Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Os Criadores de Coincidências – Yoav Blum

E se nada fosse mero acaso e operários invisíveis atuassem para gerar mudanças nas vidas das pessoas? Assim é a premissa do livro Os Criadores de Coincidências, do autor Yoav Blum, publicado no Brasil, em 2017, pela Editora Planeta, com tradução de Fal Azevedo.


Compre o livro Os Criadores de Coincidências (Yoav Blum): https://amzn.to/2KNfxBT

O romance narra o trabalho de três criadores de coincidências: Emily, Eric e Guy. Intercalando um pouco das vivências profissionais de cada um deles e das missões que tiveram que cumprir, relacionando com alguns dos seus dilemas pessoais.

“É estranho, pensou ela, como somos capazes de transformar uma coisa específica em algo que passa a guiar toda a nossa vida, e como nos convencemos de que, se não tivermos essa coisa, nada mais vai fazer sentido. E é ainda mais estranho como nos acostumamos rápido ao exato oposto” – Yoav Blum, Os Criadores de Coincidências
Longe de ser uma narrativa linear, o leitor é jogado para várias histórias que se amarram pel…

Construção de uma teoria unificada do jornalismo

Em seu artigo: "Construindo uma teoria do jornalismo" publicado em 2002, o Doutor em Ciências da Informação Jorge Pedro Sousa argumenta sobre a necessidade de se criar uma teoria unificada do jornalismo, assunto que divide a opinião de autores de estudos jornalísticos. Para contribuir, o pesquisador criou um modelo em que duas equações interligadas explicam as notícias e os seus efeitos.

Alguns estudiosos acreditam na existência de conhecimento suficiente para se edificar uma teoria do jornalismo, outros não. O autor do artigo é a favor da criação de uma teoria unificada do jornalismo e caso aconteça alguma contradição da teoria, que esta, eventualmente, seja revista e substituída.

Sousa acredita que uma teoria do jornalismo deve explicar como surge, como se difunde e quais os efeitos que o produto jornalístico (notícia) gera. Ainda de acordo com o autor, ela deve ser breve, clara, universal, traduzível matematicamente e predictiva. "Uma teoria da notícia, como qualquer teoria científica, será válida unicamente enquanto não ocorrerem fenômenos que a contradigam, pois o conhecimento científico, que é construído, como qualquer outro tipo de conhecimento, é marcado pela possibilidade de refutação, e portanto, pela revisibilidade", explica.

De acordo com os resultados de pesquisas realizadas no campo dos estudos jornalísticos, como Sousa (2002), Shoemaker e Resse (1996) e Shudson (1988), Jorge Pedro Sousa percebeu dois pontos sobre as notícias.

"(1) a notícia jornalística é o produto da interacção histórica e presente (sincrética) de forças pessoais, sociais (organizacionais e extraorganizacionais), ideológicas, culturais, históricas e do meio físico e dos dispositivos tecnológicos que intervêm na sua produção e através dos quais são difundidas;

(2) que as notícias têm efeitos cognitivos, afectivos e comportamentais sobre as pessoas e, através delas, sobre as sociedades, as culturas e as civilizações".

O pesquisador transformou os dois pontos acima em duas funções interligadas num sistema:

¹ N = f (Fp.Fso.Fseo.Fi.Fc.Fh.Fmf.Fdt)
² En = f (Nf.Nc.P.Cm.Cf.Cs.Ci.Cc.Ch)

A primeira equação¹ mostra que a notícia é produto de um processo histórico e presente da interação de várias forças (pessoal, social, ideológica, cultural, meio físico em que são fabricadas, dispositivos tecnológicos usados no seu processo de fabrico e difusão, histórica). A segunda equação² evidencia os efeitos de uma notícia (dependem da própria notícia, da pessoa que a consome, das circustâncias que a pessoa a recebe).

No artigo também é possível conferir quais foram as evidências que conduziram ao modelo e o teste do modelo através de exemplos.

Acesse o artigo na íntegra

Comentários

Mais lidas da semana