Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Assessoria de Imprensa e Relações Públicas


Escrito por Biceli Dutra Rodrigues, Gabriela Guimarães Peçanha, Ricardo Valeriano Pinheiro dos Reis e Adriana Sartório Ricco, o artigo "Assessoria de Imprensa e Relações Públicas: Concorrentes ou Complementares" aborda a rixa entre os profissionais de assessoria de imprensa e relações públicas, já que ambos realizam atividades parecidas dentro de uma empresa. Através da entrevista de profissionais, os autores do trabalho concluíram que as duas áreas são importantes para a comunicação institucional e complementares.

Segundo o artigo, não existem limites claros entre a atuação dos profissionais e para trabalhar na área de assessoria de imprensa o profissional pode ser tanto relações públicas quanto jornalista. De acordo com os autores, o profissional de relações públicas é responsável pela comunicação organizacional que tem como meta manter ou reformar a reputação positiva de uma instituição, conciliar interesses e estabelecer a integração de diálogo entre várias empresas e opinião pública. Já na assessoria de imprensa, a meta é estabelecer relações confiáveis entre o assessorado e os meios de comunicação, com a função de se tornar uma fonte respeitada e atingir um equilíbrio da opinião pública.

Os autores questionam se a função é de assessoria de imprensa ou relações públicas é a mesma, pois não se sabe exatamente sobre seus trabalhos e os mesmos acabam sendo mal vistos por outros profissionais de comunicação, como os jornalistas.

Apesar de ter surgido em 1906 nos EUA, a comunicação empresarial vieram para o Brasil somente nos anos 50. Inicialmente, foram atraídos pelos progressos do país, porém enfrentaram preconceitos  e discriminação, somente a partir de 1978 que as assessorias de imprensa ganharam  credibilidade. Com o corte de profissionais de redação, muitos profissionais migraram para a área de assessoria de impresa por conta das vantagens, como tranquilidade, menor estresse e correria, além do horário fixo de trabalho.

De acordo com os autores, em alguns países a função não é reconhecida para jornalistas, somente para relações públicas. Além de manter uma boa imagem com a opinião pública e distribuir informações para a mídia, os assessores de imprensa também são responsáveis por treinar as fontes da empresa para lidar com a imprensa.

Entrevistas com profissionais feitas pelos autores apontam que a comunicação ajuda a empresa a permanecer no mercado e evoluir, fortalece a credibilidade, promove maior integração, relacionamento com segmento do público e meios de comunicação. Os entrevistados também acreditam que uma atividade não exclui a outra, pois as duas trabalham pela imagem da empresa.

Ainda segundo alguns profissionais entrevistados, enquanto o Relações Públicas está mais relacionado à coordenação de eventos e projetos, o jornalista precisa escrever bem e ter um bom relacionamento com a imprensa. O ideal de comunicação, segundo um dos entrevistados, seria o trabalho em conjunto de publicitários, relações públicas e jornalistas.

Confira o artigo na íntegra: http://www.fag.edu.br/professores/anderson/Assessoria%202009/artigo%20assessoria%20imprensa%20e%20relacoes%20publicas%20-%206.pdf

Comentários

  1. Fala Ben, quanto tempo que não passo por aqui!

    A discussão é longa, mas senti que o estudo (pelo que você relatou) confunde profissão e função. O RP pode ter como FUNÇÃO a assessoria de imprensa, bem como o Jornalista pode ter a mesma função. Assessor não é profissão rsrs.

    Da mesma forma, no fim do texto afirma-se que "Enquanto o Relações Públicas está mais relacionado à coordenação de eventos e projetos, o jornalista precisa escrever bem e ter um bom relacionamento com a imprensa". Para mim isso é um ABSURDOOOOOOO!!!

    RP deve coordenar e ter visão macro sobre diversas atividades da comunicação. Eventos é apenas uma delas. Quando coloca-se o "enquanto" praticamente exclui que o RP tenha que escrever bem e se relacionar com jornalistas. Da mesma forma, AMBOS precisam escrever bem e AMBOS precisam se relacionar bem com jornalistas.

    Vou tentar ler o artigo com calma depois ;-)

    Abraços

    Pedro Prochno
    @prochno
    www.blogrelacoes.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana