Pular para o conteúdo principal

Destaques

The Puppet Master: Série documental da Netflix traz casos de vítimas de um sociopata vigarista

Para quem está procurando algo intrigante para assistir na Netflix , a série documental The Puppet Master: Hunting the Ultimate Conman apresenta uma daquelas histórias que as pessoas nunca se imaginam acontecendo com elas, até que o pior acontece. Um sociopata manipulador encontra várias presas fáceis, interessado no dinheiro delas, ao mesmo tempo em que conta histórias sem pé nem cabeça para isolá-las dos familiares e dos amigos, em uma jornada marcada pelo medo, fuga e diferentes estratégias de lavagem cerebral. Muitas vezes associada às seitas em uma escala maior, muita gente ainda desconhece os danos que uma pessoa manipuladora pode causar, a ponto de duvidar de si mesmo e da própria sanidade, situação que só piora quando ela é incentiva a cortar todos laços e fica presa num ciclo de total dependência da validação do outro, como se tivesse que pedir permissão até para existir. Quantas pessoas foram vítimas de Robert Hendy-Freegard ? A série documental se foca principalmente em tr

Jornalismo Empresarial

No livro "Jornalismo empresarial: teoria e prática" escrito por Francisco Gaudêncio Torquato do Rego e publicado em 1987, o autor fala sobre o crescimento da comunicação dentro das empresas e o jornalismo empresarial, um dos tripés da comunicação empresarial, junto com as Relações Públicas e a Propaganda.

Segundo o autor, o jornalismo empresarial não deve ser visto como função menor ou menos importante em relação à grande imprensa, pois todos os veículos fazem parte de um edifício de integração social e ideológica. Esta atividade jornalística especializada contribui com a apresentação e desenvolvimento do conceito imagético e identidade das instituições, portanto é importante compreendê-la.

Jornal empresarial

De acordo com Rego (1987), os motivos de surgimento dos jornais empresariais estão relacionados à revolução industrial e consequente automatização, crescimento das indústrias, complexidade, divisão de trabalho e diferenças culturais, de forma a familiarizar os funcionários com o ambiente e política da organização. Outros pontos levantados pelo autor são a necessidade das empresas de enfrentarem a concorrência da área e tornarem-se mais conhecidas e a competição entre os meios de comunicação.

"As publicações empresariais passaram a ser encaradas como um veículo dos mais importantes para a orientação do trabalhador, tornando-o capaz de compreender melhor não só o seu ambiente, mas também o mundo, e promovendo a sua integração ao meio empresarial" (REGO, 1987, p. 19)

Uns dos fatos que ajudam a consolidação do jornalismo empresarial são o desenvolvimento tecnológico e a diminuição do custo de produção dos jornais. Todavia, Rego (1987) lembra que nos períodos de crises esta é uma das primeiras áreas a serem cortadas, quando na verdade poderia contribuir na administração dos conflitos internos.

O Brasil conheceu o jornalismo empresarial só depois da expansão deste em outros países, por conta do retardamento dos processos industriais e avanços tecnológicos nas artes gráficas e editoriais.

Algumas características do jornalismo empresarial citadas por Rego (1987) são: audiência heterogênea (diferentes níveis intelectuais, técnicos e de interesses), periodicidade mais longa, acervo de conteúdos que interessem à empresa e à comunidade empresarial e a política empresarial.

O autor fala sobre as diferentes publicações do jornalismo empresarial: boletim, jornal e revista, e suas características que divergem, como atualidade, universalidade, difusão e periodicidade.

Rego (1987) enumera alguns fatores que determinam o sucesso das publicações empresariais: responsabilidade (quem / qual setor será o responsável pela publicação?); o conteúdo das mensagens transmitidas e a incoerência dos pontos de vistas; rigoroso controle de seleção de informações prejudicando conteúdo de interesse coletivo; divisã de grupos; a divisão geográfica das unidades; a linguagem; as características técnicas; determinantes jornalísticas (atributo da atualidade, variedade temática e distribuição).

Sobre a escolha do conteúdo, Rego (1987, p. 80) comenta: "O princípio orientador da escolha apóia-se na premissa de que as matérias sobre a companhia devem interessar aos empregados e as matérias sobre os empregados devem interessar à companhia". O autor, entretanto, lembra que a publicação não deve conter somente conteúdos das empresa, mas também matérias gerais. Rego sugere a elaboração de um questionário para compor a audiência, de forma a saber o que é de interesse desta comunidade.

Referência

REGO, Francisco Gaudêncio Torquato. Jornalismo empresarial: teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Summus, 1987. 190 p.

Comentários

Mais lidas da semana