Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Entre fofocas e intrigas

Aviso aos bonitos e bonitas que sempre jogam meu nome e dos colegas nos grupos de Facebook e WhatsApp: alguém de vocês sempre solta algo e de um jeito ou de outro, chega até mim.


Minha dica é: quer falar mal? Fala à vontade. Se quiser, eu falo junto. Não tenho vergonha de fazer autocrítica, aliás, recomendo a todos.

Agora, se me difamar e/ou queimar minha reputação, o bicho pega.

Nesta página, não trabalho com indiretas. Só com diretas mesmo.

Já disse que nem todo autista é bonzinho, né? 😈

Dica para os anjinhos e neurotípicos: Arranjem hobbies e outros hiperfocos, ocupem a cabeça com outras coisas que não sejam só esse mundinho de intrigas do autismo.

Um grande filósofo pós-moderno, Benstein Oliveira disse que a fofoca viaja à velocidade da luz e que ela vem de todos cantos e cores do autismo. Nem WhatsApp eu uso, mas as conversas de lá sempre chegam aqui. Por que será, gente?

Formado em Harvard na arte das fofocas chegarem até mim. Parece que sou ímã para embuste.


Para os trolls que…

Construção de uma teoria unificada do jornalismo

Em seu artigo: "Construindo uma teoria do jornalismo" publicado em 2002, o Doutor em Ciências da Informação Jorge Pedro Sousa argumenta sobre a necessidade de se criar uma teoria unificada do jornalismo, assunto que divide a opinião de autores de estudos jornalísticos. Para contribuir, o pesquisador criou um modelo em que duas equações interligadas explicam as notícias e os seus efeitos.

Alguns estudiosos acreditam na existência de conhecimento suficiente para se edificar uma teoria do jornalismo, outros não. O autor do artigo é a favor da criação de uma teoria unificada do jornalismo e caso aconteça alguma contradição da teoria, que esta, eventualmente, seja revista e substituída.

Sousa acredita que uma teoria do jornalismo deve explicar como surge, como se difunde e quais os efeitos que o produto jornalístico (notícia) gera. Ainda de acordo com o autor, ela deve ser breve, clara, universal, traduzível matematicamente e predictiva. "Uma teoria da notícia, como qualquer teoria científica, será válida unicamente enquanto não ocorrerem fenômenos que a contradigam, pois o conhecimento científico, que é construído, como qualquer outro tipo de conhecimento, é marcado pela possibilidade de refutação, e portanto, pela revisibilidade", explica.

De acordo com os resultados de pesquisas realizadas no campo dos estudos jornalísticos, como Sousa (2002), Shoemaker e Resse (1996) e Shudson (1988), Jorge Pedro Sousa percebeu dois pontos sobre as notícias.

"(1) a notícia jornalística é o produto da interacção histórica e presente (sincrética) de forças pessoais, sociais (organizacionais e extraorganizacionais), ideológicas, culturais, históricas e do meio físico e dos dispositivos tecnológicos que intervêm na sua produção e através dos quais são difundidas;

(2) que as notícias têm efeitos cognitivos, afectivos e comportamentais sobre as pessoas e, através delas, sobre as sociedades, as culturas e as civilizações".

O pesquisador transformou os dois pontos acima em duas funções interligadas num sistema:

¹ N = f (Fp.Fso.Fseo.Fi.Fc.Fh.Fmf.Fdt)
² En = f (Nf.Nc.P.Cm.Cf.Cs.Ci.Cc.Ch)

A primeira equação¹ mostra que a notícia é produto de um processo histórico e presente da interação de várias forças (pessoal, social, ideológica, cultural, meio físico em que são fabricadas, dispositivos tecnológicos usados no seu processo de fabrico e difusão, histórica). A segunda equação² evidencia os efeitos de uma notícia (dependem da própria notícia, da pessoa que a consome, das circustâncias que a pessoa a recebe).

No artigo também é possível conferir quais foram as evidências que conduziram ao modelo e o teste do modelo através de exemplos.

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana