Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Resenha: Entrevista: O Diálogo Possível – Cremilda Medina

Entrevista: O Diálogo Possível, livro escrito pela jornalista e Doutora em Ciências da Comunicação Cremilda de Araújo Medina, lançado pela Editora Ática, aborda as questões relacionadas à entrevista, que vão além da visão técnica e podem trabalhar a comunicação humana através do diálogo.

Medina conta que quando ocorre o fenômeno de identificação entre a fonte de informação, o repórter e o receptor, a entrevista se aproxima do diálogo interativo. O receptor consegue sentir a autenticidade e emoção da entrevista tornando a comunicação mais humana. Todavia, quando a entrevista é dirigida por um questionário ou fixado em idéias preestabelecidas, o receptor percebe a ausência do diálogo.

A jornalista explica que o diálogo é democrático e o monólogo é autoritário. "Sua maior ou menor comunicação está diretamente relacionada com a humanização do contato interativo", justifica. De acordo com Medina, o diálogo possível acontece quando a técnica é ultrapassada pela intimidade e entrevistados e entrevistadores saem diferentes após o encontro.

Você sabe o que é entrevista? Segundo a autora do livro, entrevista é um meio cujo fim é o inter-relacionamento humano. "A entrevista jornalística, em primeira instância, é uma técnica de obtenção de informações que recorre ao particular", explica. Medina cita Edgar Morin que acredita que existem dois tipos de entrevista: a de espetáculo e a de compreensão (aprofundamento). Ainda de acordo com a jornalista, deve-se tomar cuidado com a unilateralidade da informação e buscar um diálogo democrático.

Para Medina alguns fatos podem enriquecer o desempenho da entrevista: ter idéia do tema a ser abordado na entrevista; preparo do entrevistador; perfil da personalidade do entrevistador; encarar o momento da entrevista como uma situação psicossocial, de complexidade indiscutível; a atitude do entrevistado; dinâmica de bloqueio e desbloqueio (desarmar o entrevistado).

A fluência-eficiência deve ser buscada na hora de transcrever um diálogo. A autora argumenta que muitas entrevistas jornalísticas pecam pela falta de formas mais fluentes e eficientes e cita como exemplo de como as entrevistas deveriam ser escritas mais naturalizadas e humanas um trecho do texto "O ano da morte de Ricardo Reis", de José Saramago, em que ocorre um diálogo entre Fernando Pessoa e Ricardo Reis. "Apenas um exemplo de como jornalistas e comunicadores devem se aproximar das conquistas artísticas para poderem renovar seu estilo e, em última instância, o grau de eficiência de seus textos quanto à comunicação propriamente dita", ensina.

No livro também é possível conferir: a relação entre pauta e edição; os modelos de montagem das informações; foco narrativo; Lobby dos grupos; os principais ruídos cometidos pelos jornais; liberdade de narração jornalística.

Comentários

  1. Adorei o resumo! Me ajudou bastante...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      Fico feliz em ter ajudado de alguma forma.
      Abraços. Volte mais vezes ;)

      Excluir
  2. Para um estudante de jornalismo, Cremilda Medina não pode faltar.
    Bom resumo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana