Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Resenha: Amor na Internet: quando o virtual cai na real – Alice Sampaio

Capa sugestiva com conversas de bate-papo e
 imagens formadas por caracteres
"Amor na Internet: quando o virtual cai na real" (editora Record, publicado em 2002), livro escrito por Alice Sampaio, surgiu através da experiência da jornalista com os relacionamentos virtuais e traz 17 histórias diferentes de pessoas que tiveram experiências positivas e negativas amorosas na internet, além da análise de cada caso por psicólogos, psicanalistas e psiquiatras. São histórias de amor, paixão, traição, aventuras, casamentos, divórcios, ilusões, decepções e alegrias.

A jornalista conta que na Internet não é possível ter certeza com quem você está falando. Ela compara o ambiente virtual a uma boate, em que você pode cruzar com pessoas de todos os tipos. Para Sampaio, é possível se encontrar e se emocionar pela internet, mas dificilmente ocorrerá o nascimento de uma paixão sem o contato ao vivo.

Uma das utilizações dos sites de relacionamento e bate-papos é para a procura de sexo rápido, fácil e geralmente, sem compromisso. Atualmente, não se pode generalizar, além dos homens, que ainda são a maioria nestes ambientes, as mulheres também procuram bastante por parceiros sexuais. O problema, lembra a jornalista, se dá quando o contato físico é substituído pelo virtual, as pessoas preferem fantasiar por meio do computador, do que conhecer o outro indivíduo pessoalmente.

Traições de homens e mulheres casados são facilitadas através da internet. A busca pelo amante acontece de forma tão rápida, que o parceiro não consegue imaginar. Basta observar o grande número de usuários casados que frequentam os bate-papos procurando uma aventura.

É interessante analisa a diferença de dimensão da internet com o passar do tempo. A autora traz dados de uma pesquisa realizada pelo Ibope eRatings.com apontava que no Brasil, em 2000, existiam 14 milhões de internautas. De acordo com a F/Nazca, hoje, o número aumentou para 81,3 milhões de internautas.

“Milhões de pessoas estão adotando o sexo on-line e fazendo da Internet um motel que acolhe o sexo anônimo, sem compromisso e a distância”, critica a jornalista. Em outubro de 2001, Sampaio testou por um ano e meio sites de encontros e teclou em diversas salas em horários variados.

A autora cita vários filmes que abordam os relacionamentos virtuais, alguns que deram certo com doses de romantismo, outros que acabaram por desentendimentos, medos, auto-sabotagem, diferenças, falta de conhecimento ao vivo sobre o outro e de afetividade.

Sampaio conta que usar a internet para encontrar um grande amor, talvez não seja a melhor das opções. “Sinceramente, hoje acredito, que para quem quer namorar, nada melhor que o velho e certeiro olho no olho...”, argumenta. A jornalista ainda ressalta a diferença de expectativas masculinas e femininas: os homens buscam sexo fácil e as mulheres procuram amor. Após 16 meses de busca, Alice Sampaio decepcionou-se e diz ter cansado de procurar um namoro na internet.

Baseada em suas experiências e nas experiências dos personagens relatados no livro, a jornalista finaliza o livro com dicas para quem quer procurar um par na internet e recomenda sites de encontros que fizeram sucesso na época, pagos ou não.

Comentários

Mais lidas da semana