Pular para o conteúdo principal

Destaques

Causa Autista, História e Divergências Políticas no mundo inteiro

Para quem acha que o que acontece no Brasil é inédito, basta conhecer a história do autismo. As divergências políticas são parte da história do autismo. Cada conquista aconteceu por causa das lutas dos movimentos sociais organizados.


Leia: A História do Autismo: 10 Motivos para ler o livro Outra Sintonia

O Brasil não inventou o fogo. As pessoas poderiam fazer escolhas melhores se estudassem mais. Serve para quem quer falar de política, mas não conhece as questões biológicas também.

Sobre o mundo das organizações brasileiras, já falei algumas vezes: nenhuma me contempla. Nenhum dos lados acerta sempre nem vai acertar, pois cada lado tem seu viés e puxa mais para o que acredita.

O que é melhor para um autista, pode não ser para o outro, seja por questões sociais ou neurobiológicas: o assunto SEMPRE será complexo, pois o autismo é complexo, não é simples como as pessoas fazem parecer.

Quem paga o preço? Quem é invisibilizado. Quem já tem diagnóstico, dificilmente se importa com os que não…

Os encontros e desencontros da vida jornalística

Texto produzido por mim, Ben-Hur Oliveira, publicado no jornal impresso laboratorial da UCDB 'Em Foco', na edição extra '72 Horas de Jornalismo'

Acadêmicos de jornalismo e publicidade e propaganda da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) que estavam visitando diferentes veículos jornalísticos, impresso, radio, TV e online, da capital sul-matogrossense, estiveram presentes na mesma entrevista coletiva realizada numa delegacia, onde os jornalistas foram entrevistar o delegado e uma quadrilha que foi presa, porém devido à diferença de horários os jovens se desencontraram.

Por este desencontro, os acadêmicos puderam observar e sentir um pouco como é a rotina do jornalista, profissional que está sempre correndo contra o tempo.

De acordo com informações apuradas pelo Campo Grande News, em 5 meses a quadrilha roubou no mínimo 20 veículos, entre caminhonetes e caminhões. Foram presos em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Odair José Duarte Pacheco, Ademir da Silva Souza e Katiuscia dos Santos, que serão indiciados por formação de quadrilha e roubo qualificado. As ordens foram comandas pelos presidiários José Antônio Sobrinho e Geraldo de Souza, em que os caminhoneiros que faziam frete eram o principal alvo. Três pessoas ainda estão foragidas.

Gabriel Gomes, estudante do quinto semestre de jornalismo, conta que quando chegou à entrevista coletiva não se sentiu bem pelo jeito que os jornalistas estavam abordando os acusados. “Pelo que eu senti os acusados estavam se sentindo menosprezados”, relata. Segundo o acadêmico, ao chegar à coletiva, a equipe entrou em um corredor onde tinham cinco presos, quatro homens e uma mulher. “Os jornalistas já tinham se organizado. Cada emissora de televisão teve a sua vez de gravar com os acusados e fazer as perguntas”, narra. O estudante estava visitando o jornal online Campo Grande News, e saiu junto com a repórter Paula Vitorino para acompanhar a coletiva, que só entrevistou o delegado responsável pelo caso.

Gabriel, que ficou observando os jornalistas realizarem as entrevistas com os acusados e com o delegado, teve a impressão de que alguns profissionais estavam despreparados, porque os mesmos faziam perguntas iguais, talvez pela falta de atenção em ouvir o que os entrevistados diziam. Para o jovem, observar os jornalistas ajudando uns aos outros foi interessante, pois segundo ele, quebrou um tabu de que os jornalistas competiam entre si. “As brigas são entre os chefes”, comenta o que observou e ouviu dos jornalistas presentes na coletiva.

A estudante do primeiro semestre de jornalismo da Católica, Ísis Machado, de 25 anos, visitou o jornal impresso O Estado. Devido a um atraso, a jovem conta que quando chegou à coletiva de imprensa os jornalistas de outros meios de comunicação já estavam indo embora. Na entrevista, a jovem acompanhou a jornalista Jacqueline Oliveira entrevistar o delegado e as pessoas envolvidas no roubo de caminhões de frete. “Os roubos eram comandados de dentro do presídio e organizado por uma mulher, que contava com a ajuda de uma quadrilha, para roubar os caminhões e vender no Paraguai”, conta.

Amaury Arruda, de 18 anos, e Tayana Vaz, de 17 anos, ambos estudantes do primeiro semestre de Comunicação Social da Universidade Católica Dom Bosco, sendo o primeiro estudante de Publicidade, e a segunda de Jornalismo, visitaram juntos a TV Campo Grande e também acompanharam a entrevista coletiva. Os dois estudantes contam que a experiência foi interessante. “Tinham muitos repórteres de diversos veículos e nós acompanhamos a entrevista”, conta Arruda. Além de observar, o estudante aproveitou para fotografar a coletiva e recebeu dicas do repórter. Já Tayana Vaz aproveitou para filmar os jornalistas, o delegado e a quadrilha. “Foi legal, porque nós vimos todos os jornalistas juntos, apesar da competição entre empresas os jornalistas colaboravam entre si.

Todos os jovens que visitaram os veículos de comunicação aprenderam sobre a rotina dos jornalistas por meio da observação. O fato curioso é de que mesmo tendo visitado a mesma entrevista coletiva, os quatro acadêmicos acabaram se desencontrando. E assim são os encontros e desencontros jornalísticos, em que profissionais e acadêmicos que vão cobrir a mesma pauta, ora têm a oportunidade de se encontrar, ora não.

Comentários

Mais lidas da semana