Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

O Sucesso dos Tablets: Era Pós-PC

A reportagem do jornalista Bruno Ferrari "É como brinquedo de criança", publicada na revista Época, edição nº 675, em 25 de abril de 2011, aborda os tablets, suas facilidades e praticidades do uso, tanto pelas crianças que estão nascendo em uma era em que a presença digital é cada vez mais abundante e natural, quanto aos adultos que estão substituindo os computadores de mesa e notebooks pelos tablets. Para Ferrari, em um futuro próximo os computadores pessoais serão destinados às 'tarefas esporádicas e específicas'.

Ainda de acordo com o jornalista, após o lançamento do iPad, tablet da Apple, em janeiro de 2010 deu-se início a era pós-PC. De dispositivo eletrônico menosprezado a sucesso de vendas, o iPad tornou-se modelo de inspiração para outros aparelhos. "O sucesso do iPad gerou uma corrida dos concorrentes para lançar seus próprios tablets", conta Ferrari.

O jornalista relata diversos usos dos tablets e como eles estão substituindo os computadores pessoais em empresas e na vida pessoal, por exemplo, com a substituição de informações impressas pelas digitais, como forma de economizar os gastos com papel e a leveza dos aparelhos comparados ao peso de livros e documentos. Uma informação interessante apontada no texto é sobre o consumo de tablets não somente pelos tradicionais consumidores de PCs, mas por pessoas que não tinham afinidade com estas tecnologias.
 
Infelizmente a reportagem ainda não está disponível no site da revista para quem não tem cadastro. Quando a matéria estiver liberada a todos, divulgo o link aqui no blog.

Comentários

Mais lidas da semana