Pular para o conteúdo principal

Destaques

Twin Flames: Das escolhas quando o juramento de amor e proteção se torna tóxico

Twin Flames são lindas nos livros, filmes, séries, músicas e demais expressões artísticas. Na vida real, no entanto, elas podem te levar ao céu e ao inferno em questão de minutos. Uma conexão de vidas passadas, presente e futuras; um casal destinado a se reencontrar de novo e de novo, até evoluírem na jornada espiritual, ficarem juntos novamente ou finalmente romperem o contrato de alma. Como cão e gato, um dos dois segue o outro; depois, o papel se inverte: caça vira caçador. Uma jornada intensa, complexa, repleta de emoções intensas capazes de te salvar nos dias sombrios e te proteger do mundo, afastando pessoas que podem te machucar ou com intenções ocultas; porém, nos dias de luz, a menos que estejam na fase de união, a fase de distanciamento pode quase te enlouquecer ao esperar uma reconciliação que pode levar anos ou nunca vir – especialmente, quando uma das duas decide se afastar intencionalmente e te ignorar, mas ao mesmo tempo, não consegue romper a conexão espiritual entre vo

Privacidade e Imprensa

Se acontecesse um incêndio em um clube de filmes homossexuais, onde oito homens morreram e você tivesse que noticiar o fato, você revelaria a identidade dos envolvidos? Esta é a reflexão de H. Eugene Goodwin, no livro 'Procura-se ética no jornalismo', em que o autor comenta o caso de dois jornais, o Washington Post e o extinto Washington Star, que enfrentaram o dilema.

Enquanto o Washington Star decidiu identificar os mortos e o local onde aconteceu o incêndio, o Washington Post falou sobre o clube de cinema e sua natureza, mas não identificou as vítimas. Nenhum dos dois jornais publicou os nomes dos feridos.

O ex-ombudsmen do Washington Post comentou que a decisão de não publicar as identidades pode ter acentuado o estigma da homossexualidade, considerando esta vergonhosa para os familiares das vítimas. O mesmo disse que o jornal deveria ter publicado, como o Washington Star fez. "Os nomes constituam notícias e o negócio dos jornais é publicar as notícias", comenta Charles B. Seib. O necessário, como aponta o ex-ombudsmen do falido Washington Star, George Beveridge, não era indicar a sexualidade dos indivíduos, mas relatar a morte de oito seres humanos.

"A questão de saber se o jornalista deve ou não deve revelar ou sugerir a inclinação sexual de uma pessoa que aparece no noticiário é de caráter privado", afirma o autor do livro. Para o autor, apesar da invasão da privacidade das pessoas-notícia, na maioria das vezes, ser uma questão legal, trata-se de uma questão ética, pois muito se sabe o que não deve ser feito, e pouco sobre o que pode ser feito.

Preconceituosa ou não a decisão de não publicar as informações das vítimas com medo do desaprovamento das famílias, o Washington Post acabou deixando de informar corretamente. Todavia, Seib ressalta que se o jornal fizesse uma pesquisa de opinião com os eleitores, existia uma possibilidade destes concordaram com a atitude tomada pelo jornal, já que muitos consideram a imprensa "insensível aos prejuízos e à dor que pode causar aos inocentes".

Comentários

Mais lidas da semana