Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Neurociências, ajustes e discussões que vão além do social

O céu de um autista pode ser o inferno do outro. Somos diferentes em todos critérios. Cada caso é um caso.



Comparar um autista como eu, que sou camaleão e tenho autonomia com um que precise de mais apoio e tenha mais limitações sensoriais não seria justo.

Eu ressalto que todo autista deve lembrar disso quando produzir conteúdo. Não adianta achar que existe um modelo único de inclusão, se ao priorizar algumas coisas, você deixa de lado outras. Por isso, abordar a questão do autismo é algo muito complexo. Da mesma forma, que não existe um personagem da ficção ou uma pessoa autista que vai representar o espectro autista inteiro.

Os ajustes que são feitos para alguns, podem ser desajustes para outros. Por isso dizemos que existem vários autismos, independente do grau.
Do mesmo modo que não existem dois autistas iguais, não existem dois aspies iguais (pessoas com Síndrome de Asperger); não existem dois aspies com superdotação iguais (pessoas com Dupla Excepcionalidade). Somos todos diferent…

Resenha: Amor na Internet: quando o virtual cai na real – Alice Sampaio

Capa sugestiva com conversas de bate-papo e
 imagens formadas por caracteres
"Amor na Internet: quando o virtual cai na real" (editora Record, publicado em 2002), livro escrito por Alice Sampaio, surgiu através da experiência da jornalista com os relacionamentos virtuais e traz 17 histórias diferentes de pessoas que tiveram experiências positivas e negativas amorosas na internet, além da análise de cada caso por psicólogos, psicanalistas e psiquiatras. São histórias de amor, paixão, traição, aventuras, casamentos, divórcios, ilusões, decepções e alegrias.

A jornalista conta que na Internet não é possível ter certeza com quem você está falando. Ela compara o ambiente virtual a uma boate, em que você pode cruzar com pessoas de todos os tipos. Para Sampaio, é possível se encontrar e se emocionar pela internet, mas dificilmente ocorrerá o nascimento de uma paixão sem o contato ao vivo.

Uma das utilizações dos sites de relacionamento e bate-papos é para a procura de sexo rápido, fácil e geralmente, sem compromisso. Atualmente, não se pode generalizar, além dos homens, que ainda são a maioria nestes ambientes, as mulheres também procuram bastante por parceiros sexuais. O problema, lembra a jornalista, se dá quando o contato físico é substituído pelo virtual, as pessoas preferem fantasiar por meio do computador, do que conhecer o outro indivíduo pessoalmente.

Traições de homens e mulheres casados são facilitadas através da internet. A busca pelo amante acontece de forma tão rápida, que o parceiro não consegue imaginar. Basta observar o grande número de usuários casados que frequentam os bate-papos procurando uma aventura.

É interessante analisa a diferença de dimensão da internet com o passar do tempo. A autora traz dados de uma pesquisa realizada pelo Ibope eRatings.com apontava que no Brasil, em 2000, existiam 14 milhões de internautas. De acordo com a F/Nazca, hoje, o número aumentou para 81,3 milhões de internautas.

“Milhões de pessoas estão adotando o sexo on-line e fazendo da Internet um motel que acolhe o sexo anônimo, sem compromisso e a distância”, critica a jornalista. Em outubro de 2001, Sampaio testou por um ano e meio sites de encontros e teclou em diversas salas em horários variados.

A autora cita vários filmes que abordam os relacionamentos virtuais, alguns que deram certo com doses de romantismo, outros que acabaram por desentendimentos, medos, auto-sabotagem, diferenças, falta de conhecimento ao vivo sobre o outro e de afetividade.

Sampaio conta que usar a internet para encontrar um grande amor, talvez não seja a melhor das opções. “Sinceramente, hoje acredito, que para quem quer namorar, nada melhor que o velho e certeiro olho no olho...”, argumenta. A jornalista ainda ressalta a diferença de expectativas masculinas e femininas: os homens buscam sexo fácil e as mulheres procuram amor. Após 16 meses de busca, Alice Sampaio decepcionou-se e diz ter cansado de procurar um namoro na internet.

Baseada em suas experiências e nas experiências dos personagens relatados no livro, a jornalista finaliza o livro com dicas para quem quer procurar um par na internet e recomenda sites de encontros que fizeram sucesso na época, pagos ou não.

Comentários

Mais lidas da semana