Pular para o conteúdo principal

Destaques

Happy Old Year: Filme explora a linha tênue entre o desapego e a nostalgia

O filme tailandês Happy Old Year , de 2019, nos faz pensar sobre as relações que construímos com as coisas que guardamos ao longo da vida. Com direção e roteiro de Nawapol Thamrongrattanarit, a obra está disponível na Netflix. Chutimon Chuengcharoensukying interpreta Jean, uma mulher que deseja fazer um escritório em sua casa, mas se dá conta de que há uma pilha de objetos inutilizados pela casa. Interessada e inspirada pelo minimalismo, se dependesse só dela, ela colocaria tudo em sacos de lixo e jogaria fora, o que ela descreve como buracos negros, porém, à medida que ela coloca o seu plano em ação, Jean percebe que não será tão fácil como imaginava. Com a resistência da família a mudar, Jean encara de frente sua missão, doa em quem doer. O que deveria ser fácil e prático para ela, cuja necessidade é vista até mesmo como egoísmo, acaba se desdobrando em várias situações, fases e etapas conforme ela mergulha nas histórias, memórias e emoções que estão vinculadas aos objetos, especialm

O Sucesso dos Tablets: Era Pós-PC

A reportagem do jornalista Bruno Ferrari "É como brinquedo de criança", publicada na revista Época, edição nº 675, em 25 de abril de 2011, aborda os tablets, suas facilidades e praticidades do uso, tanto pelas crianças que estão nascendo em uma era em que a presença digital é cada vez mais abundante e natural, quanto aos adultos que estão substituindo os computadores de mesa e notebooks pelos tablets. Para Ferrari, em um futuro próximo os computadores pessoais serão destinados às 'tarefas esporádicas e específicas'.

Ainda de acordo com o jornalista, após o lançamento do iPad, tablet da Apple, em janeiro de 2010 deu-se início a era pós-PC. De dispositivo eletrônico menosprezado a sucesso de vendas, o iPad tornou-se modelo de inspiração para outros aparelhos. "O sucesso do iPad gerou uma corrida dos concorrentes para lançar seus próprios tablets", conta Ferrari.

O jornalista relata diversos usos dos tablets e como eles estão substituindo os computadores pessoais em empresas e na vida pessoal, por exemplo, com a substituição de informações impressas pelas digitais, como forma de economizar os gastos com papel e a leveza dos aparelhos comparados ao peso de livros e documentos. Uma informação interessante apontada no texto é sobre o consumo de tablets não somente pelos tradicionais consumidores de PCs, mas por pessoas que não tinham afinidade com estas tecnologias.
 
Infelizmente a reportagem ainda não está disponível no site da revista para quem não tem cadastro. Quando a matéria estiver liberada a todos, divulgo o link aqui no blog.

Comentários

Mais lidas da semana