecer os públicos e saber como lidar com cada um deles.

Sobre os militantes, ela argumenta que uma parte essencial em qualquer campanha é de orientação aos militantes. "É impossível fazer uma campanha online só com a assessoria. Não tem como você fazer uma campanha online totalmente centralizada". Nina explica conta que teve bastante dificuldade em fazer isso porque o público-alvo da vereadora com quem ela trabalhou tem pouco acesso à internet.

"O twitter traz muitas possibilidades, mas eu acho que deve ser unido a outras redes", finaliza.

Rede social especializada

Antonio Novaes falou sobre a sua agência chamada Primmera e sobre os planos de integração do programa de rádio Jazzmasters com uma plataforma digital. O Jazzmasters que existe há 6 anos na Rádio Eldorado e é retransmitido por mais de 14 emissoras no país, conta a história do Jazz e toca músicas dos seguintes estilos musicais: Jazz e Black Music. A rede social JazzMastersClub, um trabalho bem complicado que envolve assesoria de imprensa e relações públicas, deve entrar em atividade somente em 2011.

O publicitário conta que o trabalho de construção e resgate de conteúdos para poder levar às redes está começando agora. "O JazzMasters está aguardando um novo site que tem formato de portal, o site que está no ar permite aos ouvintes ter acesso aos programas que já foi gravado. O portal vai trazer: matérias, agenda de shows, eventos, festivais (inclusive os que o JazzMasters deve participar), promoções. O programa conta com perfil no twitter, página no Facebook e Tumblr. O trabalho está bem básico, porque as equipes ainda estão sendo formadas".

"Estamos construindo um histórico do programa para poder preencher as informações que podem ser levadas para a internet. Atingir aos ouvintes e usuários da rede, para que se possa abrir um espaço para ouvir o que eles querem", acrescenta.

Novaes diz que 10 seguidores que se interessam pelo assunto é muito mais importante do que falar com mil seguidores aleatórios. "Nós sabemos que tem que haver um trabalho específico para cada uma das redes sociais", ressalta.

O publicitário Tom Novaes explica a diferença entre os termos 'offline' e 'online'. "Quando nós falamos em offline são todas as ações que não tem uma conexão digital. Este termo não existia antes de aparecer a internet, foi uma maneira que as agências conseguiram diferenciar o que era 'off' e o que era 'online'".

Sobre o mercado da música, o mercadólogo, produtor de conteúdo, revisor e editor web Newton Alexandria argumenta: "as redes de nicho têm que fazer uso intensivo das outras mídias sociais, vídeos em portais de vídeos, como o youtube, flickr, orkut, facebook, blogs relacionados, last.fm. O contéudo é de nicho, a disseminação não. Muitos cantores já disponibilizam o cd grátis, o lucro é com os shows".

Links

Blog da Primmera
Cartilha de Orientações aos Militantes do Wellington no Orkut 
O dia em que o twitter falou português
Não é só um avantar: Imagem e Reputação nas Mídias Sociais
Eleitor 2010


Um comentário:

  1. Sensacional, Ben!

    Parabéns pelo post e pela agilidade. O primeiro artigo sobre o primeiro #paposnarede com os Autores do ebook #MidiasSociais.

    Toda terça, até 14/12, teremos a presença de debatedores sobre mídias sociais: perspectivas, tendências, reflexões e muito mais!

    Valeu, garoooto!!
    Abraço.
    @TomNovaes

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários Recentes

Me acompanhe no Instagram