Pular para o conteúdo principal

Destaques

Mindhunter Profile 2: Especialista em serial killers compartilha experiências após aposentadoria do FBI

Após se aposentar do FBI , o ex-agente especialista em assassinos continuou sendo convidado para colaborar em alguns casos que exigiam entender melhor o perfil psicológico dos criminosos. No livro Mindhunter Profile 2 , dos autores Robert K. Ressler e Tom Snachtman , é possível conhecer um pouco mais da história de vida desta figura que deixou uma boa contribuição para a criminologia e compreensão sobre as mentes de serial killers. A obra foi publicada pela editora DarkSide Books , em 2021, com tradução de Alexandre Boide. Compre o livro Mindhunter Profile 2:  https://amzn.to/39qJjId Entre os casos explorados no livro há um que desperta o interesse por envolver algo não tão desconhecido, como o uso de transtornos mentais para diminuir as penas. Ressler percebeu um fenômeno de ex-soldados que usavam o Transtorno do Estresse Pós-Traumático como uma justificativa quando cometiam crimes e notou que muitas vezes, os históricos dos assassinos não eram checados e muitos inventavam histórias

Assessoria de Imprensa e Relações Públicas


Escrito por Biceli Dutra Rodrigues, Gabriela Guimarães Peçanha, Ricardo Valeriano Pinheiro dos Reis e Adriana Sartório Ricco, o artigo "Assessoria de Imprensa e Relações Públicas: Concorrentes ou Complementares" aborda a rixa entre os profissionais de assessoria de imprensa e relações públicas, já que ambos realizam atividades parecidas dentro de uma empresa. Através da entrevista de profissionais, os autores do trabalho concluíram que as duas áreas são importantes para a comunicação institucional e complementares.

Segundo o artigo, não existem limites claros entre a atuação dos profissionais e para trabalhar na área de assessoria de imprensa o profissional pode ser tanto relações públicas quanto jornalista. De acordo com os autores, o profissional de relações públicas é responsável pela comunicação organizacional que tem como meta manter ou reformar a reputação positiva de uma instituição, conciliar interesses e estabelecer a integração de diálogo entre várias empresas e opinião pública. Já na assessoria de imprensa, a meta é estabelecer relações confiáveis entre o assessorado e os meios de comunicação, com a função de se tornar uma fonte respeitada e atingir um equilíbrio da opinião pública.

Os autores questionam se a função é de assessoria de imprensa ou relações públicas é a mesma, pois não se sabe exatamente sobre seus trabalhos e os mesmos acabam sendo mal vistos por outros profissionais de comunicação, como os jornalistas.

Apesar de ter surgido em 1906 nos EUA, a comunicação empresarial vieram para o Brasil somente nos anos 50. Inicialmente, foram atraídos pelos progressos do país, porém enfrentaram preconceitos  e discriminação, somente a partir de 1978 que as assessorias de imprensa ganharam  credibilidade. Com o corte de profissionais de redação, muitos profissionais migraram para a área de assessoria de impresa por conta das vantagens, como tranquilidade, menor estresse e correria, além do horário fixo de trabalho.

De acordo com os autores, em alguns países a função não é reconhecida para jornalistas, somente para relações públicas. Além de manter uma boa imagem com a opinião pública e distribuir informações para a mídia, os assessores de imprensa também são responsáveis por treinar as fontes da empresa para lidar com a imprensa.

Entrevistas com profissionais feitas pelos autores apontam que a comunicação ajuda a empresa a permanecer no mercado e evoluir, fortalece a credibilidade, promove maior integração, relacionamento com segmento do público e meios de comunicação. Os entrevistados também acreditam que uma atividade não exclui a outra, pois as duas trabalham pela imagem da empresa.

Ainda segundo alguns profissionais entrevistados, enquanto o Relações Públicas está mais relacionado à coordenação de eventos e projetos, o jornalista precisa escrever bem e ter um bom relacionamento com a imprensa. O ideal de comunicação, segundo um dos entrevistados, seria o trabalho em conjunto de publicitários, relações públicas e jornalistas.

Confira o artigo na íntegra: http://www.fag.edu.br/professores/anderson/Assessoria%202009/artigo%20assessoria%20imprensa%20e%20relacoes%20publicas%20-%206.pdf

Comentários

  1. Fala Ben, quanto tempo que não passo por aqui!

    A discussão é longa, mas senti que o estudo (pelo que você relatou) confunde profissão e função. O RP pode ter como FUNÇÃO a assessoria de imprensa, bem como o Jornalista pode ter a mesma função. Assessor não é profissão rsrs.

    Da mesma forma, no fim do texto afirma-se que "Enquanto o Relações Públicas está mais relacionado à coordenação de eventos e projetos, o jornalista precisa escrever bem e ter um bom relacionamento com a imprensa". Para mim isso é um ABSURDOOOOOOO!!!

    RP deve coordenar e ter visão macro sobre diversas atividades da comunicação. Eventos é apenas uma delas. Quando coloca-se o "enquanto" praticamente exclui que o RP tenha que escrever bem e se relacionar com jornalistas. Da mesma forma, AMBOS precisam escrever bem e AMBOS precisam se relacionar bem com jornalistas.

    Vou tentar ler o artigo com calma depois ;-)

    Abraços

    Pedro Prochno
    @prochno
    www.blogrelacoes.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana