Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Resenha: A Cama Redonda de Maria Beatriz: Fantasias e Fetiches – Chantal Dalmass

"A Cama Redonda de Maria Beatriz: Fantasias e Fetiches" (Ed. Planeta do Brasil, 2005), livro de Maria Beatriz Soares, heterônimo de Chantal Dalmass, contém textos publicados pela autora no período de 2000 a 2003 na coluna Sexo da Revista VIP, da editora Abril.

A autora do livro fala um pouco sobre sua vida nas primeiras páginas. Paulista e advogada, Chantal é formada em direito pela USP, porém deixou de atuar na área para tornar-se escritora. Ela começou a escrever como colunista da Revista VIP e da Revista Placar. Atualmente, é dona do site Cama Redonda, onde mantém um diário, imagens, textos e contos, poesias, e outros assuntos eróticos, e do seu blog http://chantaldalmass.zip.net/, em que são tratados diversos assuntos, especialmente a doação de seus livros que seriam queimados pela editora (leia mais) "Algum tempo a serviço da lei. Todo o tempo, fora-da-lei", descreve-se Chantal.

Sem pudores, Bia narra suas fantasias de forma simples e provocante. A autora sussurra e geme ao pé do ouvido do leitor, convidando este para subir em sua cama e imaginar os mais variados fetiches, manias e fantasias eróticas. A exposição de seus contos é tal qual a forma que esta mulher explora o seu corpo em busca pelo prazer.

Um lugar entre o céu e o inferno, é onde Bia se encontra quando está realizando suas fantasias. Sua fantasia preferida? "É ser apenas um corpo de mulher amado por muitos homens". Com uma série de amantes favoritos, de diversas profissões diferentes, Maria Beatriz diz que estes homens fazem com que ela acredite que vive no paraíso dos prazeres sem pecado, sem culpa, sem castigo. Alguns homens ‘sem rosto’ e ‘sem nome’, para ela, não importa...

A obra está dividida em três partes: na primeira, “Eu & eles”, Maria Beatriz conta suas fantasias sexuais e preferências; Em “Para eles & elas”, a autora dá algumas dicas sobre fantasias eróticas para homens e mulheres e como colocar em prática; A última parte do livro “Eles & elas” traz situações que aconteceram com outras pessoas.

O livro pode desagradar aos leitores mais recatados. A autora certamente não trata sexo como um tabu, mas infelizmente (ou felizmente) muita gente ainda trata. Nesta mistura de imaginação e realidade, alguns dos contos de Chantal Dalmass impressiona pela sua excentricidade e busca incessante pelo êxtase sexual. Chocolates, drogas ou álcool? Nenhuma das opções anteriores: o vício favorito de Maria Beatriz é o sexo.

Comentários

  1. Um certo professor me ensinou a começar a ler o livro pela capa. E a iconografia da capa deste livro remete a uma semiótica altamente sugestiva!
    Aconselho os leitores do post a voltar e "ler" a capa novamente.... Algo de subliminar, algo de interpretativo, algo de imaginativo!
    Enjoy!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana