Pular para o conteúdo principal

Destaques

Espectro Autista: Reflexão sobre conscientização do autismo

Vez ou outra eu recebo mensagens de pessoas pedindo ajuda sobre como trazer mais conscientização em lugares nos quais pouco se sabe sobre autismo. Nem toda cidade tem especialista em autismo, isso é um fato que todo mundo que já precisou de um, sabe como é. Minha dica é: compre/arrecade livros ATUALIZADOS sobre o assunto e/ou livros de ficção (com personagens autistas) e/ou livros escritos por autistas. Recomendo firmemente a literatura, já que a leitura trabalha a empatia e fica mais fácil dos neurotípicos entenderem como é estar 'na nossa pele', mesmo que por alguns minutos.


Não vai dar livro desatualizado, que é um desserviço. Já tem muita desinformação no Brasil. Eu poderia fazer uma lista sobre todos absurdos que leio, mas não vou.

Enfim, não dá para fugir da leitura. Infelizmente, muitos conteúdos brasileiros estão defasados, outros logo vão estar por causa das alterações do CID11 do Espectro Autista [só entra em vigor em 2022]. Tem muita coisa boa produzida pela comunid…

Palestras encerram o '72 Horas de Jornalismo'

O evento '72 Horas de Jornalismo', que aconteceu na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), de Campo Grande (MS), encerrou hoje, 03 de junho, às 17h . No período vespertino os acadêmicos que produziram conteúdos jornalísticos radiofônicos e online receberam a visita de alguns profissionais dos veículos visitados e acompanharam duas palestras.

Após a visita dos profissionais, que avaliaram os produtos e falaram sobre ética e mercado de trabalho, os participantes do evento  tiveram um coffee break, onde o coordenador do curso de jornalismo da UCDB falou sobre a importância de rever amigos e colegas da profissão e dos alunos conhecerem os profissionais. O professor de publicidade e propaganda Elton Tamiozzo  acompanhou a correria e dificuldades dos alunos e contou que é importante encarar o mundo real. "As coisas darem erradas não é exceção, é regra. Vocês precisam aprender a lidar com isso", justifica.

Docentes da instituição e mestrandas em Estudos de Linguagens da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Maria Helena Benites e Cristina Ramos falaram aos acadêmicos sobre os trabalhos que estão desenvolvendo no mestrado. Maria Helena Benites falou com os alunos sobre linguagem cinematográfica e sobre seu trabalho, uma análise semiótica da representação visual dos índios kaiowá/guarani no filme Terra Vermelha. "Por mais que a cenografia não é real, ela é baseada em uma realidade", diz. Benites contou que o cinema tem uma linguagem própria, a linguagem cinematográfica, que só se consolidou com a fotografia, movimento de câmera, montagem, estrutura narrativa e sistemas de gêneros.
Maria Helena falando sobre linguagem cinematográfica
Foto: Ben Oliveira

"O cinema é um propagador de culturas de outros países, mas temos que lembrar que em todo filme existe um recorte, uma realidade que o realizador do filme quer mostrar", ensina Maria Helena Benites. Para a docente, é importante que os acadêmicos aprendam mais sobre linguagem cinematográfica para que possam criar um bom produto audiovisual e entender as críticas de cinema.

Professora Cristina Ramos explicando aos alunos
sobre sua pesquisa de mestrado sobre gêneros
 jornalísticos
Foto: Ben Oliveira
Cristina Ramos está desenvolvendo um trabalho de pesquisa na área de linguística e busca descobrir qual é a identidade textual dos jornais impressos laboratoriais em Campo Grande; A docente falou que está analisando em sua pesquisa os quatro jornais laboratoriais da cidade, o Projétil (UFMS), Unifolha (Uniderp), Folha Guaicuru (Estácio de Sá) e Em Foco (UCDB). "São 20 anos de jornalismo laboratorial em Campo Grande", conta. Ainda de acordo com a pesquisadora, os jornais laboratoriais da capital sul-matogrossense já distribuiram mais de 1,5 milhão de exemplares neste período. "O Em Foco é o mais novo dos jornais, mas é o que tem mais edições publicadas", argumenta.

De acordo com pesquisas citadas por Cristina Ramos, os jornais comerciais brasileiros utilizam-se mais do gênero informativo, por meio de notícias, notas e reportagens. Em sua pesquisa, a professora da UCDB está querendo saber dos 21 gêneros jornalísticos existentes qual é o mais utilizado no jornalismo laboratorial impresso de Campo Grande. "Será que nossos estudantes estão levantando os mesmos formatos que os profissionais?", questiona. A professora já conseguiu levantar empiricamente uma disparidade, a maioria dos acadêmicos produzem reportagens e quando se formam produzem mais notícias.

Profissionais dos veículos radiofônicos e online visitados avaliam os
conteúdos produzidos pelos acadêmicos
Foto: Ben Oliveira
Professores Inara Silva e Oswaldo Ribeiro falando sobre os conteúdos
produzidos para o blog 'Em Focando'
Foto: Ben Oliveira
3º dia do '72 Horas de Jornalismo', análise dos produtos
Foto: Ben Oliveira
Após analisarem os programas de rádio criados pelos alunos, os
profissionais analisaram o blog 'Em Focando'
Foto: Ben Oliveira

Comentários

  1. Nossa! Essa é uma proposta bem interessante!Principalmente porque os profissionais não vão ao evento só para elogiar.E quem está aprendendo, aprende a ter humildade e perceber que não é perfeito.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana