Pular para o conteúdo principal

Destaques

Dia de Conscientização do Autismo: Data batida por causa do Coronavírus

Hoje foi dia de conscientização do autismo. Com tantas preocupações sobre o Coronavírus, a data acabou passando batida. Mas para quem apoia a causa, além de usar o mês inteiro para abordar o assunto, a vida se torna uma constante aula de aceitação.



Sempre disse que nunca vestiria os símbolos que não concordo, por motivos internacionais, mas como disse minha psicóloga uma vez, não posso ficar comparando a realidade de outro país com a nossa (embora seja quase impossível pra mim).

Embora muitos autistas não gostem do quebra-cabeça e do laço (me incluo entre eles), prefiro o símbolo do infinito da Neurodiversidade, cheguei a conclusão que é só um estresse a mais e não adianta explicar para as pessoas.

Tal qual a palavra autista foi ressignificada, talvez seja melhor ressignificar do que ficar dando murro na ponta da faca (acertei a expressão?).

Enfim, só para não passar batido, foto com a camiseta que minha mãe pegou para mim em um evento de autismo em Campo Grande (MS).

Quando ganhei, p…

Construção de uma teoria unificada do jornalismo

Em seu artigo: "Construindo uma teoria do jornalismo" publicado em 2002, o Doutor em Ciências da Informação Jorge Pedro Sousa argumenta sobre a necessidade de se criar uma teoria unificada do jornalismo, assunto que divide a opinião de autores de estudos jornalísticos. Para contribuir, o pesquisador criou um modelo em que duas equações interligadas explicam as notícias e os seus efeitos.

Alguns estudiosos acreditam na existência de conhecimento suficiente para se edificar uma teoria do jornalismo, outros não. O autor do artigo é a favor da criação de uma teoria unificada do jornalismo e caso aconteça alguma contradição da teoria, que esta, eventualmente, seja revista e substituída.

Sousa acredita que uma teoria do jornalismo deve explicar como surge, como se difunde e quais os efeitos que o produto jornalístico (notícia) gera. Ainda de acordo com o autor, ela deve ser breve, clara, universal, traduzível matematicamente e predictiva. "Uma teoria da notícia, como qualquer teoria científica, será válida unicamente enquanto não ocorrerem fenômenos que a contradigam, pois o conhecimento científico, que é construído, como qualquer outro tipo de conhecimento, é marcado pela possibilidade de refutação, e portanto, pela revisibilidade", explica.

De acordo com os resultados de pesquisas realizadas no campo dos estudos jornalísticos, como Sousa (2002), Shoemaker e Resse (1996) e Shudson (1988), Jorge Pedro Sousa percebeu dois pontos sobre as notícias.

"(1) a notícia jornalística é o produto da interacção histórica e presente (sincrética) de forças pessoais, sociais (organizacionais e extraorganizacionais), ideológicas, culturais, históricas e do meio físico e dos dispositivos tecnológicos que intervêm na sua produção e através dos quais são difundidas;

(2) que as notícias têm efeitos cognitivos, afectivos e comportamentais sobre as pessoas e, através delas, sobre as sociedades, as culturas e as civilizações".

O pesquisador transformou os dois pontos acima em duas funções interligadas num sistema:

¹ N = f (Fp.Fso.Fseo.Fi.Fc.Fh.Fmf.Fdt)
² En = f (Nf.Nc.P.Cm.Cf.Cs.Ci.Cc.Ch)

A primeira equação¹ mostra que a notícia é produto de um processo histórico e presente da interação de várias forças (pessoal, social, ideológica, cultural, meio físico em que são fabricadas, dispositivos tecnológicos usados no seu processo de fabrico e difusão, histórica). A segunda equação² evidencia os efeitos de uma notícia (dependem da própria notícia, da pessoa que a consome, das circustâncias que a pessoa a recebe).

No artigo também é possível conferir quais foram as evidências que conduziram ao modelo e o teste do modelo através de exemplos.

Acesse o artigo na íntegra

Comentários