Pular para o conteúdo principal

Destaques

Subdiagnóstico de autismo, números e incoerências

O brasileiro é muito individualista. Ao mesmo tempo que vejo pessoas reclamando que os números do Censo vão dar abaixo por causa dos subdiagnósticos de autismo, já vi muita gente acusando pessoas com laudo fingirem que eram autistas.


Como explicar a volatilidade? Nem tento entender o que se passa na mente do brasileiro.

Os discursos são sempre contraditórios. Por causa de polarização, todo mundo sai perdendo.

Já vi até gente dizendo que o laudo é só um papel. Se é só um papel, a pessoa, então, não precisa de um diagnóstico? Logo, por que ser contabilizada? Sejam mais coerentes nos discursos.

Incoerências dos brasileiros sobre subdiagnósticos:

– Já vi gente acusando autista de fingir, mesmo a pessoa tendo laudo;

– Já vi gente se posicionando contra diagnóstico precoce, achando que seria ruim, desconhecendo a questão da plasticidade cerebral;

– Já vi gente dizendo que autismo nem deveria ter CID;

– Já vi gente dizendo que o outro não é autista, só porque sabe argumentar e é diferente do …

Fonoaudióloga dá dicas de como cuidar da voz

Saber se comunicar bem é importante no campo pessoal e profissional, o que exige prática e cuidado com o aparelho fonador. A fonoaudióloga Luciana Helena R. Oshiro deu algumas dicas de como falar bem em um curso de extensão realizado nesta quarta-feira (2) no campi II do Centro Universitário Anhanguera (antiga Unaes) de Campo Grande.

A fonoaudióloga explica basicamente que comunicar-se é se fazer entendido pelo outro e que para aprender a se comunciar bem, no caso oralmente, não é fácil, é necessário técnica e treino.

"A voz é nossa identidade, através dela conseguimos passar para o outro o que estamos sentindo", explica Luciana Oshiro. A fonoaudióloga fala que é importante ter cuidado com a voz para não ter problemas.

Confira algumas dicas dadas pela fonoaudióloga sobre como cuidar da voz:

- Em primeiro lugar, evitar tudo o que tem relação com o choque térmico;

- Tomar 4 litros de água por dia;

- Não competir com ruído em ambientes barulhentos;

- Evitar roupas apertadas, principalmente na região do pescoço e da cintura;

- Evitar gritar ou falar durante muito tempo;

- Evitar bebidas alcóolicas, sprays, pastilhas, drops, pois estes atuam como anestésicos, melhorando a voz aparentemente e mascarando seu abuso;

- Evitar o fumo, pos o mesmo irrita a a mucosa de todo aparelho fonador, especialmente as pregas vocais.

Alguns dos sintomas de quem está com algum problema vocal são: ardência, dor na garganta, perda de voz ou rouquidão. A psicóloga alerta a necessidade de se procurar um médico otorrinolaringologista ou fonoaudiólogo caso os sintomas persistam.

Comentários

Mais lidas da semana