Pular para o conteúdo principal

Destaques

Happy Old Year: Filme explora a linha tênue entre o desapego e a nostalgia

O filme tailandês Happy Old Year , de 2019, nos faz pensar sobre as relações que construímos com as coisas que guardamos ao longo da vida. Com direção e roteiro de Nawapol Thamrongrattanarit, a obra está disponível na Netflix. Chutimon Chuengcharoensukying interpreta Jean, uma mulher que deseja fazer um escritório em sua casa, mas se dá conta de que há uma pilha de objetos inutilizados pela casa. Interessada e inspirada pelo minimalismo, se dependesse só dela, ela colocaria tudo em sacos de lixo e jogaria fora, o que ela descreve como buracos negros, porém, à medida que ela coloca o seu plano em ação, Jean percebe que não será tão fácil como imaginava. Com a resistência da família a mudar, Jean encara de frente sua missão, doa em quem doer. O que deveria ser fácil e prático para ela, cuja necessidade é vista até mesmo como egoísmo, acaba se desdobrando em várias situações, fases e etapas conforme ela mergulha nas histórias, memórias e emoções que estão vinculadas aos objetos, especialm

Desligar: Uma questão de sobrevivência


Existem momentos em que é preciso parar um pouco e dar descanso para o corpo e cérebro, caso contrário a própria vida se encarrega de fazer isto para você. Quando a pressão do dia-a-dia está tão forte que suas estruturas parecem não ser capaz de aguentar, é preciso se desligar.

Trabalhar com informações pode ser algo fascinante, mas também exaustivo. Nos tempos de comunicação instantânea, o profissional que não está ligado no que está acontecendo pelo mundo é considerado desinformado. Pura utopia acreditar que alguém é informado nos dias de hoje, com tamanho volume de conteúdos transmitidos.

Às vezes a preocupação com a tal da produtividade e consequente quantidade é tão buscada na rotina profissional, que a qualidade e a valorização da atuação do ser humano é deixada de lado. Como robôs, espera-se das pessoas que elas funcionem 'corretamente', conforme foram programados e aceitem suas tarefas sem nem mesmo questioná-las.

Já sentiu como se o seu cérebro fosse explodir por conta de tantas informações que você tem absorvido ultimamente e obrigações do cotidiano? Quantas vezes você não desejou tirar um dia só para você e esquecer todos os problemas? No mundo real nem sempre isto é possível. A demanda é tanta, que mesmo quando você não quer pensar em algo, lá está você novamente se enchendo de preocupações.

Quando os dedos começam a doer, a visão fica embaçada e você já não sabe mais o que está fazendo, é necessário ser honesto consigo mesmo e aceitar que você alcançou seus limites. Noites de sono perdidas e sonhos sobre seu excesso de atividades te imploram para desacelerar e parar. Em um mundo onde a lógica do mercado impera e o egoísmo é lei, às vezes devemos nos lembrar do que realmente importa: nós mesmos.

Comentários

Mais lidas da semana