Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Flores para Algernon – Daniel Keyes

Nossas percepções do mundo são moldadas por nossas habilidades cognitivas, o que, muitas vezes, também formam a visão que os outros têm de nós, especialmente em sociedades em que as pessoas têm dificuldade de ter empatia e respeito por pessoas diferentes. No livro Flores para Algernon (Flowers for Algernon), o escritor Daniel Keyes narra a história de Charlie, um rapaz com deficiência intelectual grave (no livro descrito como retardo mental) que é convidado a participar de uma cirurgia capaz de aumentar seu quociente de inteligência. No Brasil, a obra foi publicada pela Editora Aleph, em 2018, com tradução de Luisa Geisler.


Compre o livro Flores para Algernon (Daniel Keyes): https://amzn.to/2K4J7AR

Flores para Algernon é uma leitura desconfortável, já que à medida que o personagem principal toma consciência da maneira que ele é tratado pelos outros, é difícil não sentir sua dor e refletir sobre como o preconceito e a discriminação estão enraizados na sociedade.

Quem você se torna quand…

Crítica - E A Vida Continua


Ontem fui ao cinema assistir "E a Vida Continua", filme dirigido por Paulo Figueiro e lançado em setembro de 2012. O roteiro do filme é uma adaptação infeliz do 13º e último livro da série "A Vida no mundo Espiritual", obra de Chico Xavier ditada pelo espírito André Luiz.

O enredo da história não deixa muito a desejar já que o roteiro foi baseado em um livro e as chances de errar são mínimas. Todavia, quando se trata da fotografia cinematográfica, edição, efeitos especiais, interpretações, a vontade que eu tive foi de levantar da poltrona e ir embora, como muitas pessoas da sala de cinema fizeram, porém aguentei e assisti até o final.

Não há dúvidas de que o filme deve atrair um grande público por conta de sua história e relação com o
espiritismo, porém quem tiver  um bom gosto e mínimo conhecimento sobre cinema vai logo perceber o fracasso cinematográfico de "E a vida continua". Além da falta de qualidade nas imagens, outro problema do filme é o áudio. Apesar da produção ser brasileira, em algumas cenas parece que foi utilizado o recurso de dublagem, deixando momentos que deveriam ser dramáticos se tornarem engraçados e decepcionando ainda mais quem já estava inconformado com as imperfeições técnicas.

Se por um lado o filme me decepcionou em termos técnicos, por outro me deixou com vontade de ler a obra psicografada por Chico Xavier. A história do filme mostra como estamos relacionados direta ou indiretamente com as pessoas ao nosso redor, uma conexão que vem de outras vidas e persiste até que nós consigamos corrigir os nossos erros, passar nos nossos testes e cumprir nossas missões.

Evelina (Amanda Costa) está enfrentando um câncer e antes de passar por uma cirurgia, a jovem tem um encontro inesperado com um homem chamado Ernesto (Luiz Baccelli), que também está doente, quando o seu carro quebra na estrada. Uma amizade surge entre os dois, que apesar de não terem se conhecido previamente, acreditam que existem muitas coincidências no encontro, nas doenças e no fato de estarem hospedados no mesmo hotel.

Após os dois passarem por uma cirurgia, ambos morrem e se reencontram novamente no outro plano, um lugar que se parece com um hospital. As coisas começam a ficar estranhas quando Evelina e Ernesto conversam com outros pacientes e ouvem histórias sobre eles não estarem no Planeta Terra e já estarem mortos. Todas aquelas informações provocaram em Evelina um choque de crenças.

Os amigos são mandados para um conselheiro e só depois de contarem como tinham sido suas vidas, eles passam a entender mais sobre a relação que tinham com cada uma das pessoas da Terra e também entre si.

As lições transmitidas pelo Espiritismo referentes à Paciência, Amor, Amizade, Egoísmo, Moralidade, Família, Inveja, Morte e Vida são mostradas no filme e levam o telespectador a refletir sobre as atitudes tomadas nos seus cotidianos. A necessidade de fazer o bem é transmitida, não importa o quão complicada ou fácil seja uma situação. A moral do filme pode ser resumida no conhecido Provérbio Chinês: "A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória".

Confira o trailer

Comentários

Mais lidas da semana