Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Artigo aborda estudantes de jornalismo e a dificuldade com o português


No dia 08 de maio de 2012 o Observatório da Imprensa divulgou o artigo sobre a dificuldade de muitos alunos de jornalismo, escrito pelo Mestre em Comunicação Social e professor de Jornalismo em Belo Horizonte, Ivan Satuf Rezende.

O autor comenta que existem diversos debates sobre os cursos de jornalismo no Brasil, como a questão do diploma, mas o que tem chamado a atenção em relação aos estudos é a língua portuguesa e baixa qualidade dos textos dos alunos.

Mesmo com o nivelamento das universidades, no qual o curso é bastante concorrido em algumas instituições, e em outras sobram vagas, o professor de jornalismo argumenta que este problema é atribuído à formação falha nos ensinos fundamental e médio.

Uma das soluções propostas pelo autor é óbvia e deveria ser seguida pelos acadêmicos de jornalismo sem uma orientação prévia. "Quem não lê não escreve", constata. Ivan Satuf Rezende recomenda a leitura de literatura, jornais e revistas, pois a escrita é ofício do jornalista, mesmo os que trabalham com os meios audivisuais.

Leia o artigo na íntegra: Os alunos que temos e a missão que assumimos  

Comentários

  1. Esse (português) é o espinho na carne (do jornalista)!
    Podemos usar a ERRATA para corrigir grafias, porém que muleta usaremos para a pobreza de texto?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana