Pular para o conteúdo principal

Destaques

Documentário da Netflix aborda caso Elisa Lam e histórico mórbido do Cecil Hotel

Dependendo da sua idade e do quanto você é ligado às notícias e ao mundo online, é bem provável que você tenha ouvido falar sobre o caso da Elisa Lam , uma canadense descendente de chineses que  viajou para os Estados Unidos e morreu em um hotel de Los Angeles . O caso polêmico na época foi explorado na série documental Cena do Crime – Mistério e Morte no Hotel Cecil (Crime Scene: The Vanishing at the Cecil Hotel) , dirigido pelo norte-americano Joe Berlinger e distribuído pela Netflix , em 2021. Em quatro episódios, de forma linear, é contada a história de como Elisa Lam foi parar no Cecil Hotel e um pouco de sua personalidade no mundo digital e afinidade com o Tumblr. Importante mencionar que o documentário não traz entrevistas com os familiares de Elisa Lam. Se nem os próprios familiares conhecem a fundo uma pessoa, me pergunto por que há tantas pessoas aleatórias na internet e fãs de teorias da conspiração que se sentem no direito de dizer que algo poderia ou não ter acontecido. 

Por conta do preço, campo-grandenses têm preferência por smartphones importados

* Escrito por Ben-Hur Oliveira e Maria Izabel Costa

Segundo um estudo publicado em fevereiro de 2011 pela IDC (International Data Corporation), empresa de inteligência de mercado, consultoria e conferências nos segmentos de Tecnologia da Informação e Telecomunicações, no quarto trimestre de 2010 o número de vendas globais de smartphones superou as de computadores pessoais: 100,9 milhões de smartphones e 92,1 milhões de computadores pessoais foram vendidos no mesmo período. O estudo ainda indicou que houve um aumento nas vendas de smartphones de 87% em relação ao mesmo período de 2009.

Em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, os smartphones ainda não fazem parte da realidade da maioria da população. O alto custo e a falta de facilidade de acesso à internet de alguns aparelhos telefônicos são alguns dos motivos pelos quais os campo-grandenses ainda não os possuem.

Vendedor de celulares há 5 anos, Eduardo Esteves conta que os aparelhos smartphones estão vendendo muito bem. “É o modelo mais procurado hoje. O smartphone é o carro-chefe de vendas hoje no mercado de celulares”, justifica. Entrevistado próximo ao Dia das Mães, Esteves diz que o mercado anda retraído, e que as vendas estão relativamente baixas. “Está este paradeiro”, conta. Para Esteves, as pessoas querem comprar smartphones por causa das funções de alta tecnologia e dos sistemas serem muito parecidos com os de computadores.


Camelódromo - Aparelhos mais baratos, mas com garantia menor
Foto: Ben Oliveira

No Centro Comercial Popular Marcelo Barbosa da Fonseca, popularmente conhecido como camelódromo, onde o vendedor trabalha, os celulares têm um preço melhor, porém com a garantia menor do que as das lojas de operadoras de telefones celulares. De acordo com o vendedor, os celulares no camelô são comprados à vista ou divididos em parcelas menores do que as das lojas. Questionado sobre a importância de preços mais acessíveis, Esteves diz: “Todo mundo tem que ter acesso a tecnologia hoje”.

Com 9 anos de experiência com vendas de celulares, Basílio Dias atualmente trabalha em uma franquia de uma operadora telefônica e acredita que as vendas de smartphones estão boas e em aquecimento. “Em virtude dos aparelhos terem acesso à internet, a procura aumenta a cada dia”, conta. Para Dias, a facilitação do acesso a internet facilita este tipo de comércio, pois não basta ter um aparelho se este não possuir acesso a internet.

Os aparelhos que mais vendem no mercado de Campo Grande continuam sendo os mais básicos. Existem aparelhos que não são smartphones que também acessam a internet, mas não têm os mesmos recursos. “O comércio de Smartphone na cidade não é tão grande, por causa da proximidade com o Paraguai e camelódromo. As pessoas preferem comprar um importado sem garantia”, argumenta.

“Os modelos de smartphones mais procurados são os que têm função touchscreen, com câmeras acima de 3.0 megapixels e uso de dois chips ao mesmo tempo”, conta. O barateamento do acesso à internet pelos celulares é um dos motivos de aumenta da procura dos smartphones. O vendedor conta que gosta do seu smartphone porque na empresa em que trabalha pode ter acesso ao e-mail todo o dia e abre direto no celular. Basílio Dias acredita que a venda de notebooks vai cair, com o aumento de vendas de smartphones e tablets, por que eles podem fazer tudo o que o computador faz hoje.

O smartphone incorpora diversas tecnologias antes só encontradas em computadores pessoais
Foto: Maria Izabel Costa

“Eu uso um smartphone, pois acesso a Internet, leio arquivos de texto, uso o GPS, jogo, converso em redes sociais com meus amigos e utilizo todas as funções dele. Eu praticamente não preciso mais de um computador portátil”, conta Iara Nantes, de 22 anos. Já para Silvia Leite, de 42 anos, a preferência é por celulares que apenas façam ligações, além de serem mais baratos. “O telefone serve para ligar. As outras funções a ele implantadas são apenas bônus, tornando-o não um telefone e sim uma máquina de aprisionamento das mentes jovens”, opina.

Comentários

Mais lidas da semana