Pular para o conteúdo principal

Destaques

Espectro Autista: Disfunção Executiva, Alimentação e Autonomia

Quase nunca falo de alimentação, mas hoje decidi falar. Uma das principais curiosidades de pais de pessoas no espectro autista é sobre a seletividade alimentar e autonomia. Poucos sabem da existência da disfunção executiva.


Foto tirada neste sábado, 18 de maio de 2019: 


Aspergers também comem besteiras. Não sou exemplo a ser seguido por ninguém. Por esse e inúmeros motivos prefiro ficar do lado de fora do mundo do autismo. Odiaria ser visto como um modelo de comportamento.  
Poucas pessoas conhecem minha história de vida. Aos 17 anos, entrei na universidade, onde comecei minha primeira graduação: Nutrição. Quem já leu os outros posts, sabe que a graduação não foi desafiadora para mim e acabei desistindo = comportamento de pessoas com altas habilidades (embora eu não tenha papel, na minha infância fui consultado por psicóloga que dizia que eu era muito maduro para minha idade). Queria algo mais desafiador e fiz cursinho para tentar Medicina, mas a realidade bate na porta e não era e aind…

Resenha: Como a Starbucks salvou minha vida – Michael Gates Gill

"Como a Starbucks salvou minha vida" é um livro auto-biográfico escrito por Michael Gates Gill, um ex-publicitário, diretor de criação da J. Walter Thompson, que trabalhou durante 25 anos na empresa até ser demitido. A vida do homem começou a mudar aos 63 anos, após ele conseguir um emprego na Starbucks.

Uma série de escolhas feitas por Mike durante a vida o levaram à falência e também à solidão. Pai de cinco filhos, o homem era aficionado pelo antigo trabalho e perdeu importantes momentos com a sua família. Não bastando a ausência em sua casa, Michael envolveu-se com uma psicóloga estéril, que acabou ficando grávida.

Para a mulher, ficar grávida era um milagre e a mesma decidiu que teria a criança. Mike contou para a esposa sobre o caso e gravidez, e ela pediu separação. O homem deixou a casa e algumas economias para o filho.

Além de separado, o velho foi demitido do seu emprego na agência de publicidade pela funcionário que uma vez tinha indicado e ajudado a fazer parte da equipe da empresa. Com mais tempo livre, Mike aproveitou para passar mais tempo com o seu novo filho e a mãe dele, uma forma de compensar a ausência com seus outros filhos, porém a mulher deixou de achá-lo interessante.

Mike tentou abrir o próprio negócio mas as coisas não deram certo. Falido, o homem descobre que tem um tipo raro de cancer e precisa fazer uma cirurgia no cérebro. Uma proposta de emprego faz ele refletir sobre sua vida, preconceitos, limitações, diversidade.

A conquista da vaga faz Mike confrontar o seu passado e mudar suas atitudes. O homem que não andava de transporte público, morava numa casa grande e nunca tinha limpado nada a vida toda, torna-se um funcionário da Starbucks, responsável por diferentes funções, entre elas a limpeza de banheiro, precisa andar de metrô e lidar com diferentes pessoas diariamente.

Confesso que comprei o livro por causa do preço de aproximadamente R$9,00. A história envolvente e sobre valores me surpreendeu à medida que eu lia e no final, mostrou-se uma boa surpresa: um daqueles livros que você não se imaginaria lendo, mas acaba gostando e recomendando a leitura. Mais do que relatar o crescimento de um funcionário dentro da Starbucks que saiu da zona de conforto, o autor nos leva a refletir sobre as prioridades da vida.

PS: Impossível terminar de ler o livro sem sentir vontade de tomar um bom café.

Comentários

Mais lidas da semana