Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Desligar: Uma questão de sobrevivência


Existem momentos em que é preciso parar um pouco e dar descanso para o corpo e cérebro, caso contrário a própria vida se encarrega de fazer isto para você. Quando a pressão do dia-a-dia está tão forte que suas estruturas parecem não ser capaz de aguentar, é preciso se desligar.

Trabalhar com informações pode ser algo fascinante, mas também exaustivo. Nos tempos de comunicação instantânea, o profissional que não está ligado no que está acontecendo pelo mundo é considerado desinformado. Pura utopia acreditar que alguém é informado nos dias de hoje, com tamanho volume de conteúdos transmitidos.

Às vezes a preocupação com a tal da produtividade e consequente quantidade é tão buscada na rotina profissional, que a qualidade e a valorização da atuação do ser humano é deixada de lado. Como robôs, espera-se das pessoas que elas funcionem 'corretamente', conforme foram programados e aceitem suas tarefas sem nem mesmo questioná-las.

Já sentiu como se o seu cérebro fosse explodir por conta de tantas informações que você tem absorvido ultimamente e obrigações do cotidiano? Quantas vezes você não desejou tirar um dia só para você e esquecer todos os problemas? No mundo real nem sempre isto é possível. A demanda é tanta, que mesmo quando você não quer pensar em algo, lá está você novamente se enchendo de preocupações.

Quando os dedos começam a doer, a visão fica embaçada e você já não sabe mais o que está fazendo, é necessário ser honesto consigo mesmo e aceitar que você alcançou seus limites. Noites de sono perdidas e sonhos sobre seu excesso de atividades te imploram para desacelerar e parar. Em um mundo onde a lógica do mercado impera e o egoísmo é lei, às vezes devemos nos lembrar do que realmente importa: nós mesmos.

Comentários

Mais lidas da semana