Pular para o conteúdo principal

Destaques

Neurodiversidade: Autismo não só biológico ou só identidade social

A Neurodiversidade dá um tiro no pé ao tratar o autismo como algo meramente social (identidade social), ignorando as particularidades neurobiológicas de CADA autista. Mas o extremismo científico também erra ao ver como algo meramente biológico, ou até mesmo patológico.


O ideal seria ver o melhor dos dois mundos, algo impossível diante da polarização. Todo mundo sai perdendo.

É utopia esperar que a sociedade vá se adequar completamente aos autistas, especialmente porque cada autista pode ser completamente diferente do outro. O ambiente adaptado para um autista, é o ambiente desadaptado para o outro – isso entre os próprios autistas.

Enquanto as pessoas continuarem tratando o autismo como algo 'universal', ignorando as especificidades, esse debate não vai para frente.

O Asperger que não precisa interagir com os outros, não precisa trabalhar, não precisa fazer nada que o tire da zona de conforto, talvez não sinta muita dificuldade em viver em um mundo não adaptado. Mas não é a re…

Sobre a Esperança, os Contos de Fadas e o Amor

Impossível assistir Once Upon A Time sem se emocionar e refletir sobre a vida. O seriado mostra como seria a vida dos personagens de contos de fadas se estes vivessem no mundo real, leia-se aquele em que nós vivemos, sem magia. Quando ficção e realidade se misturam, literalmente. Se eu pudesse resumir a série em uma palavra, certamente seria: Esperança.

A falta de magia para os personagens da série equivale à falta de amor para nós nos dias de hoje. As pessoas estão divididas entre aqueles que não acreditam em relacionamentos, às vezes, por medo de sofrerem, outras por não quererem se prender, e os que acham que aquilo o que sentem é amor, quando não passa de um sentimento superficial, por vezes egoísta, possessivo e destrutivo.

Acreditar na magia e no amor fica cada vez mais difícil quando tudo o que você encontrou pelo caminho te provou justamente o contrário. Experiências deveriam somar e contribuírem com o aprendizado, e não te fazerem desistir diante dos desafios.

Ao longo da série vemos a luta constante de Henry, filho da protagonista da série, Emma, tentando fazer com que sua mãe biológica acredite que os contos de fadas existem. O garoto explica para a mulher que uma maldição lançada pela Rainha faz com que todos os personagens esqueçam de quem eles realmente são e somente ela pode salvar a todos, mas a missão torna-se inviável quando Emma mostra-se uma pessoa extremamente cética.

Como fazer alguém acreditar em algo tão improvável como a magia? O garoto tentou inúmeras tentativas, sem mencionar uma ajuda especial do Pinocchio que tentou mostrar o seu corpo de madeira para Emma, mas nada importava, porque só enxergamos aquilo o que desejamos ver.

De forma semelhante a vida, aprendemos a dar valor em algumas coisas só depois que a perdemos. Isso quando aprendemos... Por que algumas pessoas cometem os mesmos erros a vida toda. Foi preciso que Henry quase morresse para que Emma finalmente enxergasse a verdade.

Quantas mortes ou fins poderiam ser evitados caso as pessoas acreditassem mais no amor, naquele que na série, talvez pela raridade, é considerado “a magia mais poderosa”? As pessoas só veem aquilo que desejam, e muitas vezes é preciso mais do que uma luz para as tirarem da escuridão que habitam. Perdas também podem ser ganhos

Comentários

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana