Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Shattered Glass (O Preço de Uma Verdade)

Shattered Glass ("O Preço de Uma Verdade") é um filme lançado em 2003, dirigido por Billy Ray e ganhador de 10 prêmios. Baseado em fatos reais, o roteiro foi adaptado através do artigo do jornalista H. G. Bissinger. A trama se passa em 1998 e conta a história de um jovem repórter ambicioso autor de artigos populares de uma revista de política. Os fatos publicados não passavam de ficção e ao decorrer do filme, as mentiras de Stephen Glass são desmascaradas.

Com apenas 24 anos, Stephen Glass (interpretado por Hayden Christensen) é o repórter mais jovem da redação da revista The New Republic. Bastante simpático e popular, o jornalista consegue o apoio dos outros membros da redação sempre que necessário e está sempre com uma idéia brilhante para escrever um artigo. Por trás do companheiro de trabalho sempre preocupado com todos, está um jovem narcisista, hipócrita e manipulador que fará de tudo para alavancar sua carreira.

O enredo se passa em dois momentos, quando Glass é convidado por sua ex-professora para falar sobre sua carreira como jornalista para um grupo de estudantes e a ascensão e queda do jovem repórter.

A desconfiança da veracidade das histórias do repórter começam quando ele faz uma matéria sobre um grupo de jovens republicanos que se drogam, bebem e se divertem com prostitutas. O antigo editor da The New Republic Michael Kelly (interpretado por Hank Azaria) é chamado para responder sobre o artigo e questiona o jovem sobre um frigobar inexistente no quarto do hotel em que os tais republicanos festejavam, mas o jornalista consegue se safar com sua criatividade.

Entre tantas histórias incríveis publicadas pela revista The New Republic em nome do jovem, o jornalista da revista Forbes Adam Penenberg (Steve Zahn) leva uma bronca do seu editor por não ter feito um artigo sobre uma história em especial publicada por Glass. Glass publicou a história de um adolescente hacker que após invadir o sistema de uma empresa, negociou com o proprietário para trabalhar nela e fez uma série de exigências. Para se informar melhor sobre o assunto, o jornalista da área digital, decide pesquisar mais sobre o acontecido. Penenberg descobre que nada do que foi noticiado existia.

Para comprovar sua história, o editor da revista The New Republic Chuck Lane (Peter Sarsgaard) solicita ao jovem repórter que apresente suas anotações e fontes. Aos poucos as mentiras e detalhes das histórias de Glass não se sustentam e um novo dilema aparece: quantos artigos escritos pelo jornalista eram fictícios ou não.

Uma frase que a secretária da revista fala para o editor quando o filme está quase no final merece destaque: "Você sabe o que poderia ter previnido isto? Fotos. Como poderia inventar pessoas se tivesse de tirar fotos de todas elas?"

O filme me fez refletir sobre a importância da apuração dos fatos e da ética jornalística, principalmente na época em que vivemos, onde o fluxo e a velocidade de informações são altos. Na internet, existem tantas informações divulgadas que torna-se impossível verificar cada conteúdo. Caso os fatos não sejam conferidos, o poder de desinformação da mídia é tão alto quanto o de informação.

Trailer

Comentários

Mais lidas da semana