Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Flores para Algernon – Daniel Keyes

Nossas percepções do mundo são moldadas por nossas habilidades cognitivas, o que, muitas vezes, também formam a visão que os outros têm de nós, especialmente em sociedades em que as pessoas têm dificuldade de ter empatia e respeito por pessoas diferentes. No livro Flores para Algernon (Flowers for Algernon), o escritor Daniel Keyes narra a história de Charlie, um rapaz com deficiência intelectual grave (no livro descrito como retardo mental) que é convidado a participar de uma cirurgia capaz de aumentar seu quociente de inteligência. No Brasil, a obra foi publicada pela Editora Aleph, em 2018, com tradução de Luisa Geisler.


Compre o livro Flores para Algernon (Daniel Keyes): https://amzn.to/2K4J7AR

Flores para Algernon é uma leitura desconfortável, já que à medida que o personagem principal toma consciência da maneira que ele é tratado pelos outros, é difícil não sentir sua dor e refletir sobre como o preconceito e a discriminação estão enraizados na sociedade.

Quem você se torna quand…

Desligar: Uma questão de sobrevivência


Existem momentos em que é preciso parar um pouco e dar descanso para o corpo e cérebro, caso contrário a própria vida se encarrega de fazer isto para você. Quando a pressão do dia-a-dia está tão forte que suas estruturas parecem não ser capaz de aguentar, é preciso se desligar.

Trabalhar com informações pode ser algo fascinante, mas também exaustivo. Nos tempos de comunicação instantânea, o profissional que não está ligado no que está acontecendo pelo mundo é considerado desinformado. Pura utopia acreditar que alguém é informado nos dias de hoje, com tamanho volume de conteúdos transmitidos.

Às vezes a preocupação com a tal da produtividade e consequente quantidade é tão buscada na rotina profissional, que a qualidade e a valorização da atuação do ser humano é deixada de lado. Como robôs, espera-se das pessoas que elas funcionem 'corretamente', conforme foram programados e aceitem suas tarefas sem nem mesmo questioná-las.

Já sentiu como se o seu cérebro fosse explodir por conta de tantas informações que você tem absorvido ultimamente e obrigações do cotidiano? Quantas vezes você não desejou tirar um dia só para você e esquecer todos os problemas? No mundo real nem sempre isto é possível. A demanda é tanta, que mesmo quando você não quer pensar em algo, lá está você novamente se enchendo de preocupações.

Quando os dedos começam a doer, a visão fica embaçada e você já não sabe mais o que está fazendo, é necessário ser honesto consigo mesmo e aceitar que você alcançou seus limites. Noites de sono perdidas e sonhos sobre seu excesso de atividades te imploram para desacelerar e parar. Em um mundo onde a lógica do mercado impera e o egoísmo é lei, às vezes devemos nos lembrar do que realmente importa: nós mesmos.

Comentários

Mais lidas da semana