Pular para o conteúdo principal

Destaques

Subdiagnóstico de autismo, números e incoerências

O brasileiro é muito individualista. Ao mesmo tempo que vejo pessoas reclamando que os números do Censo vão dar abaixo por causa dos subdiagnósticos de autismo, já vi muita gente acusando pessoas com laudo fingirem que eram autistas.


Como explicar a volatilidade? Nem tento entender o que se passa na mente do brasileiro.

Os discursos são sempre contraditórios. Por causa de polarização, todo mundo sai perdendo.

Já vi até gente dizendo que o laudo é só um papel. Se é só um papel, a pessoa, então, não precisa de um diagnóstico? Logo, por que ser contabilizada? Sejam mais coerentes nos discursos.

Incoerências dos brasileiros sobre subdiagnósticos:

– Já vi gente acusando autista de fingir, mesmo a pessoa tendo laudo;

– Já vi gente se posicionando contra diagnóstico precoce, achando que seria ruim, desconhecendo a questão da plasticidade cerebral;

– Já vi gente dizendo que autismo nem deveria ter CID;

– Já vi gente dizendo que o outro não é autista, só porque sabe argumentar e é diferente do …

Uso das Mídias Sociais pelos anunciantes regionais como ferramenta de comunicação

"Redes e Mídias Sociais na internet como ferramenta de comunicação para anunciantes regionais" é o tema do trabalho de conclusão de curso de Carolina Becker e Jenifer Mendes, formandas na Universidade Comunitária da Região de Chapecó (SC) em Comunicação Social com habilitação em publicidade e propaganda. Apresentado em maio de 2010, o estudo aborda as redes sociais e como as empresas regionais podem utilizá-las para melhorar a comunicação.

As autoras do trabalho falam que algumas vezes os anunciantes esquecem-se do relacionamento e da produção de conteúdo junto aos demais usuários e utilizam apenas a comunicação na internet para os websites, deixando de lado as ferramentas de mídias sociais e a análise sobre o que se fala sobre a marca no ambiente virtual.

De acordo com Becker e Mendes, nas cidades do interior, como por exemplo na referenciada na pesquisa, Chapecó (SC), devido a falta de informação pouco sabe-se sobre a utilização das redes sociais como ferramenta de comunicação para as empresas.

Apesar do sucesso das redes sociais entre os brasileiros, as publicitárias explicam que devido a falta de estudos com aplicação regional, a publicidade regional ainda é estereotipada em relação à publicidade na internet. "É necessário perceber que as Redes Sociais funcionam de uma maneira onde as pessoas se tornam responsáveis pela propaganda feita nesse meio. Nas Redes Sociais as mídias são as pessoas e o valor é o capital social. O capital social é produzido quando as pessoas estão falando sobre o produto e/ou serviço", ensinam.

Para as autoras do trabalho, os anunciantes regionais ainda não utilizam o potencial das redes sociais, como os grandes anunciantes globais. "A participação das empresas regionais em redes sociais é pequena e pouco utilizada como forma de relacionamento com seus públicos", explicam.

Recomendo o trabalho que trata desde a história da internet e da publicidade na internet até os conceitos de redes sociais, mídias sociais e as ferramentas mais populares do momento para comunicação. Além de trazer várias estatísticas sobre o tema e cases de sucesso da utilização das mídias sociais.

Acesse o trabalho

Comentários

  1. Oi!

    Sou jenifer (autora do estudo)
    Só posso agradecer pela postagem e pelo reconhecimento, confesso que não esperava que o estudo tivesse tomado essa importancia e sendo inclusive recomendado.

    Obrigado!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana